Estudo investiga o impacto da caquexia em pacientes com lúpus

A caquexia é uma complicação subestimada do lúpus eritematoso sistêmico, afirmaram pesquisadores.

Um total de 56,3% dos pacientes desenvolveu a perda involuntária de peso acompanhada pela perda do controle homeostático do balanço proteico e energético dentro de 5 anos após a inscrição em um estudo de coorte prospectivo, de acordo com George Stojan, MD, da Johns Hopkins University School of Medicine, em Baltimore e colegas.

Embora a maioria dos pacientes tenha recuperado o peso, em 18% a perda de peso foi permanente, a equipe informou online no Arthritis Care & Research.

A caquexia difere da fome e da desnutrição, condições que podem ser prontamente revertidas pelo fornecimento de nutrição adequada. Ela é uma característica conhecida de muitos distúrbios, incluindo câncer, insuficiência cardíaca e doença pulmonar obstrutiva crônica. Além disso está associada a prejuízos funcionais, perda de qualidade de vida e mortalidade. Pouco se sabe, no entanto, sobre a prevalência ou o impacto da caquexia no lúpus.

Como o estudo foi conduzido

Para investigar o assunto, o grupo de Stojan analisou dados de 2.452 pacientes inscritos na Hopkins Lupus Cohort (estudo de coorte) de 1987 a 2016 e que tiveram seu peso registrado em cada visita clínica. O seguimento médio foi de 7,75 anos.

O peso corporal dos pacientes foi categorizado em:

  • Baixo (índice de massa corporal [IMC] abaixo de 20)
  • Normal (IMC 20-24,9)
  • Excesso de peso (25-29,9)
  • Obesos (30-34,9)G
  • Gravemente obeso (acima de 35)

A caquexia foi definida como uma perda de peso de 5% em 6 meses (sem relação com a fome) ao peso médio em visitas anteriores ou a uma perda de peso de 2% ou mais, mais um IMC abaixo de 20.

Múltiplas características do paciente e da doença no início do estudo foram associadas ao desenvolvimento de caquexia em 5 anos. Um total de 73,2% daqueles com IMC abaixo de 20 alcançou a definição de caquexia em algum momento, assim como 61,1% daqueles que atualmente usam esteroides, 59,8% daqueles que eram positivos para anticorpos anti-DNA de fita dupla, 66,3% daqueles com anticorpos anti-Smith, 62,8% daqueles com anticorpos anti-La e 62,8% daqueles com anticorpos anti-RNP.

Além disso, a caquexia se desenvolveu na maioria dos pacientes com envolvimento renal, hematológico e do sistema nervoso central, bem como naqueles com serosite e vasculite.

A doença foi classificada como intermitente se resolvida, o que ocorreu em 45,6% dos pacientes. A caquexia contínua nunca se resolveu e ainda estava presente no final do acompanhamento, em 18%, enquanto o restante dos participantes nunca desenvolveu a condição.

As taxas para manifestações anteriores da doença a qualquer momento (ajustadas para o uso de prednisona) associadas ao desenvolvimento de caquexia incluem:

  • Serosite, RR 1,15 (IC 95% 1,01-1,30, P=0,03)
  • Renal, RR 1,33 (IC 95% 1,19-1,49, P<0,001)
  • Hematológico, RR 1,26 (IC 95% 1,07-1,48, P=0,01)
  • Vasculite, RR 1,28 (IC 95% 1,11-1,48, P=0,001)
  • Constitucional, RR 1,40 (IC 95% 1,25-1,56, P<0,001)

No entanto, quando os pesquisadores procuraram associações com a atividade da doença nos 3 meses anteriores ao início da caquexia, eles descobriram que isso estava limitado à atividade renal (RR 1,3, IC 95% 1,1-1,5, P=0,0048).

Stojan e co-autores consideraram a associação entre caquexia intermitente ou contínua e subsequente dano a órgãos, com isso eles descobriram que pacientes cuja caquexia era intermitente apresentavam riscos elevados para o desenvolvimento de vários tipos de danos, incluindo cataratas, alterações retinianas, atrofia óptica, neuropatia periférica, acidentes cerebrovasculares fibrose pleural, angina, artrite erosiva, osteoporose e necrose avascular.

Pacientes com caquexia contínua apresentaram risco aumentado de taxa de filtração glomerular estimada abaixo de 50, proteinúria acima de 3,5 g/dia e doença renal em estágio terminal.

“É tentador traçar um paralelo entre a caquexia no lúpus eritematoso sistêmico e a caquexia do câncer”, observaram os pesquisadores.

Os 56% dos participantes observados no estudo foram semelhantes à prevalência de 54% relatada no câncer, embora os pacientes com câncer tenham mais frequentemente caquexia contínua, continuaram os autores. A alta taxa de recuperação no presente estudo “pode ​​ser atribuída à melhora da atividade da doença e à diminuição da inflamação sistêmica, um conceito que permanece controverso na caquexia relacionada ao câncer”.

Embora os mecanismos específicos associados à caquexia no lúpus não tenham sido estabelecidos, os mediadores pró-inflamatórios secretados pelos tumores também estão envolvidos na patogênese do lúpus (“conversa cruzada sistema imunológico do tumor”), incluindo interleucinas 1, 6, 11 e 17 , fator de necrose tumoral, interferon-γ e oncostatina M, explicaram os pesquisadores.

Conclusão dos autores

“Mais estudos são necessários para elucidar as implicações da caquexia em termos de resposta ao tratamento, resultados a longo prazo, qualidade de vida, bem como seu papel como um potencial fator de risco cardiovascular no lúpus eritematoso sistêmico”, Stojan e co-autores concluído.

Uma limitação do estudo, disseram, foi o uso do IMC para a análise, que não reflete gordura versus massa muscular ou edema.

___________________________

O estudo original foi publicado no Arthritis Care & Research

* “Cachexia in Systemic Lupus Erythematosus: Risk Factors and Relation to Disease Activity and Damage” – 2020

Autores do estudo: George Stojan, Jessica Li, Amaya Wittmaack, Michelle Petri – 10.1002/acr.24395

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.