Exame de sangue pode determinar se o paciente precisa de quimioterapia

Um exame de sangue que detecta fragmentos microscópicos de material genético derramado quando as células cancerígenas morrem permitiu que os pesquisadores determinassem quais pacientes com câncer de cólon em estágio 2 precisariam de quimioterapia de acompanhamento após a cirurgia e quais poderiam ignorá-la, de acordo com pesquisa apresentada em 4 de junho na reunião anual da American Society of Clinical Oncology em Chicago.

Cerca de 151.030 novos casos de câncer colorretal devem ser diagnosticados nos Estados Unidos em 2022.

Identificar a melhor estratégia pós-operatória para pessoas com câncer de cólon e reto em estágio 2 continua sendo um “dilema clínico”, disse a pesquisadora principal do estudo Jeanne Tie, MD, professora associada do Walter and Eliza Hall Institute of Medical Research e Peter MacCallum Cancer Center

em Victoria, Austrália.

Atualmente, esses pacientes geralmente recebem oxaliplatina (Eloxitan), seguida de uma fluoropirimidina após a cirurgia.

Detalhes do estudo

No estudo DYNAMIC, que acompanhou 455 pacientes na Austrália e na Nova Zelândia, os pesquisadores usaram um exame de sangue conhecido como “biópsia líquida” para detectar evidências de DNA tumoral circulante (ctDNA).

Um resultado positivo sugeriu que as células cancerígenas ainda permaneciam no corpo, aumentando o risco de doença recorrente e marcando esses indivíduos como bons candidatos à quimioterapia após a cirurgia. Aqueles que testaram negativo, no entanto, foram autorizados a optar pela “espera vigilante” – uma estratégia que envolve rastreamento de perto de sinais de recorrência da doença, ou uma rodada de quimioterapia.

Metade dos pacientes elegíveis para pular a quimioterapia, com base nos achados da biópsia líquida, decidiu ignorá-la, diminuindo o número de pacientes a receber quimioterapia de 28% para 15%. Não houve diferença no resultado da doença entre aqueles que evitaram mais tratamento e aqueles que continuaram.

Todos os pacientes foram acompanhados inicialmente a cada três meses e depois a cada seis meses para avaliar qualquer evidência de uma possível recaída. Aqueles que escolheram “espera vigilante” em vez de quimioterapia após receber um resultado negativo de ctDNA tiveram taxas de sobrevida livre de recorrência quase idênticas àquelas que optaram pelo tratamento.

“O uso de exames de sangue pode diferenciar os dois grupos, permitindo que aqueles sem evidência de câncer renunciem ao tratamento adicional sem risco de recaída”, diz o Dr. Tie.

O estudo também apareceu em 4 de junho de 2022, no The New England Journal of Medicine.

__________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

Circulating Tumor DNA Analysis Guiding Adjuvant Therapy in Stage II Colon Cancer” – 2022

Autores do estudo: Jeanne Tie, M.D., Joshua D. Cohen, M.Phil., Kamel Lahouel, Ph.D., Serigne N. Lo, Ph.D., Yuxuan Wang, M.D., Ph.D., Suzanne Kosmider, M.B., B.S., Rachel Wong, M.B., B.S., Jeremy Shapiro, M.B., B.S., Margaret Lee, M.B., B.S., Sam Harris, M.B., B.S., Adnan Khattak, M.B., B.S., Matthew Burge, M.B., B.S., Marion Harris, M.B., B.S., James Lynam, M.B., B.S., Louise Nott, M.B., B.S., Fiona Day, Ph.D., Theresa Hayes, M.B., B.S., Sue-Anne McLachlan, M.B., B.S., Belinda Lee, M.B., B.S., Janine Ptak, M.S., Natalie Silliman, B.S., Lisa Dobbyn, B.A., Maria Popoli, M.S., Ralph Hruban, M.D., Anne Marie Lennon, M.D., Ph.D., Nicholas Papadopoulos, Ph.D., Kenneth W. Kinzler, Ph.D., Bert Vogelstein, M.D., Cristian Tomasetti, Ph.D., and Peter Gibbs, M.D. – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.