Reposição hormonal durante a menopausa pode evitar doenças cardíacas

Nos anos que antecederam a menopausa, as mulheres passam por mudanças hormonais que podem aumentar o risco de doenças cardíacas, incluindo aumento da gordura corporal e níveis elevados de colesterol LDL “ruim”.

Pesquisas recentes mostram que o tipo de terapia de reposição hormonal (HRT ou HT) e o momento em que é administrada podem afetar o risco futuro de doenças cardíacas da mulher.

As terapias hormonais diferem; As necessidades das mulheres diferem

“A principal lição é que todas as terapias hormonais não são iguais, e não é que uma seja boa e a outra seja ruim”, diz Stephanie Faubion, MD, MBA, diretora do centro de saúde da mulher na Clínica Mayo em Rochester, Minnesota. “Precisamos levar essas diferenças em consideração quando olhamos para cada mulher individualmente, para determinar qual terapia é melhor de acordo com suas necessidades e quais são seus fatores de risco”, diz ela.

Mulheres enfrentam maior risco de doenças cardíacas na meia-idade

A doença cardiovascular é a principal causa de morte em mulheres e o risco aumenta após os 50 anos, quando muitas mulheres chegam oficialmente à menopausa, condição que é diagnosticada retrospectivamente, após a mulher não ter menstruado por 12 meses consecutivos.

O papel do estrogênio na saúde do coração

O estrogênio é um hormônio produzido pelos ovários da mulher. Tem efeitos protetores para o coração, mas à medida que as mulheres envelhecem e se aproximam da menopausa, seus ovários produzem menos estrogênio.

No primeiro estudo, publicado na edição de março de 2020 da revista Menopause, os dados sugeriram que a terapia de reposição hormonal com estrogênios equinos conjugados orais pode ter um efeito protetor sobre a saúde cardíaca quando comparada com o estradiol HT transdérmico ou nenhuma terapia hormonal.

Os investigadores examinaram os dados recolhidos de 467 mulheres menopáusicas que participaram no Estudo de Prevenção Antecipada do Estrogénio Kronos (KEEPS), um ensaio aleatório controlado com placebo.

Para serem incluídas no estudo, as mulheres deveriam ter um útero intacto, ter entre 42 e 58 anos de idade e ter seu período menstrual mais recente 6 a 36 meses antes (de modo que se passaram menos de três anos desde a menopausa).

É importante observar que a quantidade de estrogênio usada neste estudo foi uma dose menor do que a usada na pesquisa da Women’s Health Initiative (o estudo de 2002 que conectou a terapia hormonal combinada – estrogênio e progesterona – com um risco maior de doenças cardíacas, câncer de mama e outros problemas de saúde).

A gordura se acumula na meia-idade

Conforme as mulheres progridem na transição da menopausa, elas tendem a acumular gordura visceral abdominal e gordura ao redor do coração, de acordo com Samar R. El Khoudary, PhD, MPH, professor associado de epidemiologia na University of Pittsburgh Graduate School of Public Health na Pensilvânia e principal autor do estudo. Depósitos de gordura no coração têm sido associados à progressão da aterosclerose.

Para descobrir se o estrogênio afeta o acúmulo de gordura no coração e a progressão da aterosclerose, os pesquisadores mediram a espessura da íntima-média da carótida (CIMT), bem como o acúmulo de gordura no coração ao longo de um período de 48 meses.

Os pesquisadores dividiram as mulheres em três grupos para ver o efeito potencial na progressão da CIMT e no acúmulo de gordura no coração. Um grupo recebeu 0,45 miligramas (mg) por dia de estrogênios equinos conjugados orais (CEE), outro um grupo recebeu 50 microgramas por dia de 17 beta-estradiol transdérmico e um terceiro grupo recebeu um placebo.

Os pesquisadores usaram tomografias para medir o tecido adiposo epicárdico, o tecido adiposo paracárdico e CIMT no início do estudo e 48 meses. CEE e 17 beta-estradiol são comumente usados ​​(às vezes junto com uma progestina) para controlar os sintomas da menopausa, como ondas de calor, vaginite ou insônia.

O tratamento hormonal versus como o hormônio é administrado

O que não está claro é se o efeito protetor superior demonstrado pelo CEE oral foi devido ao tipo de estrogênio ou ao fato de ter sido administrado por via oral, o estradiol menos eficaz foi administrado através da pele, via patch, de acordo com El Khoudary.

Isso também contradiz os resultados de pesquisas anteriores, que mostraram que o estrogênio transdérmico (administrado por meio de um adesivo na pele) pode ter mais benefícios para a saúde cardíaca do que o tratamento oral.

“Isso ocorre porque esses estudos foram originalmente concebidos antes de haver fortes evidências de que as terapias hormonais diferiam entre si”, diz ela.

Pesquisas adicionais devem ser planejadas para esclarecer se é o tipo de estrogênio ou a forma como é administrado que retarda a progressão da espessura da íntima-média da carótida, diz El Khoudary.

_____________________________

O estudo original foi publicado no American College of Cardiology

* “Kronos Early Estrogen Prevention Study – KEEPS” – 2020

Autores do estudo: Anthony A. Bavry, Deepak L. Bhatt – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.