Utilização do ultrassom Doppler em gestantes de baixo risco

Um dos principais objetivos do atendimento pré-natal de rotina é identificar bebês que não estão prosperando no útero. É possível que intervenções médicas possam melhorar os resultados para esses bebês se eles puderem ser identificados.

O ultrassom Doppler usa ondas sonoras para detectar o movimento do sangue nos vasos. É usado na gravidez para estudar a circulação sanguínea no bebê, útero e placenta. Usá-lo em gestações de alto risco, onde há preocupação com o estado do bebê, mostra benefícios.

No entanto, seu valor como ferramenta de rastreamento em todas as gestações precisa ser avaliado, pois existe a possibilidade de intervenções desnecessárias e efeitos adversos.

A revisão dos ensaios de ultrassom Doppler de rotina dos vasos do bebê durante a gravidez identificou cinco estudos envolvendo mais de 14.000 mulheres e bebês. Os estudos não eram de alta qualidade e foram todos realizados na década de 1990.

Não foram identificadas melhorias para o bebê ou para a mãe, embora mais dados sejam necessários para provar se é eficaz ou não para melhorar os resultados.

Objetivos

Avaliar os efeitos sobre a prática obstétrica e o desfecho da gravidez da ultrassonografia Doppler fetal e umbilical de rotina em gestações não selecionadas e de baixo risco.

Critério de seleção

Ensaios clínicos randomizados e quase randomizados de ultrassom Doppler para a investigação das formas de onda dos vasos umbilicais e fetais em gestações não selecionadas em comparação com nenhum ultrassom Doppler. Estudos em que os vasos uterinos foram avaliados juntamente com os vasos fetais e umbilicais foram incluídos.

Coleta e análise de dados

Dois revisores avaliaram independentemente os estudos para inclusão, avaliaram o risco de viés e realizaram a extração de dados.

Além da meta-análise padrão, os dois resultados primários e cinco dos resultados secundários foram avaliados usando o software e metodologia GRADE.

Resultados principais

Os autores incluíram cinco estudos que recrutaram 14.624 mulheres, com dados analisados ​​de 14.185 mulheres. Todos os estudos tiveram ocultação de alocação adequada, mas nenhum teve cegamento adequado dos participantes, equipe ou avaliadores de resultados.

Em geral, o exame de ultrassom Doppler fetal e umbilical de rotina em populações de baixo risco ou não selecionadas não resultou em aumento das intervenções pré-natais, obstétricas e neonatais.

Não houve diferenças de grupo observadas para os resultados primários da revisão de morte perinatal e morbidade neonatal. Apenas um estudo incluído avaliou a morbidade neonatal grave e não encontrou evidências de diferenças de grupo.

Para a comparação de uma única avaliação Doppler versus nenhum Doppler, foram detectadas evidências de diferenças de grupo na morte perinatal. No entanto, esses resultados são baseados em um único ensaio e a equipe recomenda cautela ao interpretar esse achado.

Não houve evidência de diferenças de grupo para os resultados de cesariana, internações em terapia intensiva neonatal ou parto prematuro com menos de 37 semanas.

Quando a qualidade da evidência para a comparação principal de ‘Todo Doppler versus nenhum Doppler’ foi avaliada com o software GRADE, os resultados de morte perinatal e dados de morbidade neonatal grave foram classificados como de baixa qualidade.

A evidência para o resultado de natimorto foi classificada de acordo com subgrupos de regime – com uma classificação de qualidade moderada para natimorto (apenas vasos fetais/umbilicais) e uma classificação de baixa qualidade para natimorto (vasos fetais/umbilicais + vasos da artéria uterina).

As evidências para admissão em unidade de terapia intensiva neonatal foram avaliadas como de qualidade moderada, e as evidências para os resultados de cesariana e parto prematuro com menos de 37 semanas foram classificadas como de alta qualidade.

Não há evidências disponíveis para avaliar o efeito em resultados substantivos de longo prazo, como o neurodesenvolvimento infantil e não há dados para avaliar os resultados maternos, principalmente a satisfação materna.

Conclusão dos autores

As evidências existentes não fornecem provas conclusivas de que o uso de ultrassom Doppler da artéria umbilical de rotina ou a combinação de ultrassom Doppler da artéria umbilical e uterina em populações de baixo risco ou não selecionadas beneficia a mãe ou o bebê.

Estudos futuros devem ser projetados para abordar pequenas mudanças no resultado perinatal e devem se concentrar em mortes potencialmente evitáveis.

________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Fetal and umbilical Doppler ultrasound in normal pregnancy” – 2020

Autores do estudo: Alfirevic Z, Stampalija T, Medley N – 10.1002/14651858.CD001450.pub4

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.