Estudo analisa terapia que melhorou sobrevida para câncer de esôfago

Em comparação com a esofagectomia aberta, a esofagectomia minimamente invasiva híbrida (HMIE) – ou seja, toracotomia mais mobilização gástrica laparoscópica – foi associada a uma melhor sobrevida em longo prazo no câncer de esôfago, de acordo com um estudo de acompanhamento de um ensaio francês randomizado.

A diferença é provavelmente devido à diminuição das complicações pós-operatórias, especularam os pesquisadores, liderados por Frederiek Nuytens, MD, do Hôpital Claude Huriez em Lille.

Conforme mostrado no relatório da equipe na JAMA Surgery, a análise post-hoc de 5 anos de 207 pacientes com câncer de esôfago no estudo aberto multicêntrico randomizado controlado de fase III MIRO descobriu que, embora a sobrevida global (SG) e a sobrevida livre de doença (SLD) foram comparáveis ​​para os grupos HMIE e esofagectomia aberta, OS de 5 anos com HMIE foi ligeiramente melhor a 59% em comparação com a esofagectomia aberta a 47%, para um HR de 0,71.

Da mesma forma, as taxas de DFS em 5 anos foram de 52% e 44%, respectivamente.

“Esta descoberta fornece uma prova adicional de que a esofagectomia minimamente invasiva pode estar associada a melhores resultados oncológicos a longo prazo em comparação com a esofagectomia aberta por causa de uma diminuição nas complicações pós-operatórias”, escreveram os pesquisadores.

Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas nas taxas de recorrência ou localizações de tumor recorrente entre os grupos, e as principais complicações pós-operatórias gerais e pulmonares foram identificadas como fatores de risco para a diminuição da SG e SLD. O ensaio clínico original relatou uma redução notável nas complicações maiores 30 dias após a cirurgia – o desfecho primário do ensaio.

Características do estudo

O estudo foi realizado durante 2009 a 2012 em 13 centros franceses, 175 dos participantes (85%) eram homens, e a idade média era de 61 anos (variação de 23-78). O acompanhamento médio foi de 58,2 meses.

Na análise multivariada, as principais complicações intra e pós-operatórias, bem como as principais complicações pulmonares, foram fatores de risco independentes associados à diminuição da SG.

Da mesma forma, a análise multivariável de SLD identificou como fatores de risco tanto complicações gerais intra e pós-operatórias quanto complicações pulmonares maiores.

Quando os resultados oncológicos de pacientes com e sem sequelas pós-operatórias principais foram comparados, SG e SLD foram estatisticamente significativamente melhorados em pacientes livres de complicações maiores, embora o próprio HMIE não tenha sido independentemente associado com aumento de SG ou SLD, disseram os pesquisadores.

Eles explicaram que há a hipótese de que o efeito imunossupressor generalizado de complicações pós-operatórias pode induzir uma maior resposta inflamatória sistêmica, resultando na proliferação de células tumorais sobreviventes e um aumento em seu potencial metastático e resistência à quimioterapia. Outra hipótese é que mudanças no microbioma podem reduzir a recorrência da doença.

As limitações do estudo, disseram Nuytens e coautores, incluíam que o protocolo do ensaio MIRO original não foi projetado para analisar resultados de longo prazo, que pode ter havido outros fatores associados à redução da SG e SLD, e que o poder estatístico resultante insuficiente pode ser a principal razão pela qual o HMIE não foi diretamente associado à melhora da sobrevida.

Os autores de um comentário complementar elogiaram os pesquisadores por realizarem o estudo prospectivo original estabelecendo o HMIE como uma opção cirúrgica aceitável, mas questionaram a análise de sobrevida de acompanhamento.

“O erro deste estudo vem com a afirmação de que o próprio HMIE está associado a uma sobrevida melhorada por causa da redução de complicações, apesar de sua própria análise multivariável mostrar que a abordagem cirúrgica não era um fator de risco independente para a sobrevida geral ou livre de doença”, escreveu Katherine D. Gray , MD, e Daniela Molena, MD, ambos do Memorial Sloan Kettering Cancer Center na cidade de Nova York

Além disso, embora os autores relataram uma melhora na SG mediana e SLD com HMIE, as diferenças não alcançaram significância estatística. “O estudo não foi desenvolvido para detectar diferenças na sobrevivência, e análises de riscos concorrentes para recorrência não foram usadas”, disse Gray e Molena.

Eles chamaram a análise de sobrevivência do estudo de “confusa e fraca” e concordaram que a morbidade perioperatória pode afetar os resultados de longo prazo, mas alertaram que os resultados do estudo não mostraram uma relação entre as taxas de complicações mais baixas e o benefício de sobrevivência no grupo HMIE .

__________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Surgery

* “Five-Year Survival Outcomes of Hybrid Minimally Invasive Esophagectomy in Esophageal Cancer: Results of the MIRO Randomized Clinical Trial” – 2021

Autores do estudo: Frederiek Nuytens, MD, Tienhan Sandrine Dabakuyo-Yonli, PharmD, PhD, Bernard Meunier, MD, PhD, Johan Gagnière, MD, PhD, Denis Collet, MD, PhD, Xavier B. D’Journo, MD, PhD, Cécile Brigand, MD, PhD, Thierry Perniceni, MD, PhD, Nicolas Carrère, MD, PhD, Jean-Yves Mabrut, MD, PhD, Simon Msika, MD, PhD, Frédérique Peschaud, MD, PhD, Michel Prudhomme, MD, PhD, Sheraz R. Markar, MD, PhD, Guillaume Piessen, MD, PhD – 10.1001/jamasurg.2020.7081

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.