O tratamento à alergia ao amendoim pode aumentar o risco de anafilaxia!

Tratar as crianças que têm alergia ao amendoim, expondo-as gradualmente a níveis crescentes de extrato de amendoim, pode aumentar o risco de ataques alérgicos, em vez de induzir a tolerância, alertam os pesquisadores da McMaster University.

Alergia ao amendoim – A Pesquisa

A equipe descobriu que os esforços para dessensibilizar as crianças com imunoterapia oral com amendoim resultaram em três vezes mais reações alérgicas no “mundo real”, em comparação com a abstenção de amendoim.

As crianças que tentaram o método de dessensibilização também tiveram reações mais graves, incluindo reações anafiláticas potencialmente fatais que exigiram a administração de adrenalina salva-vidas.

O que é imunoterapia oral?

Pesquisas anteriores sugeriram que a imunoterapia oral, em que crianças alérgicas são gradualmente expostas a níveis crescentes de extrato de amendoim, pode dessensibilizar uma criança com alergia ao amendoim, reduzindo o risco de anafilaxia.

Os pesquisadores dizem que, apesar do aumento do risco de reações durante a fase inicial de exposição, os benefícios finais podem durar uma vida inteira. Descobertas de um estudo do ano passado forneceram as evidências mais convincentes até o momento de que o método de exposição pode impedir a ingestão de amendoim, desencadeando uma reação fatal.

O Dr. Derek Chu (McMaster University) e equipe através da análise dos resultados de 12 estudos, questionaram se os resultados dos estudos de dessensibilização podem ser replicados no mundo real e levantaram preocupações sobre a segurança de tais abordagens. A pesquisa foi publicada no The Lancet.

A equipe reuniu dados disponíveis para mais de 1.000 crianças (com idade média de nove anos) que participaram de testes de imunoterapia oral e cujo progresso foi seguido por um ano.

Alergia-ao-amendoim-tratamentos

“Nosso estudo sintetiza todos os ensaios clínicos randomizados comparando imunoterapia oral de amendoim para nenhuma imunoterapia, a fim de gerar a mais alta qualidade de evidência para informar a tomada de decisão”, diz Chu.

A análise constatou que 22,2% das crianças que foram submetidas à terapia de imunoterapia oral tiveram reações anafiláticas, em comparação com 7% que evitaram a exposição ao amendoim.

Reações alérgicas graves que levaram a vômitos, urticária, dor abdominal, chiado e asma aumentaram, incluindo ataques potencialmente fatais, onde a adrenalina precisava ser administrada.

Os resultados favorecem a prevenção de formas atuais gerais de imunoterapia oral e sugerem que as crianças que evitam amendoim têm menos ataques em geral.

Chu enfatiza que o estudo não denuncia as pesquisas atuais sobre imunoterapia oral, mas que o método deve ser mais cuidadosamente considerado, com melhorias na segurança e medidas de sucesso alinhadas com os desejos dos pacientes.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.