Inibidor pode ser a melhor escolha para pacientes com câncer de esôfago

Pacientes com câncer de esôfago com junção esofágica ou gastroesofágica ressecada (GEJ) viveram significativamente mais tempo sem recorrência da doença quando receberam o inibidor de checkpoint nivolumabe (Opdivo) após a cirurgia, mostrou um grande estudo randomizado.

A sobrevida livre de doença (SLD) média dobrou de 11,0 meses sem terapia adjuvante para 22,4 meses com um ano de nivolumabe adjuvante. A diferença se traduziu em uma redução de 31% no risco de recorrência da doença ou morte em favor do nivolumabe.

A maioria dos eventos adversos relacionados ao tratamento foram de grau 1/2, e menos de 10% dos pacientes no braço do nivolumabe tiveram eventos graves ou descontinuaram o tratamento por causa de eventos adversos.

Os resultados são os primeiros a mostrar melhora clinicamente significativa na SLD com terapia adjuvante para câncer gástrico/GEJ ressecável.

“Esses resultados revolucionários representam o primeiro avanço do tratamento em muitos anos para pacientes com câncer operável de esôfago e junção gastroesofágica, potencialmente estabelecendo nivolumabe adjuvante como um novo padrão de tratamento para esses tumores de difícil tratamento”, relatou Guillaume Piessen, MD, PhD, do Hospital Universitário Claude Huriez e da Universidade de Lille, na França, durante o encontro virtual da Society of Surgical Oncology.

Os resultados vieram do estudo CheckMate 577 envolvendo 794 pacientes com câncer esofágico estágio II/III operável ou GEJ. Todos os pacientes receberam quimiorradiação neoadjuvante padrão e cirurgia, e aqueles com doença residual foram randomizados 2:1 para nivolumabe adjuvante ou placebo. O endpoint primário era SLD.

Apesar do uso difundido da terapia de trimodalidade (quimioterapia, radioterapia e cirurgia), a recorrência da doença continua sendo um grande desafio para pacientes com câncer esofágico em estágio II/III ou GEJ, particularmente os 75% dos pacientes que não alcançam resposta patológica completa com terapia neoadjuvante, Piessen observou.

Atualmente, não existe um padrão de atendimento para o ambiente, fornecendo uma justificativa para avaliar a imunoterapia adjuvante com nivolumabe.

A imunoterapia adjuvante aumenta o sistema operacional no melanoma

A sobrevida global (SG) em três anos melhorou significativamente em pacientes com melanoma em estágio IIb/c tratados com imunoterapia após a cirurgia, mostrou uma revisão retrospectiva de 10.592 casos.

Entre os pacientes que receberam imunoterapia adjuvante, a SG em 3 anos foi de 82,7% em comparação com 71,6% para os pacientes que não receberam imunoterapia após a cirurgia.

A diferença representou uma redução de 34% no risco de sobrevivência em favor do tratamento adjuvante. Análises separadas mostraram que a imunoterapia adjuvante foi associada com SG significativamente melhor em 3 anos para melanoma de estágio IIb e IIc, relatou William G. Wong, DO, do Penn State Health Milton S. Hershey Medical Center em Hershey, Pensilvânia.

A análise retrospectiva contou com pacientes tratados para melanoma em estágio IIb/c durante 2013 e 2017 e que foram incluídos no National Cancer Database. A população do estudo incluiu 419 (4,0%) pacientes que receberam imunoterapia adjuvante.

O exame dos padrões de utilização mostrou que pacientes mais jovens, mulheres, pacientes que moram perto de um hospital, aqueles com T4b patológico e aqueles com margens cirúrgicas positivas eram mais propensos a receber imunoterapia adjuvante. Uma análise de riscos proporcionais confirmou uma associação significativa entre imunoterapia e SG de 3 anos.

O estudo é o primeiro a demonstrar uma vantagem significativa de sobrevivência com o tratamento adjuvante do melanoma em estágio IIb/c, disse Wong.

Dados mais definitivos devem vir do estudo KEYNOTE 716 em andamento, controlado por placebo, avaliando o pembrolizumabe adjuvante (Keytruda) para melanoma de alto risco em estágio II. Nesse ínterim, a imunoterapia adjuvante garante consideração em pacientes adequadamente selecionados com melanoma ressecado.

Sarculator: promessa de estimativa de sobrevivência ao sarcoma

Um nomograma online teve um bom desempenho em um teste para prever a sobrevivência após a cirurgia para sarcomas de extremidades e tronco, de acordo com uma revisão de 9.738 pacientes.

Conhecido como Sarculator, o nomograma de quatro itens previu uma SG em 5 anos de 73,7% em comparação com uma SG real de 68,9%, resultando em um índice C (concordância) de 0,726. Uma comparação dos resultados por estágio da doença e histologia do tumor rendeu valores de 0,656 a 0,745.

Um índice C se 0,7 indica um bom modelo de prognóstico, 0,8 é um modelo forte e 1,0 representa a concordância perfeita entre um modelo e os resultados reais, disse Rachel K. Voss, médica, do MD Anderson Cancer Center em Houston.

“No geral, o Sarculator é um bom preditor da sobrevida global real para pacientes com sarcoma de tronco e extremidades primárias dos EUA”, disse ela em um comunicado. “O Sarculator tem um desempenho ligeiramente melhor para os estágios iniciais e melhor para leiomiossarcoma, lipossarcoma mixoide e outras histologias, e é uma boa ferramenta clínica para cirurgiões e oncologistas para ajudar no prognóstico de sobrevivência.”

O Sarculator produz estimativas de sobrevivência com base em quatro fatores: idade do paciente e tamanho do tumor, grau e histologia. Desenvolvido na Europa, as características de desempenho do nomograma para populações de pacientes dos EUA não foram extensivamente investigadas.

Usando dados do National Cancer Database, Voss e colegas avaliaram as características de desempenho do nomograma para pacientes com sarcoma primário de extremidade ou tronco em estágio I-III tratados durante 2006-2016 e tinham status de margem R0/1 após a cirurgia.

A análise por estágio rendeu valores de índice C de 0,730 para estágio I, 0,708 para estágio II e 0,679 para sarcomas de estágio III. A análise por histologia resultou em valores de índice C de 0,745 para leiomiossarcoma, 0,719 para lipossarcoma mixóide, 0,656 para tumor de bainha de nervo periférico, 0,679 para lipossarcoma, 0,694 para sarcoma sinovial e 0,719 para outras histologias.

________________________

O estudo original foi publicado no Society of Surgical Oncology

* “Adjuvant nivolumab in resected esophageal or gastroesophageal junction cancer following neoadjuvant chemoradiation therapy: First results of the CheckMate 577 study” – 2021

Autores do estudo: Kelly RJ, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.