Estudo analisa o melhor tratamento para câncer de ovário

O câncer de ovário é o mais letal de todas as neoplasias ginecológicas, sendo responsável por 5% das mortes por câncer entre as mulheres americanas. A maioria dos casos de câncer de ovário (70%) é identificada tardiamente, quando as lesões já se espalharam além dos ovários para a cavidade peritoneal. O tratamento padrão consiste em PCS ideal com quimioterapia intravenosa à base de platina/paclitaxel.

No entanto, como o câncer de ovário epitelial tende a permanecer dentro da cavidade peritoneal, aderindo às superfícies dos órgãos e apenas invadindo as camadas superficiais, a quimioterapia intraperitoneal tem sido apontada como uma alternativa atraente em pacientes selecionadas.

Quase 15 anos atrás, o estudo Gynecologic Oncology Group-172 mostrou uma melhora de 16 meses na sobrevida geral (SG) entre pacientes com câncer de ovário em estágio III recém-diagnosticados tratados com quimioterapia intraperitoneal versus intravenosa.

No entanto, a administração intraperitoneal falhou, em grande parte por causa da toxicidade: menos da metade dos pacientes designados para tratamento intraperitoneal completaram os seis ciclos planejados de terapia.

Vários estudos sugeriram que a cirurgia citorredutora seguida por HIPEC pode melhorar a SG. Teoricamente, o calor pode aumentar a penetração da quimioterapia na superfície peritoneal e aumentar a sensibilidade das células cancerosas à quimioterapia ao inibir o reparo do DNA.

Uma equipe anterior (van Driel et al.) relatou o primeiro estudo randomizado de HIPEC para câncer epitelial de ovário em estágio III, descobrindo que uma única administração de HIPEC entregue no final da cirurgia pode fornecer uma vantagem significativa para certos pacientes.

Com base em uma revisão abrangente que incluiu evidências recentes, as diretrizes da National Comprehensive Cancer Network agora incluem uma opção para considerar HIPEC no momento da cirurgia de citorredução de intervalo em pacientes selecionadas com a doença em estágio III tratadas com quimioterapia neoadjuvante.

Apesar dessa mudança, não houve estudos multicêntricos em grande escala para examinar se uma combinação de PCS e HIPEC poderia melhorar o prognóstico de pacientes com câncer epitelial de ovário.

Um grande estudo multicêntrico retrospectivo da China descobriu que a entrega de HIPEC após a cirurgia versus cirurgia sozinha pode melhorar significativamente o sistema operacional de mulheres com câncer epitelial de ovário em estágio III.

A SG mediana aumentou de 34,0 meses com cirurgia sozinha para 49,8 meses com cirurgia seguida por HIPEC.

Mais de 60% das pacientes tratadas com HIPEC permaneceram vivas em 3 anos contra menos de 50% daquelas que tiveram apenas cirurgia, relatou Li Wang, MD, da Universidade de Zhengzhou e colegas no JAMA Network Open.

Condução do estudo e conclusão dos autores

Wang e a equipe revisaram os dados de 584 pacientes com câncer epitelial de ovário recém-diagnosticado em estágio III que se submeteram a PCS, com ou sem HIPEC, em cinco centros médicos de alto volume na China.

As pacientes elegíveis não tinham tratamento antitumoral antes da cirurgia e nenhuma evidência de metástase extra-abdominal. A cirurgia foi categorizada como completa (doença residual ≤1 cm de diâmetro) ou incompleta (presença de um ou mais nódulos residuais >1,0 cm de diâmetro).

Das mulheres incluídas (idade média de 55,0 anos), 425 (72,8%) foram submetidas a PCS com HIPEC e 159 (27,2%) foram submetidas a PCS sozinho.

O regime HIPEC foi administrado simultaneamente no final do PCS e consistia em solução salina circulante com cisplatina na dose de 50 mg/m2 que foi mantida dentro de 0,1°C a 43°C. Os pesquisadores recomendaram realizar HIPEC nos dias 1, 3 e 5. O número médio de tratamentos HIPEC foi de 2,8.

O tempo médio de sobrevivência e SG de 3 anos serviram como desfechos primários.

Além da melhora estatisticamente significativa de 15,8 meses na SG mediana com PCS e HIPEC, os resultados mostraram uma taxa de OS em 3 anos de 60,3% com HIPEC e 49,5% com PCS sozinho, representando uma redução de 36% no risco de sobrevivência.

Os pesquisadores também realizaram análises separadas de pacientes que tiveram citorredução cirúrgica completa ou incompleta. PCS completo mais HIPEC foi associado a uma OS mediana de 53,9 meses em comparação com 42,3 meses com PCS sozinho. As taxas de SG de 3 anos foram de 65,9% com HIPEC e 55,4% sem.

PCS mais HIPEC manteve uma vantagem de sobrevida contra PCS sozinho no subgrupo de pacientes que tiveram citorredução cirúrgica subótima, embora a sobrevida tenha sido substancialmente menor em ambos os grupos. A taxa de SG de 3 anos continuou a favorecer HIPEC, mas a diferença não atingiu mais significância estatística.

Perturbação eletrolítica, anemia, leucopenia e neutropenia foram observadas como os eventos adversos de grau 3/4 mais comuns em ambos os grupos. Perturbação de eletrólito de grau 3/4 ocorreu com mais frequência no grupo PCS com HIPEC do que no grupo PCS sozinho.

As limitações do estudo incluíram seu desenho retrospectivo.

_______________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network Open

* “Evaluation of Cytoreductive Surgery With or Without Hyperthermic Intraperitoneal Chemotherapy for Stage III Epithelial Ovarian Cancer” – 2020

Autores do estudo: Ziying Lei, Yue Wang, Jiahong Wang, Ke Wang, Jun Tian, Ying Zhao, Lipai Chen, Jin Wang, Jiali Luo, Manman Jia, Hongsheng Tang, Qingjun He, Quanxing Liao, Xiansheng Yang, Tianpei Guan, Li Wang, Shuzhong Cui – 10.1001/jamanetworkopen.2020.13940

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.