Realidade virtual pode ajudar pacientes que sofrem com dor crônica

A realidade virtual (RV) para dor crônica produziu resultados promissores, mas enfrenta desafios importantes, sugeriu uma revisão da literatura disponível.

“Apesar das evidências científicas, o acesso a dispositivos de RV é limitado devido ao custo e relutância em abraçar a tecnologia ou inovação”, disse Rajat Lamington, MD, do Comprehensive Spine and Pain Center de Nova York, que apresentou a revisão na reunião virtual da  American Society of Interventional Pain Physicians (ASIPP). “Esses são dois desafios importantes que atrapalharão a disponibilidade da RV.”

Conscientização, acessibilidade e aceitação são necessárias para aumentar o uso da RV para a dor crônica, acrescentou. “A conscientização irá gerar curiosidade e grandes ensaios clínicos randomizados que são necessários para estudar a eficácia da RV para, com sorte, produzir resultados semelhantes aos que já produziu até agora”, disse Lamington ao MedPage Today.

A pandemia de COVID-19 atingiu pessoas com dores crônicas de maneira especialmente forte, observou o autor. “O adiamento dos procedimentos eletivos, o acesso limitado à fisioterapia e psiquiatras e fatores estressantes psicossociais e emocionais deterioraram ainda mais a qualidade de vida deles”, disse na apresentação online do ASIPP.

“Alguns de nós tiveram que prescrever medicamentos para a dor até que os pacientes pudessem receber seu tratamento, o que é ainda mais desafiador devido à crise de opioides”, continuou. “Isso destacou a necessidade de opções de tratamento inovadoras que não causem dependência, sejam portáteis e, de preferência, não invasivas.”

A realidade virtual, reconhecida originalmente por seu valor de entretenimento, tem sido estudada nos últimos 10 anos como uma forma de atenuar a percepção da dor, ansiedade e angústia geral durante procedimentos médicos dolorosos.

“A tecnologia VR permite que os usuários sejam transportados para um mundo virtual por meio de uma combinação de dispositivos que podem incluir um head-mounted display, fones de ouvido ou um joystick, e podem rastrear os movimentos da cabeça com estímulos multimodais – visuais, auditivos, táteis e olfativos – dando a ilusão de estar completamente cercado por um mundo virtual”, disse Lamington.

Como o estudo foi conduzido

Na revisão, Lamington avaliou a literatura de 2000 a 2019 nos bancos de dados Cochrane e Medline que avaliaram a terapia de RV e a dor com medidas de resultados quantitativos ou qualitativos.

A pesquisa mostrou que a RV é usada de quatro formas para controlar a dor: como distração, para melhorar a amplitude de movimento, em combinação com intervenções comportamentais e para analgesia.

Ao desviar a atenção de uma sensação desagradável para um mundo virtual agradável, a distração através da RV pode diminuir a dor subjetiva de forma marcante e pode ser usada durante punção venosa, injeções intervencionistas na coluna, procedimentos guiados por fluoroscopia e remoção do eletrodo da medula espinhal.

A RV também demonstrou melhorar a amplitude de movimento em uma série de estudos, notadamente em um no qual pacientes com dor crônica e movimento limitado do pescoço foram encorajados a borrifar moscas com uma lata de spray virtual. Nesse estudo, “uma única sessão de RV resultou em aumento da amplitude de movimento cervical e diminuição da dor no pescoço”, disse o autor.

As intervenções comportamentais de biofeedback podem fornecer experiências multissensoriais realistas e envolventes para ajudar a aliviar os sintomas.

Um relato de caso mostrou que a hipnose de realidade virtual pode tratar a dor neuropática crônica com sucesso em um paciente com uma história de 5 anos de tratamentos malsucedidos.

A RV tem o potencial de ser um tratamento domiciliar eficaz para o controle da dor crônica, observou Beth Darnall, PhD, da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, que não estava envolvida na apresentação do ASIPP.

Em julho, Darnall e colegas publicaram os resultados do primeiro ensaio de RV baseado em habilidades em casa para dor crônica, que randomizou pacientes para receber uma intervenção por meio de RV ou formato de áudio. “Nós estudamos o mesmo conteúdo fornecido de duas maneiras distintas para nos permitir isolar o efeito imersivo de nossa intervenção de RV”, disse Darnall.

“Embora ambos os grupos tenham se envolvido com o tratamento de forma semelhante e se beneficiado deles, a RV foi superior para reduzir a intensidade da dor e a interferência da dor em uma série de resultados”, disse Darnall ao MedPage Today. Uma versão aprimorada da intervenção de RV agora está sendo testada como uma ferramenta poupadora de opioides em vários ensaios clínicos randomizados, incluindo um financiado pelo NIDA.

Conclusão dos autores

A RV para a dor ainda está engatinhando e as dúvidas permanecem, incluindo preocupações sobre habituação e custo, observou Lamington.

“Um avanço importante seria a portabilidade da RV para uso generalizado na prática privada e, eventualmente, em casas, onde os pacientes podem usá-la para dor crônica, fisioterapia e reabilitação de longo prazo”, afirmou.

“Temos a sorte de viver em um século em que novas tecnologias estão à nossa disposição”, disse. “Devemos usá-lo para promover nosso compromisso com a saúde de qualidade re entrega.”

__________________________

O estudo original foi publicado no American Society of Interventional Pain Physicians

* “Prescribing Virtual Reality for Chronic Pain” – 2020

Autores do estudo: Lamington R, Patel U – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.