Síndrome de Sjögren: nova esperança para portadores da rara doença!

Um novo estudo lançou luz sobre uma condição auto-imune debilitante, identificando vários subtipos da doença que podem levar a um tratamento personalizado para os pacientes. Pela primeira vez, cientistas da Universidade de Newcastle descobriram que existem pelo menos quatro versões da síndrome de Sjögren (SS) – uma doença inflamatória crônica que afeta as partes do corpo que produzem fluidos, como lágrimas e saliva.

Síndrome de Sjögren – Condição crônica

A síndrome de Sjögren é uma doença incurável que afeta até 1,2% da população e é caracterizada por secura oral, dor muscular e fadiga severa.

Os cientistas acreditam que suas descobertas têm implicações importantes para o desenvolvimento de medicamentos, particularmente no desenho de ensaios clínicos e na divulgação de alvos moleculares.

O professor Fai Ng, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Newcastle, Inglaterra, liderou o estudo europeu, que é o primeiro a relatar subtipos distintos da doença imunológica inflamatória.

Ele disse: “Estamos muito empolgados com nossas descobertas. Até o momento, não temos tratamento eficaz para essa condição e acreditamos que nosso estudo possa ajudar significativamente no desenvolvimento de medicamentos para o SS. Uma das principais barreiras à pesquisa é que as apresentações clínicas de pacientes com a doença diferem acentuadamente de paciente para paciente. O conhecimento desses subtipos nos ajudará a desenvolver planos de gerenciamento mais personalizados para aqueles com a condição, o que, por sua vez, ajudará a melhorar a qualidade de vida das pessoas”.

A visão tradicional é que o SS possui apenas dois subtipos principais, mas isso foi visto como simplista demais, pois muitos pacientes não se enquadram nos dois grupos clássicos.

Abordagem científica da equipe

Usando dados do registro da síndrome de Sjögren no Reino Unido, os especialistas identificaram quatro subtipos com perfis clínicos e biológicos distintos, sugerindo que os pacientes provavelmente diferem em sua resposta a terapias direcionadas.

O professor Fai Ng, que também é consultor reumatologista do NHS Foundation Trust de Newcastle Hospitals, disse: “Achamos particularmente gratificante que muitos pacientes possam se identificar com esses novos subtipos e que eles” fazem sentido “para eles na compreensão dos sintomas de sua condição. Uma lição vital que aprendemos é a importância de uma abordagem de ciência da equipe – não confiamos apenas nas métricas de agrupamento, mas levamos em consideração a experiência clínica e o bom senso”.

Mais pesquisas se concentrarão na biologia de cada subtipo de Sjögren; testar a estabilidade e o resultado a longo prazo de cada subtipo e validar as diferentes respostas ao tratamento de cada um.

História do paciente

Síndrome de Sjögren - historia da pacienteA paciente com síndrome de Sjögren, Sra Pat Beaumont, convive com a doença há mais de uma década e conhece em primeira mão as dificuldades que ela traz no dia-a-dia.

A consultora de RH percebeu que algo estava errado quando começou a sofrer de fadiga crônica, secura dos olhos e hematomas inexplicáveis. Foram necessários 18 meses para um diagnóstico definitivo, pois os médicos não conseguiram chegar à raiz do problema.

Pat, de 69 anos disse: “Com esta pesquisa, posso identificar a que subtipo eu pertenço e isso é importante, pois posso discutir com meu consultor quais questões médicas precisamos resolver”.

Isso dá esperança para o desenvolvimento de tratamento eficaz e uma abordagem holística para os pacientes gerenciarem seus sintomas – isso é de grande importância, pois lidar com os sintomas do dia-a-dia é um dos maiores encargos para os pacientes.

“Uma compreensão mais clara dos sintomas – com a qual esses subtipos ajudam – permite que os pacientes criem seu próprio “pacote” de gerenciamento, que não necessariamente envolve medicamentos. É ótimo que a Universidade de Newcastle esteja liderando o caminho da síndrome de Sjögren e promovendo a compreensão da condição”, concluiu o Professor Fai Ng.

O estudo completo foi publicado na revista médica The Lancet Rheumatology.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.