Pesquisadores avançam no tratamento contra disfunção diastólica!

A disfunção diastólica é um tipo de distúrbio que afeta o lado esquerdo do coração – o lado bombeado – e é responsável por cerca de 50% de todos os casos de insuficiência cardíaca.

O distúrbio é tão desenfreado globalmente que alguns especialistas em coração o chamam de pandemia. É uma doença que causa incapacidade crescente, não apenas por causa da má função cardíaca, mas porque outros órgãos podem ficar comprometidos pela condição. Estima-se que 26 milhões de pessoas em todo o mundo sejam afetadas por insuficiência cardíaca – um número que deve aumentar nas próximas décadas à medida que a população envelhece inexoravelmente.

Estudos mais aprofundados sobre a disfunção diastólica

Uma equipe internacional de pesquisadores do coração liderada por investigadores médicos da Temple University, na Filadélfia, está lidando com questões relacionadas à forma da doença conhecida como insuficiência cardíaca, com fração de ejeção preservada.

Ao todo, existem quatro tipos de insuficiência cardíaca. Os outros três são insuficiência cardíaca do lado direito (o lado direito do coração é encarregado de bombear sangue para os pulmões para enriquecer com oxigênio); insuficiência cardíaca diastólica e insuficiência cardíaca sistólica. Independentemente da forma, os sintomas podem incluir inchaço nos pés e tornozelos, falta de ar não relacionada ao exercício e dificuldade em respirar enquanto está deitado.

Na insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada, os pacientes têm a função de bombeamento cardíaco normal medida pela fração de ejeção, a porcentagem de sangue que sai do coração toda vez que ele se contrai. No entanto, a qualidade geral do coração é ruim. A prevalência desta forma da doença tem crescido 10% por década, relataram o Dr. Steven R. Houser e Markus Wallner.

Em um esforço para entender melhor o distúrbio e tratar os pacientes onerados por ele, a equipe de pesquisa lançou um estudo para avaliar os efeitos do embotamento da atividade de uma enzima específica. Basicamente, isso foi feito usando um medicamento chamado ‘HDAC’, que causa inibição da histona desacetilase.

Houser e a equipe queriam saber se o tratamento com HDAC produziu um benefício na estrutura, função e metabolismo cardiopulmonar. Para testar sua hipótese, eles se voltaram para um modelo animal incomum, gatos machos de pêlo curto.

Os estudos chegam quando médicos de todo o mundo enfatizam a necessidade urgente de encontrar soluções para a forma de insuficiência cardíaca que afeta o lado esquerdo do coração. Não são apenas mais pessoas que desenvolvem a doença, como o prognóstico é geralmente ruim, porque a taxa de sobrevivência é baixa.

A esquipe explorou o papel da inibição da histona desacetilase como uma maneira potencial de melhorar o coração. As desacetilases de histonas são uma classe de enzimas.

Os procedimentos do estudo

Em um grupo de gatos, os cientistas simularam as características da insuficiência cardíaca com a fração de ejeção preservada, realizando um procedimento menor com eles. Ao fazer isso, os pesquisadores foram capazes de imitar a disfunção diastólica comum à insuficiência cardíaca humana com a fração de ejeção preservada.

Pesquisadores avançam no tratamento para disfunção diastólicaDois meses após o procedimento, os animais foram tratados diariamente com ácido hidroxâmico suberoylanilida, ou SAHA, um inibidor de HDAC. No nível molecular, os medicamentos para HDAC afetam a transcrição de genes, influenciam o ciclo celular e possuem a capacidade de induzir apoptose ou morte celular programada.

O ecocardiograma aos quatro meses revelou que os gatos tinham reduzido significativamente a hipertrofia ventricular esquerda. A hipertrofia ventricular esquerda é um aumento e espessamento das paredes na câmara de bombeamento principal do coração, o ventrículo esquerdo. A palavra hipertrofia significa espessamento.

A hipertrofia ventricular esquerda pode se desenvolver como consequência da pressão alta ou de qualquer doença cardíaca que resulta no trabalho do ventrículo esquerdo.

Os pesquisadores também descobriram que a pressão diastólica e a pressão arterial pulmonar média foram significativamente reduzidas como resultado do tratamento com SAHA. A droga também aumentou o relaxamento das miofibrilas, o relaxamento das fibras musculares cardíacas. Os pesquisadores também descobriram que o tratamento com SAHA preservava a estrutura pulmonar e melhorava a oxigenação sanguínea.

 

____________________

O estudo e seus detalhes foram publicados na revista Science Translational Medicine.

* “HDAC inhibition improves cardiopulmonary function in a feline model of diastolic dysfunction” – 2020.

Autores do estudo: Markus Wallner, Deborah M. Eaton, Remus M. Berretta, Laura Liesinger, Matthias Schittmayer, Juergen Gindlhuber, Jichuan Wu, Mark Y. Jeong, Ying H. Lin, Giulia Borghetti, Sandy T. Baker, Huaqing Zhao, Jessica Pfleger, Sandra Blass, Peter P. Rainer, Dirk von Lewinski, Heiko Bugger, Sadia Mohsin, Wolfgang F. Graier, Andreas Zirlik, Timothy A. McKinsey, Ruth Birner-Gruenberger, Marla R. Wolfson, Steven R. Houser – 10.1126/scitranslmed.aay7205

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.