Esteróide existente na placenta aumenta o risco de desenvolver autismo!

Um estudo em modelos experimentais sugere que a alopregnanolona, ​​um dos muitos hormônios produzidos pela placenta durante a gravidez, é tão essencial para o desenvolvimento normal do cérebro fetal que, quando a provisão desse hormônio diminui ou para abruptamente – como ocorre com o nascimento prematuro – os descendentes são mais propensos a desenvolver autismo.

Alopregnanolona placentária pode desenvolver autismo?

“Até onde sabemos, nenhuma outra equipe de pesquisa estudou como a alopregnanolona placentária (ALLO) contribui para o desenvolvimento do cérebro e comportamentos de longo prazo. Nosso estudo constata que a perda direcionada de ALLO no útero leva a alterações estruturais de longo prazo do cerebelo – uma região cerebral essencial para a coordenação motora, o equilíbrio e a cognição social. – e aumenta o risco de desenvolver autismo”,  diz a Dra Claire-Marie Vacher, autora do estudo.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, cerca de 1 em cada 10 bebês nasce prematuro, antes das 37 semanas de gestação; e 1 em 59 crianças tem desordem do espectro autista.

A produção de ALLO pela placenta aumenta no segundo trimestre da gravidez e os níveis do pico de neurosteróides à medida que os fetos se aproximam do termo.

Para investigar o que acontece quando os suprimentos do ALLO são interrompidos, uma equipe de pesquisa liderada pelo Hospital Nacional da Criança (Children’s National) de Washington,EUA, criou um novo modelo pré-clínico transgênico no qual eles excluíram um gene essencial na síntese do ALLO. Quando a produção de ALLO nas placentas desses modelos experimentais diminui, a prole teve alterações permanentes no desenvolvimento neurológico de maneira específica para o sexo e a região.

“De uma perspectiva estrutural, as anormalidades cerebelares mais pronunciadas apareceram na substância branca do cerebelo”, acrescenta Vacher. “Encontramos uma espessura aumentada da mielina, uma camada isolante rica em lipídios que protege as fibras nervosas. De uma perspectiva comportamental, a prole masculina cujo suprimento de ALLO foi abruptamente reduzido exibiu aumento no comportamento repetitivo e déficits de sociabilidade – duas características em humanos com distúrbio do espectro do autismo”.

Em uma nota positiva, fornecer uma única injeção de ALLO durante a gravidez foi suficiente para evitar tanto as anormalidades cerebelares quanto os comportamentos sociais aberrantes em modelos experimentais.

Esteróide na placenta aumenta o risco de desenvolver autismoA equipe de pesquisa está lançando uma nova área de foco de pesquisa que eles chamam de “neuroplacentologia” para entender melhor o papel da função da placenta no desenvolvimento do cérebro fetal e do recém-nascido.

“Os dados de nossa equipe fornecem novas e empolgantes evidências que enfatizam a importância dos hormônios placentários na formação e programação do cérebro fetal em desenvolvimento”, observa Vacher.

Uma equipe de pesquisa do Hospital Nacional da Criança relata as descobertas do estudo neste dia 21 de outubro de 2019, na reunião anual de Neurociência 2019, realizada nos EUA. Além de apresentar o resumo, a equipe discutirá a pesquisa com repórteres durante uma entrevista coletiva em Neurociência 2019. O resumo nacional infantil está entre os 14.000 resumos enviados para a reunião, a maior fonte mundial de notícias emergentes sobre ciência e saúde do cérebro.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.