Prevenção para AVC em pacientes com ataque isquêmico transitório

De acordo com um estudo longitudinal, as últimas décadas de progresso na prevenção secundária para os pacientes que tiveram ataque isquêmico transitório (AIT) não foram o bastante para abrandar o alto risco de acidente vascular cerebral (AVC) subsequente.

No Framingham Heart Study, a incidência de AIT foi 1,19 por 1.000 pessoas-ano de 1948 a 2017 entre 14.059 pessoas sem AIT anterior ou história de acidente vascular cerebral, de acordo com Vasileios-Arsenios Lioutas, MD, e colegas do Beth Israel Deaconess Medical Center e Harvard Medical School em Boston.

As 435 pessoas que tiveram um ataque isquêmico transitório tiveram um AVC subsequente em quase 30% dos casos dentro de 9 anos – seu risco cumulativo de AVC estimado em 10 anos acabou sendo mais do que o quádruplo de controles sem AIT correspondentes (risco de 0,46 vs 0,09, HR ajustado 4,37, IC 95% 3,30-5,71), eles relataram online no JAMA.

“Apesar dos avanços na prevenção secundária, o risco de AVC após o ataque isquêmico transitório permanece maior em comparação com o risco entre os participantes sem AIT, mesmo depois de levar em conta os fatores de risco cardiovasculares confusos; o risco permaneceu geralmente inalterado na maioria dos subgrupos”, disseram os autores.

A pressão arterial mais elevada foi associada a AVC subsequente precoce ou retardado, levando os pesquisadores a concluir que “os pacientes com AIT representam um grupo de risco particularmente alto que necessita de vigilância vigorosa além do período inicial de alto risco e com atenção especial ao monitoramento da hipertensão e tratamento.”

Além disso, os AVCs pós-ataque isquêmico transitório ocorreram em uma média de 1,64 anos após o índice AIT.

“Embora o risco de AVC precoce seja frequentemente destacado, a incidência de AVC subsequente continuou a aumentar e divergir daquela dos participantes sem AIT durante todo o período de acompanhamento neste estudo, 49% dos AVCs ocorreram mais de 12 meses a partir do índice AIT, um achado em consonância com grandes estudos longitudinais recentes com períodos de acompanhamento igualmente longos, apesar da adesão geral às práticas preventivas prescritas”, observaram Lioutas e colegas.

Características do estudo

O grupo de Lioutas incluiu participantes do Framing Heart Study que estavam inscritos na coorte original, coorte de descendência ou coorte de terceira geração e examinados a cada poucos anos. Elegíveis para a análise atual foram 14.059 pessoas sem histórico de AIT ou AVC no início do estudo.

As pessoas que permaneceram livres de AIT foram pareadas 5: 1 para seus pares com AIT incidente em uma mediana de 8,86 anos de acompanhamento.

O estudo não trouxe todas as notícias ruins: os dados confirmaram décadas de progresso nas intervenções de prevenção secundária após o ataque isquêmico transitório, dadas as taxas de queda do risco de AVC 90 dias após o AIT ao longo dos anos (P=0,005 para tendência):

  • 1948-1985: 16,7%
  • 1986-1999: 11,1% (HR 0,60, IC 95% 0,33-1,12)
  • 2000-2017: 5,9% (HR 0,32, IC 95% 0,14-0,75)

No entanto, Lioutas e colegas alertaram que a população de seu estudo era predominantemente branca.

“É provável que as taxas de incidência de AITs encontradas em populações predominantemente brancas sejam subestimativas da incidência de AIT na população dos Estados Unidos, já que foi demonstrado que indivíduos negros e mexicanos americanos têm taxas de incidência mais altas do que indivíduos brancos não hispânicos, um padrão semelhante é verdadeiro para o risco de derrame após AIT”, disseram eles.

Outras limitações do estudo incluíram possível revocação e viés de classificação incorreta na verificação de AIT, bem como informações insuficientes sobre tratamentos médicos e cirúrgicos após o índice AIT.

________________________________

O estudo original foi publicado no JAMA

* “Incidence of Transient Ischemic Attack and Association With Long-term Risk of Stroke” – 2021

Autores do estudo: Vasileios-Arsenios Lioutas, MD, Cristina S. Ivan, MD, Jayandra J. Himali, PhD, Hugo J. Aparicio, MD, MPH, Tarikwa Leveille, MA, Jose Rafael Romero, MD, Alexa S. Beiser, PhD, Sudha Seshadri, MD – 10.1001/jama.2020.25071

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.