Risco de depressão é alto em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico

Pesquisadores relataram que a inatividade entre os pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES) foi associada a um risco três vezes maior de desenvolver depressão.

Entre os pacientes que se descreveram como inativos no início do estudo, a depressão incidente foi diagnosticada durante os 2 anos subsequentes em 38% dos pacientes com LES, em comparação com 14% daqueles que eram ativos, de acordo com Sarah L. Patterson, MD, e colegas da Universidade da Califórnia, São Francisco.

Em uma avaliação multivariada que realizou um ajuste para sexo, raça, comorbidades e atividade e dano da doença, a taxa de risco para depressão incidente entre pacientes com LES inativos foi de 3,88, de acordo com o relato online dos pesquisadores no Arthritis Care & Research.

A depressão é muito comum entre pacientes com LES, sendo diagnosticada em 40-50% em algum momento durante suas vidas, em comparação com 17% da população em geral, e pode ter um impacto sério em vários desfechos relacionados à doença, incluindo qualidade de vida e incapacidade.

“Embora a maior prevalência de depressão no lúpus em relação à população em geral seja bem demonstrada, os fatores psicológicos, biológicos e de estilo de vida responsáveis ​​- e as medidas que podem ser tomadas para mitigá-los – ainda não estão bem definidos”, Patterson e colegas escreveram.

Entre os fatores que contribuem para a depressão no público em geral está a inatividade física. Para examinar o possível papel desse fator em pacientes com LES, que muitas vezes enfrentam barreiras ao exercício, incluindo dor, fadiga e efeitos adversos de medicamentos, os pesquisadores realizaram entrevistas anuais com indivíduos inscritos no California Lupus Epidemiology Study durante os anos de 2007 a 2009.

A depressão foi avaliada na escala de depressão do Questionário de Saúde do Paciente de oito itens, com escores de 10 ou mais representando depressão clínica. A inatividade foi determinada pelo instrumento Rapid Assessment of Physical Activity, no qual foram considerados inativos os pacientes que relataram “raramente ou nunca praticam atividades físicas”.

Características do estudo

A análise contou com 225 pacientes que não foram considerados como tendo depressão no início do estudo, embora uma história de depressão fosse permitida, e estava presente em 26,1% da coorte.

A idade média dos participantes era de 45 anos e quase 90% eram mulheres. A amostra foi diversa, com 35% asiáticos, 30% brancos, 22% hispânicos, 10% afro-americanos e o restante classificado como não especificado ou outro.

A duração da doença foi de quase 17 anos, e o índice de gravidade do lúpus médio foi de 6,9.

Um total de 18% dos participantes relataram ser sedentários, e esses pacientes eram mais frequentemente hispânicos ou afro-americanos, tinham renda de nível de pobreza e eram menos educados.

Ao longo de cerca de 26 meses de acompanhamento, aconteceram 37 novos casos da doença. Em uma avaliação bivariada, os fatores que foram significativamente relacionados com a depressão foram:

  • Inatividade, HR 2,89
  • Renda de nível de pobreza, HR 2,27
  • Danos por doença, 1,23
  • Doença cardiovascular, HR 3,46

Na análise multivariada, a inatividade mostrou a associação mais forte – “ainda mais do que renda de nível de pobreza, condição de minoria racial/étnica, atividade da doença de LES, doença cardiovascular coexistente ou outras comorbidades”, observaram os pesquisadores.

Este foi o primeiro estudo a confirmar um risco elevado de depressão entre pacientes sedentários com lúpus. “Dada a alta carga de depressão experimentada por pacientes com lúpus em relação à população em geral – mesmo entre aqueles com baixa atividade da doença e doença menos grave – esta descoberta é um passo importante para compreender a contribuição dos fatores de estilo de vida para os sintomas de humor de uma forma única grupo de pacientes vulneráveis​​”, escreveram.

Eles aconselharam que os profissionais da saúde acrescentassem a triagem de rotina para a inatividade física no período das visitas de acompanhamento e dispusessem educação e referências para exercícios físicos em pacientes sedentários.

De acordo com os autores, até mesmo as atividades leves apresentaram benefícios, com vantagens sendo percebidas para pessoas que não atendiam necessariamente as diretrizes indicadas para atividade.

A atualização das Diretrizes de Atividade Física 2018 do Escritório de Prevenção de Doenças e Promoção da Saúde dos Estados Unidos enfatizou que mesmo pequenos aumentos na atividade podem trazer benefícios à saúde, afirmando: “Os indivíduos que realizam o mínimo de atividade física se beneficiam mais com aumentos modestos na atividade física moderada a vigorosa.”

“Além de reduzir o risco de comorbidades físicas importantes, como doenças cardiovasculares, nossos dados sugerem que um pequeno aumento na atividade física também pode reduzir o risco de grandes desafios à saúde mental experimentados desproporcionalmente no LES”, concluíram Patterson e colegas.

Uma limitação do estudo, eles disseram, foi a confiança nos relatórios dos pacientes sobre a atividade da doença e outros fatores relacionados.

___________________________

O estudo original foi publicado no Arthritis Care & Research

* “Physical Inactivity Independently Predicts Incident Depression in a Multi‐Racial/Ethnic Systemic Lupus Cohort” – 2021 

Autores do estudo: Sarah L Patterson, Laura Trupin, Jinoos Yazdany, Maria Dall’Era, Cristina Lanata Kimberly Dequattro, Wendy Hartogensis, Patricia Katz – doi.org/10.1002/acr.24555

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.