Pacientes com doenças mentais graves podem ter risco maior de doenças cardíacas

Pacientes de cuidados primários com doenças mentais graves também são mais propensos a sofrer doenças cardíacas, sugeriu um novo estudo.

Após o ajuste para vários fatores, indivíduos de 40 a 75 anos com transtorno bipolar, esquizofrenia ou transtorno esquizoafetivo – mas sem doença cardiovascular conhecida – tiveram escores de risco de doença cardiovascular aterosclerótica estimados significativamente mais altos em 10 anos em comparação com aqueles sem doença mental grave. 9,44% vs 7,99%, respectivamente), de acordo com Rebecca Rossom, MD, MS, do HealthPartners Institute em Minneapolis e colegas.

Da mesma forma, aqueles com idades entre 18 e 59 anos com qualquer uma dessas doenças mentais graves tiveram chances significativamente maiores de cair em uma categoria de maior risco cardiovascular ao longo de 30 anos em comparação com aqueles sem essas doenças mentais, relatou o grupo no Journal of American Heart Association

.

O risco de 30 anos – também considerado risco “para toda a vida” – foi estimado usando o escore de risco de Framingham, onde os pacientes foram categorizados em um dos cinco grupos com base em sua pressão arterial, lipídios, diabetes e tabagismo. No geral, 25% das pessoas com uma doença mental grave caíram no grupo de maior risco ao longo da vida, contra apenas 11% das pessoas sem uma dessas condições.

“Pesquisas anteriores indicaram que pessoas diagnosticadas com uma doença mental grave morrem 10 a 20 anos antes da população em geral, e sua principal causa de morte é doença cardíaca”, explicou Rossom em comunicado.

“Nosso estudo se concentrou na contribuição de fatores de risco cardiovascular, como pressão arterial, colesterol, açúcar no sangue, índice de massa corporal e tabagismo, para comparar o risco geral de doença cardíaca para pessoas com e sem doença mental grave”, acrescentou.

Ao dividi-lo de acordo com os tipos específicos de doença mental grave, aqueles com transtorno bipolar tiveram o maior risco de 10 anos, enquanto aqueles com transtorno esquizoafetivo tiveram o maior risco de 30 anos.

Dois fatores subjacentes parecem aumentar o risco cardiovascular mais para pacientes com doença mental grave: IMC elevado e tabagismo. Mais especificamente, aqueles com uma doença mental grave eram muito mais propensos a ter um IMC de 30 ou superior (49,7% vs 35,6%) e tinham o dobro da taxa de obesidade classe III. Esses pacientes também apresentaram uma taxa de tabagismo três vezes maior (36,2% vs 12,1%).

Detalhes do estudo

Para a análise, um total de 11.333 pacientes com doença mental grave (8.004 com transtorno bipolar e 3.329 com esquizofrenia/transtorno esquizoafetivo) e 579.924 pacientes sem doença mental grave foram incluídos. Todos os pacientes foram identificados por meio de consulta de atenção primária de 2016 a 2018. A maioria dos indivíduos era de meia-idade e 77% eram brancos. Diagnósticos de doenças mentais graves foram coletados a partir de registros eletrônicos de saúde.

O grupo de Rossom apontou que um ponto forte deste estudo foi como eles não se concentraram em pacientes internados com essas doenças mentais graves – como muitos outros estudos tendem a fazer e tendem a ser tendenciosos para pacientes com doenças mais graves. Em vez disso, eles só olharam para pacientes ambulatoriais residentes na comunidade.

“Dado o encurtamento do tempo de vida das pessoas com SMI (doença mental grave) e a considerável contribuição da doença cardiovascular para a mortalidade precoce, os dados suportam uma triagem mais completa e uma gestão eficaz dos principais fatores de risco cardiovascular para pacientes com SMI a partir de um idade mais jovem, especialmente naqueles com menos de 40 anos”, sugeriram os autores.

Rossom também recomendou que o uso de estimativas de risco cardiovascular de 30 anos em adultos mais jovens com doença mental grave poderia reduzir as taxas de morbidade e mortalidade cardiovascular, introduzindo o gerenciamento e a prevenção de fatores de risco mais cedo nesse grupo de maior risco.

_____________________________
O estudo original foi publicado Journal of the American Heart Association

“Cardiovascular Risk for Patients With and Without Schizophrenia, Schizoaffective Disorder, or Bipolar Disorder” – 2022

Autores do estudo: Rebecca C. Rossom, Stephanie A. Hooker, Patrick J. O’Connor, A. Lauren Crain, JoAnn M. Sperl‐Hillen – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.