Doença Celíaca – Chip no Intestino Consegue Controlar a Doença!

A doença celíaca é a intolerância alimentar mais comum no mundo ocidental, afetando 1% da população. A doença é caracterizada por uma reação imune crônica no intestino delgado resultante de uma resposta celular aberrante à nossa dieta.

A apresentação clássica da doença celíaca é bem comum na infância com diarréia e déficit de crescimento. No entanto, hoje em dia a doença é frequentemente diagnosticada em adultos e muitas vezes permanece não diagnosticada, provavelmente porque a doença pode se apresentar de muitas maneiras diferentes, também fora do trato gastrointestinal.

Doença Celíaca em nossos dias

Existem muitas complicações sérias associadas à saúde se a doença celíaca não for diagnosticada, incluindo problemas de crescimento e puberdade tardia em crianças, anemia por deficiência de ferro, fadiga crônica e osteoporose. A falta de consciência da doença, tanto no público quanto nos profissionais de saúde, significa que os casos diagnosticados da doença representam apenas uma pequena fração do número total de pessoas afetadas.

Os sintomas comuns da doença incluem inchaço abdominal e dor, diarréia, constipação, vômitos, úlceras na boca, fadiga e anemia. Um desafio significativo no reconhecimento da doença celíaca é a variação na apresentação e intensidade dos sintomas e, em muitos casos, a doença celíaca pode ocorrer sem quaisquer sintomas.

O glúten é uma proteína de armazenamento presente no trigo, cevada e centeio, e é necessária para manter a qualidade do processamento de derivados de alimentos, como pão, macarrão e biscoitos. A doença celíaca começa no intestino delgado, onde produtos de degradação do glúten da dieta, como muitos outros produtos dietéticos, passam no revestimento epitelial.

O Uso do Chip

Nos últimos 10 anos, foram identificados mais 40 genes no genoma humano que também aumentam o risco de desenvolver a doença. Muitos dos genes que aumentam o risco de doença celíaca influenciam o sistema imunológico, mas alguns genes podem afetar a função de barreira do revestimento epitelial intestinal.

Doença-Celíaca-Chip

Isso motivou a Dra Cisca Wijmena professora de genética humana no Centro Médico da Universidade de Groningen (UMCG), na Holanda, a desenvolver um chip que implantado no intestino, superaria as limitações dos modelos baseados em animais e células.

O chip imita as propriedades do intestino humano e, no nosso caso, as dos pacientes com doença celíaca. Usando sangue ou urina, somos capazes de derivar células-tronco pluripotentes induzidas que, por sua vez, podem ser diferenciadas em células epiteliais intestinais.

Dos fatores de risco genéticos que identificamos para a doença celíaca, cerca de 30% são alvos potenciais de drogas. Tendo um chip que implantado no intestino, também podemos usar sistemas para testar se certos medicamentos podem ser usados ​​para tratar a doença. Finalmente, também podemos melhorar nossa compreensão na etiologia compartilhada entre a doença celíaca e outras doenças autoimunes.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *