Não deve ser recomendado Aspirina para idosos acima de 70 anos!

Um estudo mais completo mostrou que os efeitos do uso da aspirina para idosos não é tão relevante como se pensava, pelo contrário pode ser prejudicial em pessoas saudáveis ​​com mais de 70 anos, mesmo naquelas com maior risco de doença cardiovascular.

Os efeitos da aspirina para idosos

Em nome dos pesquisadores da ASPREE, o professor Christopher Reid, da Curtin University, em Perth, Austrália, disse: “Um número cada vez maior de pessoas atinge a idade de 70 anos sem doença cardiovascular evidente (DCV). Essa análise sugere a necessidade de métodos aprimorados de previsão de risco para identificar aqueles que poderiam se beneficiar da aspirina diária em baixa dose”.

As diretrizes Européias sobre a prevenção de DCV não recomendam aspirina para indivíduos livres da doença devido ao aumento do risco de sangramento maior. Este conselho foi posteriormente apoiado por resultados em pacientes com risco moderado (ARRIVE), diabéticos (ASCEND) e em pessoas com mais de 70 anos (ASPREE), que demonstraram que reduções modestas no risco de doenças cardiovasculares foram superadas pelo aumento do risco de sangramento.

O achado primário do estudo randomizado ASPREE foi que o uso diário de aspirina para idosos (100 mg) com 70 anos ou mais sem DCV conhecida, não houve efeito significativo.

Esta análise examinou se os resultados podem variar de acordo com o nível basal de risco de doença cardiovascular. Também foram realizadas análises para os desfechos secundários de mortalidade por todas as causas, hemorragia grave e prevenção de DCV (definida como doença cardíaca coronária fatal, infarto do miocárdio não fatal, acidente vascular cerebral fatal ou não fatal ou hospitalização por insuficiência cardíaca).

Os investigadores calcularam as probabilidades de risco de doença cardiovascular em dez anos na linha de base para os 19.114 participantes do ASPREE usando o escore de Framingham (até 75 anos) e a doença cardiovascular aterosclerótica (ASCVD), assim reuniram equações de risco de coorte (até 79 anos) e as dividiram em terços. Como não há escores de risco de DCV disponíveis além das faixas etárias especificadas nas equações, eles também classificaram os participantes de acordo com a presença de 0 a 1, 2 a 3 ou mais de 3 fatores de risco de doença cardiovascular. As taxas gerais de sobrevida livre de incapacidade, mortalidade, sangramento maior e DCV foram examinadas para cada grupo de risco e os resultados foram comparados para aqueles tratados com aspirina ou placebo.

Para os participantes no terço mais baixo do risco de doença cardiovascular, pelos escores de Framingham e ASCVD, não houve sobrevida livre de incapacidade ou benefício cardiovascular da aspirina. Este grupo também teve a maior probabilidade de sangramento.

Por outro lado, aqueles no terço mais alto do risco de DCV, pelos escores de Framingham e ASCVD, apresentaram taxas de eventos de doença cardiovascular significativamente mais baixas na aspirina com taxas semelhantes de sangramento. As taxas de risco para redução de DCV com placebo na aspirina foram 0,72 (intervalo de confiança de 95% [IC] 0,54-0,95) para o grupo classificado como de alto risco pelo escore de Framingham e 0,75 (IC 95% 0,58-0,97) para aqueles definidos como de alto risco pelas equações ASCVD.

Não deve ser recomendado Aspirina para idosos com mais de 70 anos

Dr Reid disse: “As descobertas enfatizam que a relação risco-benefício do uso de aspirina para idosos tanto em homens e mulheres saudáveis ​​varia entre os níveis de risco cardiovascular. Também indica que a redução de eventos cardiovasculares nos grupos de maior risco usando os métodos atuais de estratificação não identifica indivíduos nos quais essa vantagem se traduz em maior sobrevida livre de incapacidade”.

O Dr Reid concluiu: “Com base nos resultados do principal estudo ASPREE, a dose diária baixa de aspirina não pode ser recomendada em pessoas saudáveis ​​com mais de 70 anos – mesmo naquelas com maior risco de doença cardiovascular evidente. A análise de hoje indica que são necessários métodos mais refinados para identificar um subgrupo que pode ganhar com a terapia preventiva”.

Os resultados tardios do estudo ASPREE foram apresentados no ESC Congress 2019, juntamente com o Congresso Mundial de Cardiologia que acontece neste final de semana em Paris na França.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral. As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. .Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.