Diabetes pode ter associação com diagnóstico de depressão

Um precursor do diabetes também pode elevar o risco de depressão, indicou um estudo de coorte holandês.

Três medidas substitutas para resistência à insulina mostraram uma ligação significativa com o desenvolvimento de um transtorno depressivo maior durante um período de acompanhamento de 9 anos, relatou Kathleen T. Watson, PhD, da Stanford School of Medicine na Califórnia, e colegas.

Conforme mostrado em seu estudo online no American Journal of Psychiatry, uma proporção maior de triglicerídeos para lipoproteínas de alta densidade (HDLs) – 0,83 ou mais para mulheres e 1,22 ou mais para homens – foi associada a um risco 89% maior de desenvolver depressão maior incidente.

Além disso, os indivíduos com pré-diabetes – definido como um nível de glicose plasmática em jejum de 5,54 mmol/L (100 mg/dL) ou superior – tiveram um aumento de 37% no risco de depressão maior.

A “adiposidade central” – definida como uma circunferência da cintura de 100 cm (39 polegadas) ou mais – foi associada a um risco aumentado de 11% para depressão.

Os relacionamentos eram semelhantes para homens e mulheres, observou a equipe.

“Sab emos que o diabetes tipo 2 leva a um risco aumentado de depressão, e aqui vemos que a resistência à insulina, uma condição altamente prevalente que freqüentemente precede o diabetes tipo 2, também está associada ao aumento da depressão”, disse Watson.

As descobertas foram “um pouco inesperadas”, acrescentou. “A relação entre a resistência à insulina e a depressão poderia ter caminhado em qualquer direção.”

Em uma tentativa de analisar o momento do relacionamento, o grupo de Watson realizou uma análise secundária observando apenas os participantes com resistência à insulina de início recente nos primeiros 2 anos após a inscrição no estudo.

“Alguns indivíduos já eram resistentes à insulina no início do estudo – não havia como saber quando eles se tornaram resistentes à insulina”, explicou Watson em um comunicado. “Queríamos determinar com mais cuidado quando a conexão entraria em ação.”

Na triagem de acompanhamento de 2 anos, o pré-diabetes de início recente foi associado a um risco mais de duas vezes maior de depressão maior. Mas também neste ponto de tempo, a alta taxa de triglicérides-HDL de início recente e a alta adiposidade central após a inscrição no estudo não foram significativamente associadas à depressão maior incidente, disseram os pesquisadores.

“É hora de os provedores considerarem o estado metabólico daqueles que sofrem de transtornos de humor e vice-versa, avaliando o humor em pacientes com doenças metabólicas, como obesidade e hipertensão”, a coautora do estudo Natalie Rasgon, MD, PhD, também de Stanford, explicou em um comunicado. “Para prevenir a depressão, os médicos deveriam verificar a sensibilidade de seus pacientes à insulina”.

“Esses testes estão disponíveis em laboratórios de todo o mundo e não são caros”, disse. “No final, podemos mitigar o desenvolvimento de doenças debilitantes ao longo da vida.”

Detalhes do estudo

Para a análise, os pesquisadores se basearam em 9 anos de dados do ensaio holandês Study of Depression and Anxiety. Esta análise particular incluiu 601 participantes do estudo, todos com idades entre 18 e 65 anos. No início do estudo, nenhum dos participantes tinha qualquer história de depressão ou ansiedade ao longo da vida.

Os participantes foram então submetidos a uma entrevista psiquiátrica no início do estudo e nos anos 2, 4, 6 e 9 de acompanhamento, selecionados para transtorno depressivo maior, transtornos de ansiedade e transtorno bipolar.

Os níveis de triglicerídeos, HDL e glicose plasmática em jejum também foram ajustados para o uso de medicamentos e foram medidos no início do estudo e apenas no acompanhamento de 2 anos.

Durante o acompanhamento de 9 anos, um total de 14% da coorte (84 indivíduos) desenvolveu transtorno depressivo maior, diagnosticado de acordo com os critérios da quarta edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. Cerca de 5% da coorte desenvolveu depressão no ano 2 (30 indivíduos).

Em relação aos possíveis mecanismos de ação, uma possível explicação, afirmam Watson e coautores, pode ser devido à neuroinflamação, causada pela resistência à insulina, que pode aumentar o risco de depressão.

“A hipótese inflamatória da depressão sugere que a presença de citocinas pró-inflamatórias pode levar a uma redução nos níveis de serotonina, bem como redução da neurogênese e plasticidade sináptica – estados fisiológicos, que estão associados à presença de depressão”, disseram os pesquisadores.

Ainda assim, eles acrescentaram, uma limitação notável do estudo foi que a resistência à insulina só foi medida de acordo com esses três marcadores substitutos, em vez de usar o “padrão ouro” da técnica de clamp euglicêmico.

“Também estamos explorando a ideia do subtipo metabólico da depressão”, disse Watson. “É plausível que diferentes tratamentos ou abordagens ajudem a controlar a depressão em pessoas com resistência à insulina. Essas ferramentas podem informar as práticas clínicas no futuro”.

______________________________

O estudo original foi publicado no American Journal of Psychiatry

“Incident Major Depressive Disorder Predicted by Three Measures of Insulin Resistance: A Dutch Cohort Study” – 2021

Autores do estudo: Kathleen T. Watson, Ph.D., Julia F. Simard, Sc.D., Victor W. Henderson, M.S., M.D., Lexi Nutkiewicz, B.A., Femke Lamers, Ph.D., Carla Nasca, Ph.D., Natalie Rasgon, M.D., Ph.D., Brenda W.J.H. Penninx, M.D., Ph.D. – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.