Eficácia de dietas de baixa proteína para doença renal crônica

A doença renal crônica (DRC) é definida como função reduzida dos rins presente por 3 meses ou mais com implicações adversas para a saúde e sobrevivência.

Por várias décadas, dietas de baixa proteína foram propostas para participantes com DRC com o objetivo de retardar a progressão para doença renal em estágio terminal (end‐stage kidney disease [ESKD]) e retardar o início da terapia de substituição renal.

No entanto, os benefícios e danos relativos da restrição de proteína na dieta para prevenir a progressão da DRC não foram resolvidos.

Qual é o problema?

Várias formas de doença renal podem levar à insuficiência renal em pessoas afetadas que acabam por necessitar de tratamento de diálise.

Uma dieta pobre em proteínas pode ser recomendada para tentar ajudar a retardar o progresso da doença renal para a insuficiência renal.

Ainda não é possível saber se as dietas com baixa proteína podem retardar o progresso da doença renal e atrasar a necessidade de iniciar o tratamento com a diálise.

Critério de seleção

Os autores incluíram ensaios clínicos randomizados (ECRs) nos quais adultos com doença renal crônica não diabética (estágios 3 a 5) que não estavam em processo de diálise foram randomizados para receber uma ingestão de proteína muito baixa em comparação com um baixa ingestão de proteínas ou baixa ingestão de proteínas em comparação com uma ingestão normal de proteínas por 12 meses ou mais.

Coleta e análise de dados

Dois autores selecionaram independentemente estudos e extraíram os dados. Para desfechos dicotômicos (morte – todas as causas), necessidade de diálise, efeitos adversos, as taxas de risco (RR) com intervalos de confiança de 95% (IC) foram calculadas e as estatísticas de resumo estimadas usando o modelo de efeitos aleatórios.

Quando escalas contínuas de medição foram usadas, como a taxa de filtração glomerular (glomerular filtration rate [GFR]), esses dados foram analisados ​​como a diferença média (mean difference [MD]) ou diferença média padronizada (standardised mean difference [SMD]) se escalas diferentes tivessem sido usadas. A certeza das evidências encontradas foram avaliadas usando  a metodologia GRADE.

Como a revisão foi conduzida pelos autores

A equipe realizou uma pesquisa no Cochrane Kidney and Transplant Specialized Register até 7 de setembro de 2020 para ensaios clínicos randomizados (ECRs), que matricularam pacientes adultos não diabéticos com doença renal crônica, que ainda não necessitavam de diálise, que compararam diferentes ingestões de proteína na dieta, incluindo muito baixo, baixa ou ingestão normal de proteínas por 12 meses ou mais.

Achados dos autores

Os pesquisadores analisaram as evidências de 17 estudos (21 conjuntos de dados) com 2996 pessoas com função renal reduzida.

Eles descobriram que dietas com menos proteína, em comparação com a ingestão de proteína baixa ou normal, provavelmente reduzem o número de pessoas com insuficiência renal avançada que progridem para a diálise.

Quando dietas de baixa proteína foram comparadas com dietas de proteína normal, houve pouca ou nenhuma diferença no número de pessoas com insuficiência renal menos grave que progrediram para diálise. Os efeitos colaterais de dietas de baixa proteína, como perda de peso, eram incomuns, mas muitos estudos não relataram efeitos colaterais.

Conclusão dos autores

Em pessoas com insuficiência renal avançada, uma ingestão muito baixa de proteínas provavelmente retarda o progresso para a insuficiência renal.

No entanto, precisamos de mais informações sobre os efeitos colaterais das dietas de baixa proteína e se a qualidade de vida é reduzida devido às dificuldades em manter essa dieta.

Esta revisão descobriu que dietas com baixo teor de proteína provavelmente reduzem o número de pessoas com DRC 4 ou 5, que progridem para ESRD. Em contraste, as dietas de baixa proteína podem fazer pouca diferença para o número de pessoas que progridem para ESRD.

As dietas de baixa ou muito baixa proteína provavelmente não influenciam a morte. No entanto, existem dados limitados sobre os efeitos adversos, como diferenças de peso e perda de energia proteica. Não há dados sobre se a qualidade de vida é afetada por dificuldades em aderir à restrição de proteínas.

Estudos avaliando os efeitos adversos e o impacto na qualidade de vida da restrição de proteína na dieta são necessários antes que essas abordagens dietéticas possam ser recomendadas para uso generalizado.

__________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Low protein diets for non‐diabetic adults with chronic kidney disease”

Autores do estudo: Deirdre Hahn, Elisabeth M Hodson, Denis Fouque – 10.1002/14651858.CD001892.pub5

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.