COVID-19: Pacientes com hiperglicemia têm resultados piores

Pessoas com hiperglicemia se saíram muito pior quando hospitalizadas com COVID-19, descobriram pesquisadores de um estudo.

De 708 pacientes predominantemente negros em um único centro na cidade de Nova York, aqueles que tinham hiperglicemia – com ou sem um diagnóstico prévio de diabetes – que foram internados com COVID-19 tiveram taxas de mortalidade e intubação mais altas, Samara Skwiersky, MD, MPH, do SUNY Downstate Medical Center em Brooklyn, Nova York, relatou na reunião virtual ENDO 2021 da Endocrine Society.

Os pacientes com diagnóstico prévio de diabetes e glicose na admissão acima de 140 mg/dL tiveram chances 2,4 vezes maiores de intubação (OR 2,4, IC de 95% 1,3-4,6) e admissão na unidade de terapia intensiva (UTI) (OR 2,4, 95 % CI 1,2-4,6).

Mas os pacientes com diabetes que tinham uma glicose de admissão ainda maior (ou seja, acima de 180 mg/dL) tiveram uma chance 1,8 vezes maior de mortalidade (OR 1,8, IC de 95% 1,2-2,9), após ajuste para idade, sexo, leucócitos contagem de células, creatinina, hipertensão, doença cardiovascular, doença renal crônica e índice de massa corporal (IMC).

Por outro lado, os pacientes ainda não diagnosticados com diabetes na admissão e com glicose no sangue acima de 140 mg/dL tiveram alguns dos piores desfechos COVID-19 em toda a linha, com taxas de mortalidade significativamente mais altas (OR 2,0, IC 95% 1,2 -3,5), intubação (OR 2,3, IC 95% 1,3-4,2), admissão na UTI (OR 3,5, IC 95% 1,8-6,6) e lesão renal aguda (OR 2,3, IC 95% 1,3-4,2).

Pacientes não diabéticos que foram admitidos com glicose no sangue acima de 180 mg/dL tiveram a maior chance de mortalidade relacionada ao COVID, com uma chance quatro vezes maior de morte (OR 4,0, IC 95% 1,8-8,8). Esses pacientes também tiveram 2,7 e 2,9 vezes mais chance de intubação e admissão na UTI, respectivamente.

“Apesar dos nossos resultados, ainda não está claro se a hiperglicemia é o resultado – ou a causa – da doença COVID-19 mais grave”, explicou Skwiersky durante uma entrevista coletiva.

“Esses resultados levantam a hipótese testável de que o controle intensivo da glicose com monitoramento mais frequente e tratamento com insulina para uma meta de glicose inferior a 140 pode melhorar os resultados em pacientes hospitalizados com COVID-19”, acrescentou ela.

Características do estudo

O estudo de coorte retrospectivo incluiu pacientes internados no SUNY Downstate Medical Center entre 1 de março e 15 de maio de 2020 – ou seja, durante os primeiros meses da pandemia de COVID-19.

“SUNY Downstate, que foi designado como um centro exclusivo da COVID pelo governador Andrew Cuomo no início da pandemia, está localizado em East Flatbush, Brooklyn – um bairro em que 89% de sua população são negros não hispânicos”, Skwiersky explicou.

Um total de 383 pacientes já foram diagnosticados com diabetes antes da admissão, definida como uma HbA1c de 6,5% ou superior nos 6 meses anteriores. Entre esses pacientes, 71% tinham uma glicemia acima de 140 mg/dL na admissão e 57% tinham uma leitura acima de 180 mg/dL.

Outros 325 pacientes sem diagnóstico de diabetes também foram incluídos no estudo, 32% com glicemia acima de 140 mg/dL e 13% acima de 180 mg/dL.

Do total da coorte, a idade média era de 68 anos, com IMC médio de 29. A coorte foi dividida igualmente entre homens e mulheres, e 89% eram negros não hispânicos.

Na admissão, 82% do total da coorte apresentava hipertensão, 18% doença renal crônica e 38% obesidade.

Skwiersky destacou que um aspecto importante a ser observado sobre o estudo é que a maioria da população de pacientes não tinha uma leitura de HbA1c disponível nos 6 meses anteriores à admissão hospitalar, o que significa que a população “sem diabetes” poderia realmente incluir muitos latentes ou casos não diagnosticados.

Isso pode ser representativo de comunidades minoritárias carentes, que não têm acesso a cuidados de saúde regulares e já estão em maior risco de COVID-19 mais grave e complicações relacionadas, disse ela.

_______________________

O estudo original foi publicado no The Endocrine Society

* “Sugar is not always sweet: exploring the relationship between hyperglycemia and COVID-19 in a predominantly African American population” – 2021

Autores do estudo: Samara Skwiersky, MD, MPH, Sabrina Rosengarten, MPH, Megan Chang, BS, Alastair Thomson, MD, Talia
Meisel, BS, Francesca Macaluso, BS, Brandon Da Silva, BS, Alvin Oommen, BS, Mary Ann Banerji, MD – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.