Crianças geradas pela fertilização in vitro podem ter mais risco de câncer

Crianças com defeitos congênitos que foram concebidas por fertilização in vitro (FIV) eram mais propensas a desenvolver câncer infantil em comparação com aquelas concebidas naturalmente, de acordo com os resultados de um estudo de coorte.

Crianças com um defeito de nascença importante concebidas por fertilização in vitro tinham quase sete vezes o risco de câncer do que aquelas sem defeito de nascença, relatou Barbara Luke, ScD, MPH, da Michigan State University em East Lansing.

Crianças que tiveram um defeito de nascença e foram concebidas sem assistência médica, no entanto, tinham três vezes mais chances de desenvolver câncer, escreveram os pesquisadores no JAMA Network Open.

O grupo de Luke propôs que as alterações epigenéticas – mudanças na estrutura química do DNA que não alteram a sequência codificadora – que ocorrem quando um embrião é cultivado em laboratório resultam em uma reprogramação que pode causar defeitos de nascença e câncer nessa população.

“Crianças concebidas por fertilização in vitro têm risco cerca de um terço maior de defeitos congênitos em comparação com suas contrapartes concebidas naturalmente, bem como maior risco de câncer infantil, embora em termos absolutos esses números sejam pequenos”, disse Luke ao MedPage Today.

“Uma questão não resolvida na pesquisa de reprodução assistida continua sendo a contribuição dos fatores parentais versus fatores de tratamento para resultados adversos”, disse Luke. Ela acrescentou que provavelmente é uma combinação de ambos, e pesquisas adicionais ainda são necessárias.

Alan Penzias, MD, um endocrinologista reprodutivo do Boston IVF, que não esteve envolvido no estudo, comentou que embora a pesquisa contínua sobre as causas e prevenção do câncer deva permanecer uma prioridade, o risco absoluto de câncer em bebês de FIV é pequeno.

“Felizmente, a grande maioria das crianças nascidas como resultado da fertilização in vitro são saudáveis”, disse Penzias por e-mail. “O impacto positivo nas famílias que de outra forma não existiriam sem o tratamento de fertilidade é incomensurável”.

Penzias reconheceu que as alterações epigenéticas como resultado do tratamento de fertilização in vitro podem ser um mecanismo potencial para defeitos congênitos e câncer.

No entanto, ele também observou que a idade dos pais dos participantes do estudo que conceberam por fertilização in vitro era maior do que aqueles que conceberam naturalmente, e também se sabe que as pessoas acumulam modificações epigenéticas à medida que envelhecem.

“Acho que esses estudos precisam avançar para procurar pistas moleculares”, disse Logan Spector, PhD, professor de pediatria da Universidade de Minnesota em Minneapolis e docente do Masonic Cancer Center, que também não esteve envolvido no estudo.

Spector, que já estudou a associação entre FIV e câncer, disse que pode haver diferenças moleculares nos tumores entre crianças nascidas de FIV e aquelas concebidas sem assistência médica.

Pesquisas anteriores mostraram um risco aumentado de câncer infantil com alguns tratamentos de fertilização in vitro. Os defeitos congênitos também foram associados ao risco de câncer. No entanto, a associação nunca foi investigada em crianças concebidas por fertilização in vitro.

Estudo e conclusão

Luke e seus colegas vincularam dados de certidão de nascimento de quatro estados (Massachusetts, Nova York, Texas e Carolina do Norte) a registros de defeitos congênitos, registros de câncer, banco de dados nacional de FIV e o Sistema de Relatórios de Resultados Clínicos da Sociedade para Tecnologia de Reprodução Assistida (SART CORS).

Todos os nascimentos foram agrupados nas categorias de férteis e fertilização in vitro. As crianças foram estratificadas de acordo com o número de defeitos de nascença que apresentavam.

Os critérios de exclusão incluíram idade gestacional inferior a 22 semanas ou peso de nascimento inferior a 300g. Na coorte de FIV, apenas nascimentos concebidos com oócitos autólogos e embriões frescos foram incluídos, uma vez que essas condições se assemelham mais à concepção natural.

Mais de um milhão de crianças nasceram de mães férteis e cerca de 53.000 conceberam por fertilização in vitro. Aproximadamente 1,8% das crianças no grupo fértil nasceram com um defeito de nascença, em comparação com 2,4% no grupo de fertilização in vitro.

A maioria dos pais que conceberam um filho sem assistência médica tinha entre 18 e 34 anos, enquanto a maioria que usava FIV tinha 35 anos ou mais.

O risco de câncer foi maior em crianças com defeitos congênitos nos grupos fértil e fertilização in vitro. A taxa de risco de câncer para crianças com defeito não cromossômico foi de 2,07 entre aqueles no grupo fértil e 4,04 no grupo FIV.

Entre os bebês com defeito cromossômico, a taxa de risco de câncer foi de 15,45 em crianças concebidas sem assistência médica e 38,91 no grupo de fertilização in vitro.

Luke e seus colegas não foram capazes de avaliar os riscos específicos da combinação câncer-defeito de nascença. Eles também reconheceram que o período médio de acompanhamento foi de cerca de 6 anos. quando a incidência de câncer infantil é mais baixa.

____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Physical activity interventions for people with congenital heart disease” – 2020

Autores do estudo: Williams CA, Wadey C, Pieles G, Stuart G, Taylor RS, Long L – 10.1002/14651858.CD013400.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.