Impacto da idade do paciente no diagnóstico do diabetes tipo 2

A idade mais jovem no diagnóstico de diabetes pode estar relacionada com resultados piores mais tarde na vida, descobriu uma meta-análise.

Em dados que cobrem cerca de 1,3 milhões de indivíduos, cada ano adicional de idade no diagnóstico inicial com diabetes tipo 2 foi associado a 4% menos risco de mortalidade por todas as causas (odds ratio 0,96, IC 95% 0,94-0,99, P<0,001) após o ajuste para a idade atual, relatou Natalie Nanayakkara, MBBS, da Monash University na Austrália, e seus colegas no Diabetologia.

Os benefícios de protelar o diabetes não terminaram aí, já que a cada ano mais tarde uma pessoa que desenvolvia diabetes também estava ligada a 3% (OR 0,97, IC 95% 0,96-0,98, P<0,001) e 5% (OR 0,95, 95 % CI 0,94-0,96, P<0,001) reduziu o risco de doença macrovascular e doença microvascular, respectivamente.

“Intervenções precoces e sustentadas para melhorar os níveis de glicose no sangue e perfis de risco cardiovascular em pessoas com diabetes tipo 2 estabelecido e intervenções para atrasar o início da diabetes tipo 2 em pessoas de alto risco são essenciais para reduzir a saúde precária e mortalidade associadas a esta condição”, Nanayakkara apontou em um comunicado.

Diagnóstico precoce de diabetes pode ser benéfico para a saúde em geral

A pesquisadora acrescentou que para as pessoas que receberam um diagnóstico de diabetes no início da vida, conseguir um bom controle do açúcar no sangue o mais rápido possível é vital para evitar tais complicações.

Além disso, obter um bom controle sobre outros fatores de risco, como IMC e pressão arterial saudáveis, também são extremamente importantes para esses pacientes.

Para explicar a diferença entre os riscos absolutos e ao longo da vida, os pesquisadores escreveram: “uma pessoa diagnosticada com diabetes tipo 2 aos 30 anos teria um risco absoluto de complicações menor em comparação com uma pessoa diagnosticada aos 50 anos, mas no momento em que ambos chegarem aos 60 anos, a pessoa diagnosticada em idade mais jovem teria um risco relativo e absoluto maior devido aos efeitos do envelhecimento, agravado pelos efeitos da maior duração do diabetes”.

Nanayakkara acrescentou que esta diferença de risco absoluto versus ao longo da vida em pessoas com diabetes tipo 2 deve ser reconhecida nas diretrizes de gerenciamento de diabetes, junto com um foco maior em programas de rastreamento para idosos e programas preventivos para adultos jovens.

Como o estudo foi conduzido e conclusão dos autores

A análise reuniu dados de 26 estudos observacionais que incluíram pessoas de 30 países da Ásia, Europa e América do Norte. As doenças macrovasculares incluíam um composto de doença cardíaca coronária, doença cerebrovascular e doença vascular periférica, enquanto a doença microvascular era um comp osto de retinopatia, nefropatia e neuropatia.

Quando dividido por complicações macrovasculares e microvasculares específicas, cada aumento de 1 ano na idade no diagnóstico de diabetes foi associado a uma redução de risco nas seguintes condições (P<0,001 para todos):

  • Doença coronariana: OR 0,98 (IC 95% 0,97-0,98)
  • Doença cerebrovascular: OR 0,98 (IC 95% 0,97-0,99)
  • Doença vascular periférica: OR 0,97 (IC 95% 0,96-0,99)
  • Retinopatia: OR 0,92 (IC 95% 0,90-0,95)
  • Nefropatia: OR 0,94 (IC 95% 0,92-0,96)
  • Neuropatia: OR 0,95 (IC 95% 0,94-0,96)

“Os dados sugerem que pessoas mais jovens com diabetes tipo 2 recebem atenção médica abaixo do ideal, potencialmente devido em parte à ausência de diretrizes clínicas direcionadas a pessoas mais jovens com diabetes tipo 2 e possivelmente à subestimação dos riscos de complicações nesses indivíduos”, afirmou. concluíram os pesquisadores.

__________________________

O estudo original foi publicado no Diabetologia

* “Impact of age at type 2 diabetes mellitus diagnosis on mortality and vascular complications: systematic review and meta-analyses” – 2020

Autores do estudo: Natalie Nanayakkara, Andrea J. Curtis, Stephane Heritier, Adelle M. Gadowski, Meda E. Pavkov, Timothy Kenealy, David R. Owens, Rebecca L. Thomas, Soon Song, Jencia Wong, Juliana C.-N. Chan, Andrea O.-Y. Luk, Giuseppe Penno, Linong Ji, Viswanathan Mohan, Anandakumar Amutha, Pedro Romero-Aroca, Danijela Gasevic, Dianna J. Magliano, Helena J. Teede, John Chalmers, Sophia Zoungas – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.