The Lancet: fatalidade em crianças com COVID-19 são muito raras!

De acordo com um estudo de 582 pacientes de toda a Europa publicado hoje na revista The Lancet Child & Adolescent Health, as crianças com COVID-19 geralmente sofrem de uma doença leve e as mortes são muito raras.

Crianças com COVID-19

O estudo, que incluiu crianças e adolescentes de 3 dias a 18 anos, constatou que, embora a maioria tenha sido internada no hospital (62%, 363/582), menos de um em cada dez pacientes necessitou de tratamento em terapia intensiva (8% 48/582).

Os pesquisadores observam que seu estudo envolveu apenas pacientes que procuraram ajuda médica e foram testados para o COVID-19; portanto, casos mais leves não teriam sido incluídos. Eles aconselham a não extrapolar os números observados em seu estudo para a população em geral. No entanto, eles afirmam que suas descobertas devem ser levadas em consideração no planejamento da demanda por serviços de terapia intensiva à medida que a pandemia avança.

“Nosso estudo fornece a visão mais abrangente do COVID-19 em crianças e adolescentes até o momento. Ficamos tranquilizados ao observar que o a taxa de mortalidade de casos em nossa coorte foi muito baixa e provavelmente ainda é substancialmente mais baixa, dado que muitas crianças com doença leve não teriam sido levadas à atenção médica e, portanto, não incluídas neste estudo. os jovens experimentam apenas doenças leves. No entanto, um número notável de crianças desenvolve doenças graves e requer apoio de cuidados intensivos, e isso deve ser levado em consideração ao planejar e priorizar os recursos de saúde à medida que a pandemia progride”, disse o Dr. Marc Tebruegge, principal autor do Instituto de Saúde Infantil UCL Great Ormond Street, em Londres, Reino Unido.

O estudo foi realizado durante um período de 3,5 semanas, de 1 a 24 de abril de 2020, durante o pico inicial da pandemia europeia do COVID-19. Envolveu 82 instituições de saúde especializadas em 25 países europeus. Todos os 582 pacientes incluídos no estudo foram confirmados como infectados pelo vírus SARS-CoV-2 por um teste de PCR.

Apenas um quarto (25%, 145/582) tinha condições médicas pré-existentes. Isso contrasta com estudos em adultos, nos quais a proporção de pacientes com comorbidades é tipicamente muito maior, mas provavelmente reflete que as crianças têm menos problemas médicos crônicos do que os adultos em geral na população em geral, dizem os autores.

Os pesquisadores descobriram que o sintoma mais comum relatado foi febre (65%, 379/582). Cerca de metade dos pacientes apresentava sinais de infecção do trato respiratório superior (54%, 313/582) e um quarto apresentava evidências de pneumonia (25%, 143/582).

Sintomas gastrointestinais foram relatados em cerca de um quarto das crianças (22%, 128/582), 40 das quais não apresentaram sintomas respiratórios. Cerca de 92 crianças, a maioria das quais foram testadas devido ao contato próximo com um caso conhecido de COVID-19, não apresentaram nenhum sintoma (16%, 92/582).

A grande maioria dos pacientes não necessitou de oxigênio ou qualquer outro suporte para ajudá-los a respirar em qualquer estágio (87%, 507/582). Apenas 25 crianças precisavam de ventilação mecânica (4%, 25/582), mas quando precisavam, esse apoio era tipicamente necessário por um período prolongado, geralmente por uma semana ou mais (intervalo de 1 a 34 dias).

O número de pacientes que receberam terapias antivirais ou imunomoduladoras foi muito baixo para tirar conclusões sobre a eficácia de qualquer um dos tratamentos utilizados. Os autores dizem que dados robustos de ensaios clínicos são urgentemente necessários para ajudar os médicos a tomar decisões sobre a melhor estratégia de tratamento para crianças sob seus cuidados.

“Embora o COVID-19 afete crianças com menos gravidade do que os adultos em geral, nosso estudo mostra que há casos graves em todas as faixas etárias. Aqueles que têm problemas de saúde e crianças pré-existentes menos de um mês de idade eram mais propensos a serem admitidos em terapia intensiva. São necessários estudos controlados e randomizados, bem projetados, sobre medicamentos antivirais e imunomoduladores em crianças para permitir decisões baseadas em evidências a respeito do tratamento de crianças com COVID-19 grave”, disse o Dr. Florian Götzinger, de Wilhelminenspital, em Viena, Áustria.

Verificou-se que 29 crianças estavam infectadas com um ou mais vírus respiratórios adicionais ao mesmo tempo que o SARS-CoV-2, como vírus do resfriado ou gripe. Desses, 24% necessitaram de cuidados intensivos (7/29) em comparação com 7% das crianças sem nenhum vírus adicional detectado (41/553).

O Dr. Begoña Santiago-Garcia, um dos principais autores do Hospital Universitário GregorioMarañón, em Madri, Espanha, disse: “Este é o primeiro estudo de crianças com COVID-19 a incluir dados de vários países e múltiplos centros. De notar, descobrimos as crianças nas quais vírus adicionais foram detectados no trato respiratório ao mesmo tempo que o SARS-CoV-2 são mais propensas a serem admitidas em terapia intensiva, o que pode ter implicações importantes para a próxima temporada de inverno, quando infecções por gripes e resfriados serão mais comum.”

Durante os estudos

Quatro pacientes morreram durante o período do estudo, dois dos quais tinham condições médicas pré-existentes. Todos os pacientes que morreram tinham mais de 10 anos de idade. No entanto, a grande maioria dos pacientes estava viva quando o estudo foi encerrado (99%, 578/582), com apenas 25 (4%) ainda apresentando sintomas ou precisando de apoio para a respiração.

Fatalidade em crianças com COVID-19 são muito rarasNa época em que o estudo foi realizado, a capacidade de teste em muitos países europeus era menor do que a demanda, e muitas crianças com COVID-19 e sintomas leves não teriam sido testadas ou diagnosticadas. Diferentes países estavam usando critérios diferentes para rastrear o vírus SARS-CoV-2.

Alguns estavam examinando todas as crianças internadas no hospital, enquanto outros eram mais seletivos nos quais os pacientes receberam um teste. Essa falta de padronização dificulta a generalização dos achados para a população em geral, afirmam os autores, mas a verdadeira taxa de mortalidade de casos em crianças é provavelmente substancialmente menor do que a observada neste estudo (0,69%, 4/582).

 

___________________________

O artigo foi publicado hoje na revista The Lancet Child & Adolescent Health.

* “COVID-19 in children and adolescents in Europe: a multinational, multicentre cohort study” – 2020.

Autores do estudo: Florian Götzinger, Begoña Santiago-García, Prof Antoni Noguera-Julián, Miguel Lanaspa, Laura Lancella, Francesca I Calò Carducci, Natalia Gabrovska, Svetlana Velizarova, Petra Prunk, Veronika Osterman, Uros Krivec, Andrea Lo Vecchio, Delane Shingadia, Antoni Soriano-Arandes, Susana Melendo, Marcello Lanari, Luca Pierantoni, Noémie Wagner, Arnaud G L’Huillier, Prof Ulrich Heininger, Nicole Ritz, Srini Bandi, Nina Krajcar, Srđan Roglić, Mar Santos, Christelle Christiaens, Marine Creuven, Danilo Buonsenso, Steven B Welch, Matthias Bogyi, Folke Brinkmann, Marc Tebruegge – 10.1016/S2352-4642(20)30177-2

 

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.