DIU pode regredir tumor em mulheres com câncer endometrial

A terapia hormonal com um dispositivo intrauterino (DIU) levou à regressão completa do tumor em dois terços das mulheres com câncer endometrial em estágio inicial ou lesões pré-cancerosas, mostrou um estudo pragmático de fase II randomizado.

Aos 6 meses, a taxa de resposta patológica completa (pCR) foi de 61% para pacientes randomizadas para um DIU contendo levonorgestrel sozinho, 67% para aquelas também encorajadas a participar de uma intervenção para perda de peso e 57% para aquelas que receberam metformina em além do DIU, relatou Andreas Obermair, MD, da University of Queensland em Brisbane, Austrália.

O único fator que previu resposta significativamente foi o diagnóstico, com a taxa de pCR atingindo 82% entre os braços do estudo para mulheres com hiperplasia endometrial com atipia, uma lesão pré-cancerosa, em comparação com 43% para aquelas com adenocarcinoma endometrioide de estágio I, de acordo com os achados apresentados no reunião virtual da Society of Gynecologic Oncology (SGO).

Obermair concluiu que o tratamento era seguro e eficaz com alta adesão, mas que o acompanhamento em longo prazo é necessário.

“O tratamento padrão do câncer endometrial é a histerectomia total, salpingo-ooforectomia bilateral com ou sem estadiamento cirúrgico”, explicou Obermair. “No entanto, para dois grupos de pacientes, isso é um desafio – para mulheres jovens que desejam preservar a fertilidade e também para mulheres idosas e frágeis com múltiplas comorbidades médicas que correm o risco de internação prolongada, maior risco de eventos adversos relacionados ao procedimento e alto custo.”

Sociedades médicas, médicos e grupos de pacientes pediram opções não cirúrgicas para essas pacientes, disse ele, e embora os DIUs de levonorgestrel tenham sido usados ​​no passado neste cenário, faltavam “evidências robustas”.

O estudo aberto de três braços de fase II randomizou pacientes em uma proporção de 3:3:5 para o DIU (52 mg de levonorgestrel) mais observação, o DIU mais uma intervenção para perda de peso, ou o DIU mais metformina (250 mg duas vezes ao dia).

A intervenção para perda de peso consistiu em uma assinatura de 6 meses do Vigilantes do Peso, com as pacientes incentivadas a perder 7% do peso corporal total em 6 meses. No mês 3, as pacientes foram submetidas a avaliação endometrial para verificar a progressão da doença.

Obermair explicou que a metformina, um medicamento comum para diabetes, demonstrou ter efeitos antiproliferativos no câncer de endométrio, enquanto a perda de peso pode reduzir o risco da doença e está associada à melhora da sobrevida geral em pacientes diagnosticadas com câncer de endométrio.

“Uma das coisas que mais me interessou neste estudo é a notável perda de peso que você viu nesses vários braços”, disse o debatedor da SGO Angeles Alvarez Secord, MD, do Duke Cancer Center em Durham, Carolina do Norte. “Em minha experiência clínica e na pesquisa que conduzimos, é muito difícil para pacientes com câncer de endométrio perder peso, mesmo quando você faz aconselhamento, e na maioria das vezes essas mulheres continuam a ganhar peso”.

No braço de perda de peso, 25% das pacientes perderam a meta de pelo menos 7% de seu peso corporal inicial no ponto de tempo de 6 meses, em comparação com 19% no braço de observação e 16% no grupo de metformina.

“Embora os resultados [pCR] nas mulheres com hiperplasia endometrial atípica tenham sido muito tranquilizadores, os achados no câncer endometrial foram menores do que o que eu esperava”, acrescentou Alvarez Secord.

Ela perguntou a Obermair se ele trataria uma paciente com hiperplasia endometrial atípica na clínica na segunda-feira.

“Quando temos mulheres muito obesas, frágeis e clinicamente comprometidas com um risco muito alto de conversão de minimamente invasivo para cirurgia aberta, devemos realmente considerar o DIU de levonorgestrel como uma alternativa porque a taxa de resposta é extremamente alta”, ele disse.

Detalhes do estudo

As pacientes eram elegíveis se tivessem adenocarcinoma endometrioide estágio I (Federação Internacional de Ginecologistas e Obstetras grau 1, ressonância magnética mostrando profundidade de invasão abaixo de 50%), ou hiperplasia endometrial com atipia, IMC maior que 30 e níveis de CA-125 menores que 30 U/ml.

Aqueles com doença de grau 2/3 ou tipos de células de alto risco foram excluídos, assim como as pacientes que receberam progestágenos até 12 semanas antes do início do estudo ou que receberam radioterapia pélvica.

No geral, 58% das participantes do estudo tinham câncer de endometrioide e 42% tinham hiperplasia de endometrioide. A idade média era 53, o IMC médio era 47,7 e 43% estavam na pré-menopausa.

Um pouco mais de um quarto das pacientes tinha uma pontuação de índice de comorbidade de Charlson de 0 e um pouco mais de um quarto já estava em metformina no início do estudo – essas pessoas foram randomizadas entre os braços de perda de peso e observação. A taxa de pCR entre as mulheres em metformina randomizadas para o braço de perda de peso foi de 48%.

Os fatores de estratificação incluíram diagnóstico (adenocarcinoma endometrioide ou hiperplasia endometrial com atipia), IMC, estado da menopausa e localização do tumor.

Por razões pragmáticas, as mulheres com contraindicação à metformina foram randomizadas para os braços de perda de peso ou de observação, as mulheres inelegíveis para o braço de perda de peso foram randomizadas para os braços de observação ou metformina.

Em termos de adesão, três das 165 pacientes expulsaram o DIU, oito das 58 atribuídas aos Vigilantes do Peso nunca se registraram e no período de 6 meses, 23 das 39 pacientes que compareceram ao programa ainda estavam participando.

Quase todas as pacientes (91,4%) iniciaram a metformina naquele braço, com 78,9% completando a metformina na avaliação de 6 meses.

_______________________

O estudo original foi publicado no Society of Gynecologic Oncology

* “Complete pathological response following levonorgestrel intrauterine in clinical stage 1 endometrial adenocarcinoma: Results of a clinical trial (feMMe trial, ANZGOG1301)” – 2021

Autores do estudo: Obermair A, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.