Câncer de bexiga – Novo método pode revolucionar o tratamento!

O Vírus de Coxsackie, um vírus do resfriado comum pode potencialmente atingir, infectar e destruir células cancerígenas em pacientes com câncer de bexiga, segundo um novo estudo publicado na revista médica Clinical Cancer Research. Nenhum vestígio do câncer foi encontrado em um paciente após o tratamento com o vírus.

Vírus de Coxsackie e o câncer de bexiga?

Pesquisadores da Universidade de Surrey e Royal Surrey County Hospital, na Inglaterra, investigaram a segurança e tolerabilidade da exposição ao Vírus de Coxsackie (CVA21), uma cepa natural do resfriado comum, em quinze pacientes com doença não-muscular e câncer de bexiga invasivo (NMIBC).

O NMIBC é encontrado no tecido da superfície interna da bexiga e é o décimo câncer mais comum no Reino Unido, com aproximadamente 10 mil pessoas a cada ano diagnosticadas com a doença.

Os tratamentos atuais para este câncer são problemáticos. A ressecção transuretral, um procedimento invasivo que remove todas as lesões visíveis, tem uma alta taxa de recorrência tumoral variando de 50% a 70%, além de uma alta taxa de progressão tumoral entre 10 e 20% em um período de dois a cinco. anos.

Outro curso comum de tratamento, imunoterapia com Bacille Calmette-Guerin, uma bactéria viva usada para tratar câncer de bexiga, foi encontrada para ter efeitos colaterais graves em um terço dos pacientes NMIBC enquanto um terço não respondem ao tratamento em tudo.

Durante este estudo pioneiro, quinze pacientes NMIBC, uma semana antes da cirurgia pré-agendada para remover seus tumores, receberam o CVA21 por meio de um cateter na bexiga. O exame de amostras de tecido no pós-operatório descobriu que o vírus era altamente seletivo, tendo como alvo apenas células cancerígenas no órgão e deixando todas as outras células intactas.

Descobriu-se que o Vírus de Coxsackie infectou células cancerosas e se replicou, fazendo com que as células se rompessem e morressem. Amostras de urina tiradas de pacientes em dias alternados detectaram ‘derramamento’ do vírus, indicando que, uma vez que as células cancerosas infectadas pelo vírus morreram, o vírus recém-replicado continuou a atacar mais células cancerígenas no órgão.

Tipicamente, os tumores na bexiga não possuem células imunológicas, impedindo que o sistema imunológico de um paciente elimine o câncer à medida que ele cresce. Evidências sugerem que o tratamento com CVA21 inflama o tumor, fazendo com que as células do sistema imunológico entrem no ambiente do câncer, mirando e matando as células cancerígenas.

Estes tumores desprovidos de células do sistema imunológico são conhecidos como áreas ‘frias’ imunologicamente; no entanto, o tratamento com o vírus provoca inflamação e estimulação de células imunológicas para criar ‘calor imunológico’. É mais provável que os tumores “quentes” sejam rejeitados pelo sistema imunológico.

Vírus de Coxsackie para o tratamento do câncer de bexiga

Após o tratamento com o vírus, a morte celular foi identificada na maioria dos tumores dos pacientes. Em um paciente, nenhum traço do câncer foi encontrado durante a cirurgia.

Hardev Pandha, pesquisador principal do estudo e professor de oncologia médica na Universidade de Surrey, disse: “O câncer de bexiga não-invasivo muscular é uma doença altamente prevalente que requer um plano de tratamento intrusivo e muitas vezes longo. O tratamento atual é ineficaz e tóxico uma proporção de pacientes e há uma necessidade urgente de novas terapias”.

O Vírus de Coxsackie pode ajudar a revolucionar o tratamento para este tipo de câncer. Redução da carga tumoral e aumento da morte celular foi observada em todos os pacientes e removeu todos os vestígios da doença em um paciente após uma semana de tratamento, mostrando sua eficácia potencial. Nenhum efeito colateral significativo foi observado em qualquer paciente.

Nicola Annels, pesquisador da Universidade de Surrey, disse: “Tradicionalmente os vírus têm sido associados a doenças, mas na situação certa podem melhorar nossa saúde e bem-estar, destruindo células cancerígenas. Vírus oncolíticos, como o Vírus de Coxsackie, podem transformar o caminho como nós tratamos o câncer e poderíamos sinalizar um afastamento de tratamentos mais estabelecidos, como a quimioterapia”.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.