Problemas de fertilidade podem causar doenças cardiovasculares

Complicações na gravidez e problemas de fertilidade que ocorrem ao longo da vida podem aumentar o risco de uma mulher desenvolver doenças cardiovasculares (DCV) mais tarde na vida, de acordo com uma revisão geral.

Uma ampla gama de fatores de saúde reprodutiva específicos do sexo feminino, desde a primeira menstruação até a menopausa, foram associados ao aumento do risco de DCV composta, acidente vascular cerebral, doença cardíaca isquêmica e insuficiência cardíaca (IC), relatou Krishnarajah Nirantharakumar, MD, da Universidade de Birmingham em Inglaterra e colegas.

Pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, natimorto e parto prematuro tiveram as associações mais fortes com doenças cardiovasculares mais tarde na vida, com mulheres que tinham histórico de pré-eclâmpsia com risco quatro vezes maior de desenvolver IC, eles escreveram no The BMJ.

A amamentação reduziu o risco de problemas de saúde cardiovascular. Também não foram observadas associações entre DCV e uso de controle de natalidade só com progesterona, contraceptivos hormonais não orais ou tratamento de fertilidade, de acordo com os autores.

“Nossa revisão aumenta a conscientização sobre fatores de risco específicos do sexo feminino para doenças cardiovasculares entre mulheres e profissionais de saúde”, disse Nirantharakumar ao MedPage Today por e-mail. “Requer colaboração multidisciplinar entre médicos de atenção primária e especialistas (obstetras, ginecologistas, cardiologistas e médicos de derrame) na avaliação e acompanhamento de mulheres com histórico de fatores de risco reprodutivos para doenças cardiovasculares.”

Christopher Nau, MD, especialista em medicina materno-fetal do University Hospitals em Cleveland, disse que embora esta revisão não quantifique o risco individualizado, ela destaca uma ampla gama de fatores de saúde reprodutiva específicos da mulher aos quais todos os médicos devem prestar atenção ao rastrear pacientes.

“A gravidez é uma janela para os riscos de longo prazo para a saúde de uma mulher”, disse Nau, que não participou do estudo. “Muitos problemas com a saúde reprodutiva das mulheres podem ter um impacto em outras partes de sua saúde, e precisamos ter isso em mente”.

Tendências recentes específicas por idade e sexo mostraram alguns aumentos no risco de doenças cardiovasculares entre grupos de idades mais jovens, especialmente mulheres, disse Nirantharakumar.

Embora muitos estudos tenham investigado fatores de risco cardiovascular específicos do sexo feminino, lacunas na literatura atual tornam as implicações para a saúde pública obscuras.

Como o estudo foi conduzido e conclusão dos autores

Nirantharakumar e colegas conduziram uma revisão abrangente para sintetizar revisões sistemáticas e meta-análises existentes.

Eles pesquisaram bases de dados para estudos sobre mulheres, DCV e fatores de risco relacionados à fertilidade e gravidez que ocorrem desde a primeira menstruação até a menopausa.

O grupo investigou vários desfechos de saúde cardiovascular, incluindo doença isquêmica do coração, doença arterial coronariana, acidente vascular cerebral, IC, DCV composta e outros.

Revisões narrativas, revisões de literatura, estudos genéticos, análises duplicadas e revisões que examinaram a aterosclerose, tromboembolismo venoso e tratamento de reposição hormonal foram excluídos da revisão. Os pesquisadores aceitaram artigos publicados até agosto de 2019.

Havia 32 artigos incluídos na revisão geral, a maioria dos quais eram meta-análises. Os estudos que investigaram os resultados da fertilidade acompanharam as pacientes por uma média de 10 anos, enquanto aqueles que analisaram os resultados adversos da gravidez acompanharam as pacientes por cerca de 7,5 anos.

Mulheres com pré-eclâmpsia moderada, natimortos e prematuros tiveram mais de duas vezes mais chances de desenvolver DCV composta.

Aquelas que tiveram pré-eclâmpsia, diabetes gestacional e parto prematuro tiveram o dobro da probabilidade de doença isquêmica do coração, e os pacientes que usaram anticoncepcionais orais combinados e tiveram pré-eclâmpsia tiveram duas vezes mais probabilidade de ter um derrame.

Os pesquisadores também descobriram que iniciar os períodos precocemente, síndrome do ovário policístico, aborto espontâneo, baixo peso ao nascer e menopausa precoce estavam todos associados ao risco cardiovascular.

Certos fatores de saúde reprodutiva que têm associações conhecidas com riscos cardiovasculares – incluindo endometriose, doença inflamatória pélvica, sangramento no primeiro trimestre e anemia durante a gravidez – não foram incluídos neste estudo, devido à falta de revisões sistemáticas.

Nirantharakumar e colegas também reconheceram que os metadados ausentes e a natureza dos dados observacionais incluídos nessas análises podem enfraquecer essas descobertas.

A gama de fatores de saúde reprodutiva associados com DCV é importante para todos os médicos em todas as especialidades levarem em consideração ao monitorar pacientes do sexo feminino em vários estágios da vida, disse Nau. “Isso reafirma que é realmente importante para todos os profissionais de saúde se certificarem de que observam de perto o histórico médico reprodutivo da mulher e usam isso para orientar seus cuidados”, afirmou.

_________________________

O estudo original foi publicado no The BMJ

* “Association between the reproductive health of young women and cardiovascular disease in later life: umbrella review” – 2020

Autores do estudo: Kelvin Okoth, Joht Singh Chandan, Tom Marshall, Shakila Thangaratinam, G Neil Thomas, Krishnarajah Nirantharakumar, Nicola J Adderley – doi.org/10.1136/bmj.m3502

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.