Pessoas com obesidade têm mais risco de desenvolver gota

De acordo com um grande estudo retrospectivo, as pessoas que foram obesas durante a vida adulta correram um risco aumentado de desenvolver gota, assim como aquelas que ganharam peso entre o início da vida adulta e a meia-idade.

Quando comparadas com indivíduos cujo peso permaneceu estável na faixa normal durante a idade adulta, a razão de risco para gota incidente foi de 1,84 (IC 95% 1,08-3,14) para aqueles que eram obesos quando adultos jovens e também na meia-idade, de acordo com Jian-Bo Zhou, MD, da Capital Medical University em Pequim, e colegas.

Além disso, aqueles que ganharam peso durante a vida adulta tiveram risco 1,65 vezes maior de desenvolver gota (IC 95% 1,19-2,29), de acordo com um relato online dos pesquisadores na Arthritis Research & Therapy.

A obesidade é um fator de risco reconhecido para a gota, considerada como resultado da resistência à insulina e seus efeitos na excreção de urato pelo rim.

No entanto, “a influência das mudanças de peso durante a transição do início da idade adulta para a meia-idade e os diferentes padrões de mudança de peso em faixas etárias específicas sobre a incidência de gota na vida adulta permanecem desconhecidos”, escreveram os pesquisadores.

Detalhes do estudo

Para examinar isso, eles analisaram dados do National Health and Nutrition Examination Survey, que é uma amostra representativa de adultos dos EUA com idades entre 40 e 74 anos que inclui informações sobre comportamentos e condições de saúde, incluindo histórico de peso.

A análise se concentrou no peso dos participantes aos 25 anos e, em seguida, 10 anos antes da inscrição no NHANES, que foi considerado meia-idade.

Os participantes foram categorizados como não obesos estáveis, com índice de massa corporal (IMC) em ambos os momentos abaixo de 30, obesidade estável, com IMC permanecendo acima desse ponto de corte em ambos os pontos de tempo, perder peso, com um IMC em idades mais jovens acima de 30, mas diminuindo na meia-idade; e ganhando peso, com IMC normal no ponto de tempo anterior, mas subindo acima de 30 na meia-idade.

Entre os 11.079 indivíduos incluídos e acompanhados por 10 anos, houve 320 casos de gota incidente.

A categoria de IMC permaneceu a mesma em 78,2% dos participantes, relataram os pesquisadores. Especificamente, 71,7% permaneceram estáveis ​​não obesos, 6,5% foram considerados obesos estáveis, 1% foram classificados como perdedores de peso e 20,8% como ganhando peso.

As comorbidades diferiram de acordo com o grupo de padrão de peso. Por exemplo, o diabetes estava presente em 6,8% do grupo estável de não obesos, em 15,8% do grupo perdedor, em 24,6% do grupo que ganhava e em 25,9% do grupo obeso estável. A hipertensão foi relatada em 33,2% do grupo de não obesos, em 41,8% do grupo perdedor, em 57,1% do grupo que ganhava e em 56,5% do grupo com obesidade estável.

Ao contrário dos pacientes que eram obesos em ambos os pontos de tempo ou na medição da meia-idade, não houve aumento do risco de gota entre os pacientes que perderam peso durante a idade adulta.

A incidência cumulativa ao longo do tempo nos quatro grupos foi:

  • Obesos estáveis, 4,12%
  • Perda de peso, 0,87%
  • Ganho de peso, 4,19%
  • Estável não obeso, 1,96%

Esses números de incidência indicam que “o impacto potencial do ganho de peso na incidência de gota foi substancial”, escreveram Zhou e a equipe.

Eles também realizaram uma análise na qual estimaram as porcentagens de casos de gota que poderiam ser evitados com cenários hipotéticos diferentes.

Eles determinaram que durante 10 anos de acompanhamento, se aqueles que ganharam peso tivessem se tornado não obesos, uma estimativa de 3,2% dos casos reais de gota poderiam ter sido evitados, e se toda a população tivesse mantido o peso normal, 32,9% dos casos poderiam ter sido evitados.

“Tomados em conjunto, os resultados apoiam que manter o peso normal durante toda a vida adulta é benéfico e reduz o risco de gota entre indivíduos obesos”, escreveram Zhou e colegas.

“A importância do desenvolvimento de políticas e programas que reduzam a prevalência da obesidade é enfatizada pelos resultados do nosso estudo”, concluíram. Futuros ensaios clínicos devem examinar as consequências a longo prazo das intervenções para perda de peso.

Uma limitação do estudo foi o autorrelato do peso aos 25 anos e do diagnóstico de gota.

_____________________________

O estudo original foi publicado no Arthritis Research & Therapy

* “Incident gout and weight change patterns: a retrospective cohort study of US adults” – 2021

Autores do estudo: Lu Bai, Jian-Bo Zhou, Tao Zhou, Roger B. Newson, Marly Augusto Cardoso – Estudo