COVID-19: Diagnóstico neurológico é mais frequente em sobreviventes

Um terço dos sobreviventes do COVID-19 receberam um diagnóstico neurológico ou psiquiátrico dentro de 6 meses após serem infectados com SARS-CoV-2, uma análise de 236.000 registros eletrônicos de saúde mostrou.

A incidência de qualquer diagnóstico de distúrbio neurológico ou psiquiátrico foi de 33,62%, de acordo com Paul Harrison, FRCPsych, da University of Oxford, na Inglaterra, e coautores.

Cerca de um em cada oito nunca recebeu um diagnóstico neuropsiquiátrico antes da infecção por SARS-CoV-2, relataram os pesquisadores no The Lancet Psychiatry.

Ansiedade (17%) e transtornos de humor (14%) foram os mais comuns. Os diagnósticos neurológicos, como acidente vascular cerebral e demência, eram mais raros e mais prováveis ​​de ocorrer em pessoas que estavam gravemente doentes com COVID-19: 7% dos pacientes admitidos na terapia intensiva tiveram um acidente vascular cerebral e quase 2% foram diagnosticados com demência.

“Muitos diagnósticos neurológicos foram mais comuns após COVID-19 do que depois de outras infecções ou eventos de saúde que ocorreram durante o mesmo período de tempo”, disse Harrison ao MedPage Today. “Esta é a primeira vez que existem bons dados para mostrar isso.”

“Isso foi particularmente verdadeiro para os pacientes com COVID que necessitaram de internação em cuidados intensivos ou que tiveram encefalite como parte de sua doença”, acrescentou. Embora os diagnósticos psiquiátricos como ansiedade e depressão fossem comuns após o COVID-19, “eles não estavam fortemente relacionados à gravidade da doença”, observou ele.

As descobertas sugerem que haverá um aumento da demanda por neurologia, psiquiatria e serviços de atenção primária, disse ele.

Detalhes dos estudos

A análise foi baseada em registros eletrônicos de saúde de 236.379 pacientes com mais de 10 anos na rede TriNetX, principalmente pessoas nos EUA que foram infectadas após 20 de janeiro de 2020 e estavam vivas em 13 de dezembro. A idade média dos pacientes era 46, e 56% eram mulheres.

Quase um terço (30%) tinha doença hipertensiva, 9% tinha doença isquêmica do coração, 18% tinha outras formas de doença cardíaca, 18% tinha sobrepeso ou obesidade, 16% tinha diabetes tipo 2, 10% tinha asma, 7% tinha doença renal crônica e 19% tinham neoplasias.

Os grupos de controle combinados incluíram 105.579 pacientes com diagnóstico de influenza e 236.038 pacientes com diagnóstico de qualquer infecção do trato respiratório (incluindo influenza) durante o mesmo período.

Os pesquisadores analisaram 14 resultados: hemorragia intracraniana, acidente vascular cerebral isquêmico, parkinsonismo, a síndrome de Guillain-Barré, nervos, raízes nervosas e distúrbios do plexo, junção mioneural e doença muscular, encefalite, demência, transtornos psicóticos, de humor e de ansiedade (agrupados e separadamente), uso indevido de substância e insônia.

Para resultados que eram doenças crônicas como demência ou doença de Parkinson, a equipe de pesquisa excluiu pacientes que tinham um diagnóstico antes do evento índice.

Para resultados que tendem a recorrer (incluindo AVC isquêmico e diagnósticos psiquiátricos), eles estimaram separadamente a incidência do primeiro diagnóstico e a incidência de qualquer diagnóstico (ou seja, incluindo pacientes que tiveram um diagnóstico em algum ponto antes do evento índice).

A maioria dos distúrbios neurológicos ou psiquiátricos foram mais comuns em pacientes com COVID-19 do que em pacientes com influenza ou infecções do trato respiratório. As análises de sensibilidade comparando esses resultados com as taxas de sequelas para pacientes com influenza em 2019 e 2018 corroboram os achados.

As incidências estimadas em toda a coorte COVID-19 foram de 0,56% para hemorragia intracraniana, 2,10% para acidente vascular cerebral isquêmico, 0,11% para parkinsonismo, 0,67% para demência, 17,39% para transtorno de ansiedade e 1,40% para transtorno psicótico, entre outros.

Para pacientes internados em terapia intensiva, a incidência estimada de qualquer diagnóstico neurológico ou psiquiátrico foi de 46,42%, e para o primeiro diagnóstico foi de 25,79%. Para pacientes de UTI, as incidências estimadas foram 2,66% para hemorragia intracraniana, 6,92% para acidente vascular cerebral isquêmico, 0,26% para parkinsonismo, 1,74% para demência, 19,15% para transtorno de ansiedade e 2,77% para transtorno psicótico.

Em comparação com pacientes não hospitalizados, os pacientes com COVID-19 hospitalizados geralmente tinham HRs maiores que 2 para distúrbios neurológicos como acidente vascular cerebral, parkinsonismo, síndrome de Guillain-Barré, doença neuromuscular ou muscular, encefalite e demência. Razões um pouco menores surgiram para diagnósticos psiquiátricos, incluindo transtorno de humor incidente (HR 1,53), transtorno de ansiedade (HR 1,49), transtorno por uso de substâncias (HR 1,68) e insônia (HR 1,49).

“Isso sugere que, embora quase todos os desfechos neurológicos e psiquiátricos fossem mais frequentes em pacientes com COVID-19 mais grave do que naqueles com doença leve, esses transtornos psiquiátricos podem ser mais motivados por efeitos gerais, incluindo aspectos psicossociais da infecção, em vez de um efeito direto do COVID-19 no cérebro”, observou Jonathan Rogers, MRCPsych e Anthony David, MD, ambos da University College London, na Inglaterra, em um editorial anexo.

O estudo “nos aponta para o futuro, tanto em seus métodos quanto em suas implicações”, acrescentam os editorialistas. “Os pesquisadores precisam ser capazes de observar e antecipar os resultados neurológicos e psiquiátricos de futuras ameaças emergentes à saúde por meio do uso de dados clínicos internacionais maciços do mundo real. Infelizmente, muitos dos distúrbios identificados neste estudo tendem a ser crônicos ou recorrentes, portanto, podemos antecipar que o impacto do COVID-19 poderá permanecer conosco por muitos anos.”

A análise teve várias limitações, Harrison e coautores disseram. A integridade e a precisão dos registros eletrônicos de saúde eram desconhecidas. Muitas pessoas com COVID-19 apresentam sintomas leves ou nenhum sintoma não procuram atendimento, e o estudo provavelmente reflete as pessoas mais gravemente afetadas pelo vírus. A gravidade e o curso dos distúrbios neurológicos e psiquiátricos também eram desconhecidos.

___________________________

O estudo original foi publicado no Lancet Psychiatry

* “6-month neurological and psychiatric outcomes in 236 379 survivors of COVID-19: a retrospective cohort study using electronic health records” – 2021

Autores do estudo: Maxime Taquet, PhD, Prof John R Geddes, MD, Prof Masud Husain, FRCP, Sierra Luciano, BA, Prof Paul J Harrison, FRCPsych – 10.1016/S2215-0366(21)00084-5

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.