Gabapentinoides e opioides em cirurgias aumentam risco de overdose

Gabapentinoides – gabapentina (Neurontin) ou pregabalina (Lyrica) – com opioides no dia da cirurgia elevaram o risco de overdose de opioides e outros efeitos adversos, embora os riscos absolutos fossem menores.

Em um estudo observacional de aproximadamente 5,5 milhões de internações cirúrgicas – contando com quase 900.000 pacientes que receberam gabapentinoides com opioides, o restante que recebeu apenas opioides – ocorreram 441 casos de overdose.

O risco absoluto de sobredosagem foi de 1,4 por 10.000 pacientes com exposição a gabapentinoides e 0,7 por 10.000 pacientes apenas com opioides, disse Katsiaryna Bykov, PharmD, ScD, do Brigham and Women’s Hospital e Harvard Medical School, e colegas para o JAMA Network Open.

Depois do corte do escore de propensão, a FC ajustada para superdosagem de opioides foi de 1,95 e o número necessário para que ocorresse uma superdosagem adicional foi de 16.914 pacientes.

O uso perioperatório de gabapentinoides está ficando mais intenso nos EUA, disse Bykov. “Essas drogas não são aprovadas para dor pós-operatória e seu perfil de risco-benefício neste cenário, particularmente quando coadministrado com opioides, não é completamente compreendido”, afirmou.

“Para um paciente específico, os benefícios da analgesia pós-operatória multimodal que inclui gabapentinoides podem superar os riscos, mas os médicos precisam ter em mente que esses medicamentos têm efeitos colaterais e podem se comportar de forma aditiva quando co-administrados com opioides”, relatou Bykov para o MedPage Today.

Desde que o CDC emitiu suas orientações aos clínicos gerais sobre a prescrição de opioides, os médicos têm buscado formas de limitar a prescrição de opioides sem colocar em risco a segurança do paciente ou a melhora da dor, relatou Joseph Pergolizzi Jr., MD, do Naples Anesthesia and Physician Associates na Flórida, para um editorial de acompanhamento.

Gabapentinoides são anticonvulsivantes frequentemente utilizados no tratamento de síndromes de dor neuropática. “É preocupante o fato de que os gabapentinoides estão associados à sedação e, quando combinados com opioides, podem potencializar a depressão do sistema nervoso central”, disse Pergolizzi.

O interesse em gabapentinoides adjuvantes para pacientes pós-cirúrgicos “provavelmente surge mais do desejo de minimizar o consumo de opióides do que dos benefícios específicos desses anticonvulsivantes em si”, observou.

Mas a diminuição do uso geral de opioides não se quer dizer que houve uma redução dos eventos adversos associados aos opioides, acrescentou Pergolizzi. “Como a analgesia combinada ganha tração para condições dolorosas agudas intra-hospitalares, como a dor pós-cirúrgica, é importante ser guiado por evidências, e não pela intuição”.

“A evidência em apoio ao benefício analgésico dos gabapentinoides combinados com opioides para analgesia pós-operatória é ambígua, não há nenhum apoio real de que adicionar gabapentinoides aos analgésicos opioides oferece aprimoramentos aditivos, muito menos sinérgicos, ao controle da dor”, escreveu.

Características do estudo

O estudo contou com 5.547.667 adultos no banco de dados Premier que foram recebidos para cirurgia de grande porte em um hospital dos EUA entre outubro de 2007 e dezembro de 2017. Todos foram opioides como tratamento no dia da cirurgia. Os pacientes tinham uma idade mediana de 64 anos e cerca de 60% eram mulheres.

Aproximadamente 16% (892.484 pacientes) receberam gabapentinoides com opioides. O uso de gabapentinoides ficou significativamente maior durante o período do ensaio: 29,8% dos que fizeram a cirurgia em 2017 receberam gabapentinoides, em comparação com 6,2% durante o primeiro ano do período de estudo.

A dose média de opioides no dia da cirurgia foi de 277,1 equivalentes em miligramas de morfina (MMEs) no grupo exposto a gabapentinoides e 307,3 MMEs no grupo que recebeu somente opioides. A estadia pós-operatória foi de cerca de 4 dias em cada grupo.

Do grupo que recebeu gabapentinoides com opioides, 61,2% utilizaram gabapentina, 35,1% usaram pregabalina e 3,7% receberam ambas. Gabapentinoides eram mais prováveis ​​de serem prescritos depois de uma artroplastia de joelho ou quadril e menos prováveis usados ​​para tratar a dor de cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM), histerectomia ou procedimentos de fratura de quadril.

Complicações respiratórias aconteceram em 15.177 pacientes (0,3%) e 4.107 pacientes (menos de 0,1%) sofreram eventos adversos não especificados de opioides. Um total de 17.974 pessoas (0,3%) teve um desfecho composto de overdose de opioides, complicações respiratórias e efeitos adversos opioides não especificados.

As complicações respiratórias foram elevadas no grupo que recebeu gabapentinoides. Os eventos adversos não especificados dos opioides também foram altos, como o desfecho composto. Os resultados foram consistentes nas análises de sensibilidade.

O estudo sofreu várias limitações, afirmaram Bykov e seus colegas. Ele usou como base a codificação de dados de resumos de alta, alguns efeitos adversos relacionados a opioides podem não ter sido considerados como overdoses.

A avaliação da exposição teve como base códigos de cobrança de medicamentos, e é possível que alguns valores de MME não fossem precisos para opioides intravenosos ou se nem todo o valor cobrado foi utilizado. Os fatores de confusão não medidos também podem ter tido influência nos resultados.

______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network Open

* “Association of Gabapentinoids With the Risk of Opioid-Related Adverse Events in Surgical Patients in the United States” – 2020

Autores do estudo: Katsiaryna Bykov, Brian T. Bateman, Jessica M. Franklin, Seanna M. Vine, Elisabetta Patorno – 10.1001/jamanetworkopen.2020.31647

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.