COVID-19: Mais de 80% dos infectados apresentou sintomas neurológicos

Mais de 80% dos pacientes com COVID-19 hospitalizados apresentaram sintomas neurológicos durante o curso da doença, mostrou um estudo retrospectivo da área de Chicago.

As manifestações neurológicas estavam presentes no início do COVID-19 em 42,2% de 509 pacientes consecutivos com COVID-19 que foram internados, em 62,7% e a qualquer momento durante o curso da doença em 82,3%, relatou Igor Koralnik, MD, da Northwestern Medicine em Chicago, e colegas nos Anais de Neurologia Clínica e Translacional.

Mialgia (44,8%), cefaleia (37,7%), encefalopatia (31,8%) e tontura (29,7%) foram as manifestações neurológicas mais frequentes, seguidas de disgeusia (15,9%) e anosmia (11,4%).

Os pacientes que apresentavam sintomas neurológicos eram mais jovens do que aqueles que não apresentavam sintomas.

A maioria dos pacientes com sintomas neurológicos teve um resultado funcional favorável na alta, mas a encefalopatia – que afetou quase um em cada três pacientes – foi associada ao aumento da morbidade e mortalidade, independentemente da gravidade da doença respiratória.

“Este é o primeiro estudo nos EUA sobre a prevalência de manifestações neuro em uma grande população de pacientes hospitalizados”, disse Koralnik ao MedPage Today.

Apenas dois outros artigos descrevendo a prevalência de problemas neurológicos em pacientes hospitalizados com COVID-19 foram publicados: um com sede na China e outro na Espanha.

As complicações neurológicas do COVID-19 são frequentes e, em muitos casos, de longa duração, mas ainda não receberam muita atenção, observou Avindra Nath, MD, investigadora sênior de infecções do sistema nervoso do NIH National Institute of Neurological Disorders and Stroke, que não esteve envolvida com o estudo.

“Embora não seja inesperado que os pacientes mais doentes tenham mais complicações neurológicas, é surpreendente que essas manifestações ocorram mais comumente em indivíduos mais jovens e sejam independentes da gravidade do envolvimento respiratório”, disse Nath ao MedPage Today.

A natureza retrospectiva do estudo pode significar que a frequência das manifestações neurológicas é subnotificada, ela destacou.

Como o estudo foi conduzido

Em seu estudo, Koralnik e colegas analisaram retrospectivamente os primeiros 509 pacientes consecutivos admitidos com COVID ‐ 19 no sistema de saúde da Northwestern Medicine entre 5 de março e 6 de abril. O sistema da Northwestern Medicine consiste em um centro médico acadêmico e nove outros hospitais na área de Chicago.

O diagnóstico de COVID‐19 foi confirmado pelo ensaio SARS‐CoV‐2 da reação em cadeia da polimerase da transcrição reversa (RT‐PCR). A encefalopatia foi identificada por relato de estado mental alterado ou nível de consciência deprimido, diagnóstico documentado por médico de encefalopatia ou síndrome de encefalopatia delirium, ou avaliação positiva do Método de Avaliação de Confusão.

O resultado funcional na alta hospitalar foi baseado na escala de Rankin modificada (modified Rankin Scale [mRS]), uma escala de incapacidade de seis pontos em que escores de 0-2 significam que um paciente pode cuidar de si sem assistência e 6 representa a morte.

Os pacientes tinham idade média de 58,5 anos e 55,2% eram homens, 134 pacientes (26,3%) tiveram COVID‐19 grave, necessitando de ventilação mecânica. No total, 419 dos 509 pacientes tiveram manifestações neurológicas em qualquer momento durante o curso da doença. Os fatores de risco independentes para desenvolver qualquer manifestação neurológica foram COVID‐19 grave e idade mais jovem.

Derrames, distúrbios do movimento, déficits motores e sensoriais, ataxia e convulsões eram incomuns (0,2 a 1,4% dos pacientes cada). No geral, 71,1% dos pacientes com COVID-19 hospitalizados com sintomas neurológicos tiveram alta com uma pontuação mRS de 0-2.

Pacientes com COVID-19 hospitalizados com encefalopatia eram mais velhos do que aqueles sem, tiveram um tempo mais curto do início do COVID até a hospitalização, eram mais propensos a serem do sexo masculino e ter um histórico de qualquer distúrbio neurológico, câncer, doença cerebrovascular, doença renal crônica, diabetes, dislipidemia, insuficiência cardíaca, hipertensão e tabagismo em avaliações sem ajuste multivariado.

“Os gatilhos eram provavelmente multifatoriais, incluindo doenças sistêmicas – falência de múltiplos órgãos, coagulopatia, inflamação – ou infecção direta do cérebro pelo vírus, ou mecanismos autoimunes pós-infecciosos”, disse Koralnik.

Os pacientes com encefalopatia tiveram uma permanência hospitalar mediana de 17 dias, enquanto aqueles sem encefalopatia permaneceram uma mediana de 5 dias. Na alta hospitalar, 32,1% dos pacientes com encefalopatia tinham um escore mRS de 0-2, em comparação com 89,3% daqueles que não desenvolveram encefalopatia.

A encefalopatia foi independentemente associada a um pior resultado funcional e maior mortalidade em 30 dias de hospitalização.

Conclusão dos autores

No geral, não houve diferença significativa na gravidade do COVID-19 entre os pacientes do centro médico acadêmico e os de outros nove hospitais, mas os pacientes do centro acadêmico tiveram melhores resultados funcionais e menor mortalidade em 30 dias.

“É preocupante que o resultado dos pacientes tenha sido diferente nos vários hospitais”, disse Nath. “Os autores atribuem isso às diferenças na qualidade do atendimento prestado. Isso significa que os pacientes hospitalizados requerem um alto nível de atendimento que não está disponível na maioria dos locais e aponta para uma importante vulnerabilidade do nosso sistema de saúde.”

O estudo teve várias limitações, incluindo sua natureza retrospectiva e o fato de que menos de 6% dos pacientes foram avaliados por neurologistas ou neurocirurgiões. Com estritas precauções de controle de infecção em vigor, o acesso à tomografia computadorizada ou ressonância magnética cerebral foi limitado, disseram os pesquisadores.

___________________________

O estudo original foi publicado no Annals of Clinical and Translational Neurology

* “Frequent neurologic manifestations and encephalopathy‐associated morbidity in Covid‐19 patients” – 2020

Autores do estudo: Eric M. Liotta, Ayush Batra, Jeffrey R. Clark, Nathan A. Shlobin, Steven C. Hoffman, Zachary S. Orban, Igor J. Koralnik – doi.org/10.1002/acn3.51210

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.