Jovens transgêneros têm risco maior de problemas cardiometabólicos

Muitos jovens transgêneros provavelmente enfrentarão um risco maior de resultados cardiometabólicos fracos, de acordo com uma nova pesquisa.

Uma análise com mais de 4.000 jovens americanos com diagnóstico de disforia de gênero descobriu que esses pacientes tinham quase duas vezes mais chance de desenvolver síndrome metabólica em comparação com os jovens sem disforia de gênero, relatou Anna Valentine , MD, da University of Colorado Anschutz Medical Campus em Aurora.

Em sua apresentação virtual na reunião ENDO 2021 da Endocrine Society, Valentine explicou que esses jovens – incluindo aqueles designados do sexo masculino no nascimento e do feminino no nascimento – também tinham uma probabilidade significativamente maior de desenvolver dislipidemia em comparação com os jovens cisgêneros.

Para jovens transgêneros designados apenas do sexo feminino no nascimento, os pesquisadores descobriram que esses indivíduos tinham uma chance significativamente maior de desenvolver sobrepeso ou obesidade. Eles também tiveram uma chance quase duas vezes maior de serem diagnosticados com síndrome dos ovários policísticos em comparação com jovens mulheres cisgênero.

Por outro lado, os jovens não tinham um risco excessivo de hipertensão, disglicemia ou disfunção hepática.

Vários mecanismos diferentes podem fundamentar essas descobertas, explicou Valentine durante uma entrevista coletiva. “Nós sabemos que alguns jovens com disforia de gênero têm taxas mais altas de sobrepeso e obesidade, e que ter sobrepeso e obesidade em si aumenta o risco de ter outros diagnósticos”. Também se sabe que “jovens com disforia de gênero têm taxas mais altas de comorbidades de saúde mental, além de praticarem menos atividade física”, disse ela.

“E eles também podem estar tomando medicamentos que podem influenciar sua saúde cardiometabólica”, acrescentou.

Embora menos pesquisas tenham sido feitas em pacientes pediátricos, Valentine também fez referência a dados de adultos mostrando que mulheres trans adultas que tomam estradiol têm maior probabilidade de ter triglicerídeos aumentados e uma taxa mais alta de acidente vascular cerebral, coágulos sanguíneos e infarto do miocárdio (IM).

Além disso, os homens trans adultos com testosterona demonstraram ter um risco maior de triglicerídeos aumentados, colesterol de lipoproteína de baixa densidade e índice de massa corporal (IMC), bem como colesterol de lipoproteína de alta densidade mais baixo e risco aumentado de IM.

Detalhes do estudo

O estudo de coorte retrospectivo analisou dados do sistema de aprendizagem de saúde PEDSnet, que incluiu dados de registros eletrônicos de saúde de seis grandes centros pediátricos, incluindo do Hospital Infantil da Filadélfia, Nationwide, Nemours, St. Louis, Colorado e Seattle.

Um total de 4.174 pacientes pediátricos com diagnóstico de disforia de gênero foram incluídos, que foram comparados com 16.651 controles.

Todos os jovens com disforia de gênero foram pareados com quatro controles com base no ano de nascimento, idade na última visita, local, raça, etnia, status de seguro e duração no banco de dados. A idade média de 16 anos na última consulta clínica e a maioria dos jovens transgêneros foram designados do sexo feminino ao nascer (66%), eram brancos (73%) e tinham seguro privado (61%).

Como os critérios de inclusão para jovens transgêneros foram baseados apenas em um diagnóstico de disforia de gênero, havia uma falta de dados sobre quem exatamente estava recebendo terapia hormonal, observou Valentine.

Ela disse ao MedPage Today que este será o foco do próximo estudo da equipe, que analisará especificamente os resultados cardiometabólicos em jovens trans que recebem terapia hormonal de afirmação de gênero.

“Nós sabemos que nos dados de adultos há alguma associação entre o uso de estradiol e o uso de testosterona com diferenças nos parâmetros de colesterol, mas este ainda é um campo emergente na pediatria”, explicou Valentine. “Temos alguns pequenos estudos de centro único que às vezes dizem ‘sim, com hormônios, vemos um aumento no IMC’, mas outros estudos dizem ‘esta seção parece muito estável com esse hormônio’.”

“O fato de termos uma coorte tão grande nesta análise multicêntrica para nossos próximos passos, acho que será realmente interessante olhar para isso”, concluiu.

________________________

O estudo original foi publicado no The Endocrine Society

* “Multicenter Analysis of Cardiometabolic-Related Diagnoses in Transgender Adolescents” – 

Autores do estudo: Anna Valentine, MD, Shanlee Marie Davis, MD, MS, Amanda Dempsey, MD, PhD, MPH/MSPH, Anna
Furniss, MS, Elizabeth Juarez-Colunga, PhD, Laura Pyle, PhD, Daniel Reirden, MD, Natalie Nokoff, MD, MS – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.