Metmorfina tem benefícios para a saúde de pacientes com diabetes

Em pacientes mais velhos com diabetes, o uso de metformina foi associado a um declínio cognitivo mais lento e redução do risco de demência, de acordo com um estudo observacional prospectivo.

Em mais de 1.000 pacientes acompanhados por 6 anos, a taxa de declínio na cognição global foi significativamente mais lenta em pacientes com diabetes tratados com metformina em comparação com aqueles tratados com outras terapias, o mesmo foi verdadeiro para o declínio na função executiva.

Na verdade, as taxas para ambos foram semelhantes às de pacientes sem diabetes, disse Katherine Samaras, PhD, do Instituto Garvan de Pesquisa Médica em New South Wales, Austrália e colegas.

Seu estudo, online no Diabetes Care, também descobriu que o uso de metformina foi associado a uma redução de 81% no risco de demência incidente em um modelo estatístico ajustado para fatores como idade, sexo , índice de massa corporal, doença cardiovascular, pressão arterial, tabagismo e genótipo da apolipoproteína E (APOE).

Cerca de 60% dos pacientes com diabetes tipo 2 desenvolvem demência, observaram os pesquisadores, explicando que acredita-se que o mecanismo envolve a neurodegeneração causada por hiperglicemia, hiperinsulinemia e estresse oxidativo.

Pesquisas anteriores sugeriram que medicamentos para diabetes, incluindo metformina, inibidores da dipeptidil peptidase 4, agonistas do peptídeo semelhante ao glucagon 1, inibidores do co-transportador de sódio-glicose 2 e sulfonilureias, podem retardar o declínio cognitivo em pacientes com diabetes.

“Nós revelamos o novo potencial promissor para um medicamento seguro e amplamente usado que pode mudar a vida de pacientes em risco de demência e suas famílias”, disse Samaras em um comunicado. “Para aqueles com diabetes tipo 2, a metformina pode adicionar algo extra à redução da glicose padrão no tratamento do diabetes: um benefício para a saúde cognitiva”.

Estudos epidemiológicos anteriores e dois ensaios clínicos piloto randomizados relataram benefícios cognitivos associados ao uso de metformina. No entanto, poucos desses estudos controlaram as covariáveis ​​que contribuem significativamente para o risco de demência – mais notavelmente o genótipo APOE, que tem sido fortemente associado ao risco de doença de Alzheimer, disse Samaras e colegas.

Como o estudo foi conduzido

Para o novo estudo, eles analisaram prospectivamente dados de 1.073 adultos residentes na comunidade com idades entre 70-90 do estudo longitudinal Sydney Memory and Aging Study.

A grande maioria (98%) era branca e nenhum tinha demência no início do estudo. A função cognitiva foi avaliada a cada 2 anos com testes neuropsicológicos que mediram a função executiva, memória, atenção/velocidade, linguagem e outros parâmetros.

A demência incidente foi verificada por um painel multidisciplinar. Outros dados foram coletados a cada 2 anos por meio de entrevistas que cobriram condições médicas, fatores sociodemográficos e todos os medicamentos utilizados, incluindo dosagem e duração do uso.

No início do estudo, 123 participantes do estudo tinham diabetes. Destes, 67 receberam metformina. Aproximadamente metade deles recebeu metformina sozinha e a outra metade em combinação com outras drogas, na maioria das vezes sulfonilureias.

Os pacientes com diabetes que não estavam sendo tratados com metformina estavam, na maioria das vezes, sendo tratados apenas com dieta. Outros medicamentos incluem sulfonilureias, glitazonas e insulina.

O seguimento foi de 6 anos. Os pesquisadores usaram a regressão de Cox e outras análises estatísticas para examinar as ligações entre o uso de metformina e incidente de demência e declínio cognitivo.

A equipe também mediu o volume do cérebro por ressonância magnética no início do estudo e a cada 2 anos. Contudo, os resultados não mostraram diferenças nos resultados do volume cerebral, relataram os pesquisadores.

Questionado sobre sua perspectiva, Robert Eckel, MD, da University of Colorado Anschutz Medical Campus em Aurora, que não estava envolvido com o estudo, chamou os resultados de “bastante interessantes” em um e-mail para MedPage Today: “particularmente o impacto da metformina sobre a função executiva no DM [diabetes mellitus] vs DM sem metformina, potencialmente muito importante para uma droga tão comumente usada “, disse ele.

No entanto, o tamanho da amostra do estudo era pequeno e a maioria dos participantes era branca, portanto, os resultados precisam de validação adicional, observou Eckel.

Além disso, “o uso de anti-hipertensivos e medicamentos hipolipemiantes não foi declarado ou avaliado, e isso poderia ser importante em qualquer direção, para menos ou mais disfunção cognitiva/demência.”

Conclusão dos autores

Limitações adicionais do estudo, disseram os pesquisadores, incluíram o potencial de viés de seleção e viés de sobreviventes.

Os participantes que desistiram do estudo tiveram desempenho cognitivo inferior no início do estudo em comparação com aqueles que permaneceram no estudo.

“Esses participantes também tinham taxas mais altas de fatores de risco de demência de doenças cardíacas e derrame”, escreveram Samaras e co-autores. “Assim, a coorte pode ter incluído o viés do sobrevivente, caso em que nossas estimativas da associação entre diabetes e declínio cognitivo e incidente de demência podem ter sido subestimadas”.

______________________

O estudo original foi publicado no Journal of the Endocrine Society

* “Metformin use is associated with slowed cognitive decline and reduced incident dementia in older adults with type 2 diabetes: The Sydney Memory and Aging Study” – 2020

Autores do estudo: Katherine Samaras, Steve Makkar, John D Crawford, Nicole A Kochan, Wei Wen, Draper Brian, Julia N Trollor, Henry Brodaty, Perminder S Sachdev – 10.1210/jendso/bvaa046.2055

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.