Intervenções não farmacológicas para pacientes com câncer avançado

Pacientes com câncer avançado que experimentam falta de ar se beneficiaram de várias intervenções não farmacológicas, como terapia de ventilação e ventilação de dois níveis, relataram os pesquisadores.

A condição é tradicionalmente tratada com medicamentos como opioides ou benzodiazepínicos, embora haja poucos estudos mostrando sua eficácia neste contexto, observou Arjun Gupta, MD, do Sidney Kimmel Comprehensive Cancer Center no Johns Hopkins em Baltimore, e colegas.

Para seu novo estudo, uma revisão sistemática publicada online no JAMA Oncology, a equipe avaliou 29 ensaios clínicos randomizados envolvendo 2.423 adultos com câncer avançado.

“Pacientes com câncer avançado que apresentam falta de ar são frequentemente vulneráveis ​​com tempo limitado para se recuperar. Os danos de uma intervenção não devem superar o benefício”, disse Gupta ao MedPage Today.

“Dado o sucesso limitado e os danos potenciais associados às intervenções farmacológicas, as intervenções não farmacológicas devem ser consideradas como opções de tratamento de primeira linha para controlar a falta de ar”, concluíram os pesquisadores.

Estudo

Para a análise, eles identificaram várias intervenções usadas no ambiente de internação que foram associadas a melhorias na falta de ar.

A terapia com ventilador foi associada a uma melhora de curto prazo (5 minutos) na falta de ar. Três estudos comparando a terapia “fan-to-the-face” com os cuidados habituais mostraram uma diferença média padronizada (SMD) de -2,09 favorecendo a terapia com ventilador, que os pesquisadores chamaram de “estatisticamente significativo e clinicamente significativo”.

A ventilação de dois níveis também foi associada a ajudar a aliviar a falta de ar, mostrou a análise. Por exemplo, um ensaio clínico randomizado comparando ventilação de dois níveis com oxigênio suplementar padrão mostrou uma melhora estatisticamente significativa, com uma diferença de inclinação estimada de -0,58 ao longo de 48 horas, embora não tenha sido claro se isso era clinicamente significativo, Gupta e coautores disseram.

No ambiente ambulatorial, outras intervenções não farmacológicas, como acupressão e reflexologia (também chamadas de terapias de toque), foram associadas à melhora da falta de ar em comparação com os cuidados usuais.

Intervenções “multicomponentes”, incluindo abordagens comportamentais e psicoeducacionais, de atividade e reabilitação e de medicina integrativa, também foram associadas a melhorias na falta de ar, mostrou a análise.

Os danos associados às intervenções não farmacológicas foram mínimos, relataram Gupta e os coautores. Eventos adversos foram incomuns, eles se manifestaram em cinco dos 29 ensaios clínicos randomizados (17%).

Gupta e colegas também escreveram uma revisão comparativa da eficácia de todas as intervenções para o tratamento da falta de ar em pacientes com câncer avançado, que foi publicada simultaneamente no site da Agency for Healthcare Research and Quality.

A revisão constatou que os opioides e ansiolíticos não foram mais eficazes para aliviar a falta de ar do que o placebo, e que diferentes doses ou vias de administração de opioides não alteraram a eficácia.

Gupta disse que, no geral, havia evidências limitadas para outras intervenções farmacológicas. Isso está de acordo com uma revisão Cochrane de 2016 que encontrou evidências insuficientes para quaisquer benefícios para opioides versus placebo na melhora da falta de ar em câncer avançado e doença pulmonar obstrutiva crônica, com apenas estudos de baixa qualidade, curto prazo e pequenos efeitos, observou ele.

“Acreditamos que essas descobertas devem catalisar uma mudança na forma como abordamos e tratamos a falta de ar, longe de uma abordagem medicalizada de drogas, para uma avaliação mais abrangente e tentando intervenções não farmacológicas, como terapia de ventilação, primeiro”, disse Gupta.

No entanto, existem barreiras para o emprego rotineiro de intervenções não farmacológicas: “Infelizmente, é mais fácil prescrever e administrar um medicamento do que implementar uma intervenção mais complexa”, acrescentou.

Além disso, algumas intervenções podem ser onerosas, como sessões diárias de exercícios, ou podem exigir a entrega em ambientes especializados com pessoal treinado ou precisam de monitoramento próximo, limitando a escalabilidade, explicou Gupta. Algumas intervenções podem não ser cobertas rotineiramente pelos contribuintes, como acupressão ou reflexologia, ou podem ter contraindicações.

__________________________

o estudo original foi publicado no JAMA Oncology

* “Nonpharmacological Interventions for Managing Breathlessness in Patients With Advanced CancerA Systematic Review” – 2020

Autores do estudo: Arjun Gupta, Ramy Sedhom, Ritu Sharma, Allen Zhang, Julie M. Waldfogel, Josephine L. Feliciano, Jeff Day, Rebecca A. Gersten, Patricia M. Davidson, PEric B. Bass, Sydney M. Dy – 10.1001/jamaoncol.2020.5184

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.