Treinamento da musculatura para recuperar a continência urinária

O treinamento da musculatura do assoalho pélvico (PFMT) e o uso de duloxetina (Cymbalta) podem não ser as melhores opções para recuperar a continência urinária após a prostatectomia radical robótica assistida, de acordo com o estudo randomizado IMPROVE.

Dos pacientes que não receberam nenhum tratamento, 53% recuperaram a continência urinária 6 meses após a cirurgia, em comparação com 35% dos pacientes no braço PFMT e 39% dos pacientes no braço da duloxetina.

Um quarto braço combinando PFMT e duloxetina teve resultados ainda mais pobres, com apenas 27% desses pacientes atingindo continência urinária em 6 meses, relatou Rafael Sanchez-Salas, MD, da McGill University em Montreal, durante uma sessão de resumo de última hora na reunião virtual da American Urological Association.

Entre os pacientes que recuperaram a continência urinária, não houve diferença no tempo de recuperação entre os quatro braços, acrescentou.

Digno de nota, a preservação do feixe neurovascular foi o único fator associado à recuperação da continência urinária no estudo, disse ele.

“A maioria das pessoas fala sobre como a prostatectomia robótica poupadora de nervos pode ajudar a preservar a função sexual”, disse ao MedPage Today Ash Tewari, MD, da Icahn School of Medicine no Mount Sinai na cidade de Nova York. “A descoberta importante deste estudo é que ele também é importante para melhorar os resultados da continência urinária.”

“Tanto o treinamento dos músculos do assoalho pélvico quanto a duloxetina mostraram benefícios na melhora da incontinência urinária pós-prostatectomia radical, mas isso é principalmente o resultado de séries retrospectivas”, observou Sanchez-Salas. O objetivo aqui foi avaliar a eficácia do PFMT e da duloxetina na recuperação da continência após a prostatectomia radical assistida por robô em um estudo prospectivo randomizado controlado.

Detalhes do estudo

De 2015 a 2018, o estudo IMPROVE avaliou 240 pacientes com câncer de próstata confinado ao órgão que tiveram incontinência urinária após a cirurgia. Eles foram randomizados para quatro braços de 60 pacientes cada: um sem tratamento (braço de controle), um com duloxetina sozinha (60 mg na hora de dormir à noite por 3 meses), um com PFMT sozinho (consistindo em contrações musculares pélvicas com biofeedback semanal por 3 meses), e um combinando PFMT com duloxetina.

O desfecho primário do estudo foram as taxas de continência em 6 meses, definidas como ausência de vazamento de urina durante 3 dias consecutivos no teste do absorvente de 24 horas. Os desfechos secundários incluíram sintomas urinários e qualidade de vida, conforme avaliado por uma escala visual analógica (VAS), o International Prostate Symptom Score (IPSS) e o King’s Health Questionnaire.

Dos pacientes do estudo, 89% completaram um ano de acompanhamento. Entre os pacientes nos braços da duloxetina, 58% haviam tomado o medicamento adequadamente, enquanto 38% dos pacientes nos braços PFMT realizaram pelo menos 10 semanas de treinamento.

Uma avaliação dos sintomas usando o IPSS mostrou que uma proporção maior de pacientes nos braços de tratamento tinha sintomas urinários moderados a graves: 30% no braço apenas com duloxetina, 27% no braço PFMT e 24% no braço combinado em comparação com 11 % no braço de controle.

Quanto à qualidade de vida avaliada com o VAS, 17% dos pacientes no grupo de controle relataram estar desconfortáveis ​​ou pior em comparação com 45%, 44% e 38% dos pacientes nos braços duloxetina, PFMT e combinados, respectivamente.

“Com base em nossos resultados, não recomendamos a indicação rotineira dessas intervenções para pacientes após prostatectomia radical robótica”, concluiu Sanchez-Salas. “A preservação do feixe neurovascular foi o único fator associado à recuperação da continência, e voltamos à ideia da importância de uma intervenção cirúrgica limpa e precisa para melhorar os resultados funcionais”.

______________________________

O estudo original foi publicado na American Urological Association

“The IMPROVE trial: surgical technique remains the most important factor associated with recovery of urinary continence after radical prostatectomy” – 2021

Autores do estudo: Sanchez-Salas R, et al – Estudo