Genes em moscas da fruta pode ser a cura da perda auditiva!

Cientistas da Universidade pública em Londres, Inglaterra (UCL), descobriram conjuntos de genes reguladores, responsáveis ​​por manter a audição saudável. A descoberta, feita em moscas da fruta, pode potencialmente levar a tratamentos e uma cura da perda auditiva relacionada à idade (ARHL) em humanos.

A cura da perda auditiva

Globalmente, um terço das pessoas (1,23 bilhões de pessoas) com mais de 65 anos sofre de deficiência auditiva e, embora se pense que existem mais de 150 genes candidatos que podem afetar a perda auditiva, não há uma visão unificada sobre como usá-los para desenvolver novos métodos preventivos ou preventivos. terapias curativas para perda auditiva.

No estudo, pesquisadores do UCL Ear Institute avaliaram a capacidade auditiva da mosca da fruta comum (Drosophila melanogaster) ao longo de sua vida útil (cerca de 70 dias), para verificar se a audição diminui com a idade.

A mosca da fruta é um modelo poderoso em biologia e seu ouvido compartilha muitas semelhanças moleculares com as orelhas dos humanos, o que a torna uma ferramenta ideal para o estudo da perda auditiva humana. No entanto, até o momento, nenhum estudo avaliou a audição das moscas da fruta ao longo de sua vida.

Usando técnicas biomecânicas, neurofisiológicas e comportamentais avançadas, os pesquisadores descobriram que as orelhas antenas das moscas da fruta também exibem ARHL com quase todas as medidas de audição sensível começando a declinar após os 50 dias de idade.

Com esse conhecimento, os pesquisadores voltaram seu interesse para o tempo antes que as moscas desenvolvessem o ARHL: eles queriam saber se havia algum gene com ‘idade variável’ no órgão de Johnston das moscas (seu ‘ouvido interno’), que mantinham os ouvidos. saudáveis ​​por 50 dias de suas vidas.

Usando uma combinação de biologia molecular, bioinformática e análise de mutantes, os pesquisadores identificaram um novo conjunto de genes reguladores da transcrição: esses são os chamados “genes da homeostase ”, ou seja, são os atuadores genéticos, para controlar a atividade que mantém o ouvido sensível.

Para os pesquisadores, uma das principais vantagens do modelo da mosca da fruta é que ele permite testar facilmente os papéis dos genes individuais, aumentando sua função (super-expressão) ou silenciando-os (interferência RNAi). Explorando essas ferramentas, os pesquisadores também descobriram que a manipulação de alguns dos genes da homeostase poderia impedir que as moscas adquirissem ARHL.

“Embora muitos estudos tenham sido realizados sobre a função auditiva das moscas da fruta, o nosso é o primeiro a examinar os detalhes mecanicistas e moleculares de seu curso auditivo. Nossas descobertas gêmeas de que as moscas da fruta experimentam perda auditiva relacionada à idade e que sua saúde auditiva prévia é controlada por um conjunto específico de genes são um avanço significativo. O fato de esses genes serem conservados em humanos também ajudará a focar futuras pesquisas clínicas em humanos e, assim, acelerar a descoberta de novas estratégias farmacológicas ou terapêuticas gênicas. Com base em nossas descobertas da Drosophila, já começamos um projeto de descoberta de medicamentos de acompanhamento, desenvolvido para acelerar novos tratamentos para ARHL humano”, disse o autor principal do estudo, o Professor Joerg Albert do Instituto da Audição da UCL.

Genes em moscas da fruta pode ser a definitiva cura da perda auditiva

O Dr. Ralph Holme, diretor executivo de pesquisa da Action on Hearing Loss, disse: “Precisamos urgentemente encontrar tratamentos eficazes capazes de prevenir ou retardar a perda auditiva à medida que envelhecemos. A perda auditiva afeta 70% das pessoas com mais de 70 anos, afastando as pessoas de amigos e familiares. A ação sobre perda auditiva se orgulha de ter sido capaz de apoiar esta emocionante pesquisa que identificou genes envolvidos na manutenção da audição. Isso não apenas avança nossa compreensão de por que a audição diminui com a idade, mas também abre as portas para o desenvolvimento futuro de tratamentos para evitá-la”.

 

______________________________

O estudo completo e seus resultados foi publicado no Scientific Reports.

* “Homeostatic maintenance and age-related functional decline in the Drosophila ear” – 2020.

Autores do estudo: Alyona Keder, Camille Tardieu, Liza Malong, Anastasia Filia, Assel Kashkenbayeva, Fay Newton, Marcos Georgiades, Jonathan E. Gale, Michael Lovett, Andrew P. Jarman & Joerg T. Albert – 10.1038/s41598-020-64498-z

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.