Porque alguns cosméticos causam reações alérgicas na pele?

As reações alérgicas na pele podem ser causadas por muitos compostos químicos diferentes em cremes, cosméticos e outros produtos de consumo, mas como eles desencadeiam a reação permaneceu um tanto misteriosa.

Agora, um estudo sugere que a maneira como alguns produtos químicos substituem as gorduras naturais nas células da pele pode explicar quantos ingredientes comuns desencadeiam a dermatite alérgica de contato e, de forma encorajadora, sugere uma nova maneira de tratar a doença.

Por que alguns produtos químicos desencadeiam reações alérgicas na pele é um mistério

A hera venenosa é um gatilho comumente conhecido para a dermatite alérgica de contato, mas a reação também pode ser causada por muitos ingredientes de produtos de consumo e se tornou altamente prevalecente nos países industrializados.

A reação começa se as células T do sistema imunológico reconhecem um produto químico como estranho. Pesquisas sugerem que geralmente produtos químicos pequenos devem se ligar a uma proteína maior para se tornarem visíveis às células T, e poucos produtos químicos passam por uma reação química dentro do corpo.

“No entanto, muitos pequenos compostos que desencadeiam a dermatite alérgica de contato carecem dos grupos químicos necessários para que essa reação ocorra”, diz Annemieke de Jong, professora de dermatologia da Faculdade de Medicina e Cirurgia da Universidade de Columbia, Vagelos.

“Esses pequenos produtos químicos devem ser invisíveis para as células T, mas não são”.

Células da pele desmascaram substâncias químicas indutoras de alergias

Os pesquisadores suspeitam que o CD1a, uma molécula abundante nas células de Langerhans da pele (células imunes na camada externa da pele) possa ser responsável por tornar esses produtos químicos visíveis para as células T.

No estudo atual, realizado com células humanas na cultura de tecidos, os pesquisadores descobriram que vários produtos químicos comuns conhecidos por desencadear dermatites alérgicas de contato foram capazes de se ligar a moléculas CD1a na superfície das células de Langerhans e ativar células T.

Esses produtos químicos incluíam o bálsamo do Peru e o farnesol, encontrados em muitos produtos de cuidados pessoais, como cremes para a pele, creme dental e fragrâncias. No geral, os pesquisadores identificaram mais de uma dúzia de pequenos produtos químicos que ativaram as células T através do CD1a.

“Nosso trabalho mostra como esses produtos químicos podem ativar as células T, mas, como não realizamos um estudo com pacientes, precisamos ser cautelosos ao afirmar que é definitivamente assim que funciona em pacientes alérgicos. O estudo abre caminho para estudos de acompanhamento para confirmar o mecanismo em pacientes alérgicos e projetar inibidores de resposta”, diz de Jong.

Novas idéias para tratamento

As moléculas de CD1a normalmente ligam as gorduras naturais da pele no interior de um túnel. Essas gorduras se projetam do túnel, criando uma barreira física que impede a CD1a de interagir com as células T.

Porque alguns cosméticos causam reações alérgicas na peleCom base no trabalho estrutural realizado na Universidade Monash, o farnesol, um dos alérgenos identificados neste estudo, mostrou-se escondido dentro do túnel do CD1a, deslocando as gorduras naturais residentes. “Esse deslocamento torna a superfície do CD1a visível para as células T, resultando em uma reação imune”, diz Jong.

Essa descoberta aumenta a possibilidade de que a dermatite alérgica de contato possa ser interrompida aplicando gorduras concorrentes na pele para substituir as que desencadeiam a reação imune. “A partir de estudos anteriores, sabemos a identidade de várias gorduras que podem se ligar ao CD1a, mas não ativam as células T”, diz ela.

Atualmente, a única maneira de interromper reações alérgicas na pele, é identificar e evitar o contato com o produto químico ofensivo. Pomadas tópicas podem ajudar a acalmar as erupções cutâneas, que geralmente desaparecem em menos de um mês. Mas, em casos graves, os médicos podem prescrever corticosteróides orais, que são amplamente anti-inflamatórios e imunossupressores, mas podem deixar os pacientes vulneráveis ​​a infecções e outros efeitos colaterais.

 

_____________________

O estudo foi liderado por pesquisadores do Centro Médico Irving da Universidade de Columbia, do Hospital Brigham and Women e da Universidade Monash e publicado na revista Science Immunology.

* “Human T cell response to CD1a and contact dermatitis allergens in botanical extracts and commercial skin care products” – 2020.

Autores do estudo: Sarah Nicolai1, Marcin Wegrecki, Tan-Yun Cheng, Elvire A. Bourgeois, Rachel N. Cotton, Jacob A. Mayfield, Gwennaëlle C. Monnot, Jérôme Le Nours, Ildiko Van Rhijn, Jamie Rossjohn, D. Branch Moody, Annemieke de Jong- 10.1126 / sciimmunol.aax5430

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.