Pacientes recuperados de COVID-19 podem desenvolver TEPT

Em um estudo italiano de centro único, cerca de 30% dos pacientes que se recuperaram do COVID-19 desenvolveram transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), descobriram os pesquisadores.

Entre os 381 pacientes acompanhados, aqueles que desenvolveram TEPT eram mais propensos a serem mulheres (55,7%), tinham maiores taxas de história de transtorno psiquiátrico (34,8%) e eram mais propensos a ter delirium ou agitação durante sua doença aguda (16,5%), de acordo com Delfina Janiri, MD, do Hospital Universitário Gemelli em Roma, e colegas em um relato através de uma carta de pesquisa ao JAMA Psychiatry.

Eles também apresentaram sintomas médicos mais persistentes após a doença inicial (62,6%), descobriram os pesquisadores.

“Mais estudos longitudinais são necessários para adaptar as intervenções terapêuticas e estratégias de prevenção”, escreveram eles, observando que sua descoberta de 30,2% é consistente com as taxas observadas para outros coronavírus SARS e MERS.

Características do estudo

Janiri e seus colegas inscreveram participantes que se apresentaram ao departamento de emergência para COVID-19 e que tiveram um exame de saúde pós-recuperação, entre abril e outubro de 2020. Os pacientes receberam avaliações médicas e psiquiátricas. O TEPT foi diagnosticado usando a escala padrão ouro CAP-5.

A média de idade da amostra foi de 55 anos, todos os pacientes eram brancos e a maioria havia sido internado durante a doença (81,1%), com tempo médio de internação de 18,41 dias.

Além do TEPT, os pesquisadores também descobriram que 17,3% tinham episódios depressivos e 7% tinham transtorno de ansiedade generalizada.

As análises de regressão descobriram que os fatores de risco incluíam sexo, delírio/agitação e sintomas médicos persistentes.

Fatores sem impacto significativo sobre o TEPT incluíram hospitalização, tempo de internação hospitalar, admissão na UTI, uso de oxigênio e ventilação não invasiva ou mecânica, relataram.

De acordo com um estudo anterior no Lancet Respiratory Medicine, mais de 50% dos pacientes com COVID-19 admitidos em uma UTI experimentaram delirium – um fenômeno comum para todos os pacientes de terapia intensiva.

Megan Hosey, PhD, psicóloga de reabilitação da Johns Hopkins, que não estava envolvida na pesquisa, observou que o delírio na UTI pode surgir quando você sente falta de controle sobre o corpo e fica desorientado pelo ambiente. Essa sensação só se intensifica quando os pacientes estão recebendo vários medicamentos e só podem entrar em contato com um punhado de funcionários do hospital com EPI, disse Hosey.

“Muitos pacientes têm alucinações onde acreditam que os provedores médicos estão tentando prejudicá-los”, disse Hosey ao MedPage Today. “Tivemos pacientes que nos disseram coisas como ‘Pensei que estava sendo enterrado vivo’ quando foram submetidos a uma ressonância magnética.”

Para pacientes que experimentaram dificuldade respiratória extrema, acrescentou Hosey, a sensação persistente de falta de ar – mesmo se os pulmões do paciente estiverem totalmente recuperados – pode ser um gatilho para os sintomas de TEPT.

Jim Jackson, PsyD, diretor assistente do Centro de Recuperação da UTI no Vanderbilt University Medical Center em Nashville, advertiu que um problema com TEPT pós-COVID é que os sobreviventes podem não perceber que o têm.

“Parte do desafio que vemos com os sobreviventes de COVID é que alguma porcentagem deles tem TEPT significativo, mas eles realmente nem sabem disso”, disse Jackson, explicando que isso pode ser em parte devido às associações comuns entre TEPT e violência sofrida em combate ou agressão sexual.

“Eles sabem que algo está errado, mas eles acham que não tiveram exposições associadas ao TEPT, então acham que não deve ser isso que eles têm”, disse ele.

Jackson disse que a boa notícia para os sobreviventes, no entanto, é que o TEPT pode responder bem ao tratamento. Além dos grupos de apoio – que ele lidera regularmente para pacientes que passaram muito tempo na UTI – ele disse que mais terapias ganharam validação científica, incluindo terapia de processamento cognitivo, dessensibilização e reprocessamento do movimento ocular e terapia de exposição prolongada.

O maior problema daqui para frente, na visão de Jackson, será descobrir como conectar o número crescente de sobreviventes do COVID-19 a profissionais de saúde mental que são qualificados no tratamento de TEPT.

“Se um terço dos sobreviventes do COVID tem TEPT”, disse ele, “essa demanda supera totalmente a oferta que temos.”

__________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Psychiatry

* “Posttraumatic Stress Disorder in Patients After Severe COVID-19 Infection” – 2021

Autores do estudo: Delfina Janiri, MD, Angelo Carfì, MD, Georgios D. Kotzalidis, MD, PhD, Roberto Bernabei, MD, Francesco Landi, MD, PhD, Gabriele Sani, MD – 10.1001/jamapsychiatry.2021.0109

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.