Cientistas usam células ‘imunes’ para combater doenças infecciosas!

A engenharia de receptores específicos de direcionamento de vírus nas células imunológicas de um paciente está sendo explorada por cientistas da Faculdade de medicina em Singapura (Duke-NUS Medical School – Duke-NUS), como uma terapia potencial para combater doenças infecciosas, incluindo o vírus causador da COVID-19, SARS-CoV-2.

Essa terapia que revolucionou o tratamento de pacientes com câncer também foi utilizada no tratamento de outras doenças infecciosas, como o vírus da hepatite B (VHB).

Combater doenças infecciosas

Essa terapia envolve a extração de células imunes, chamadas linfócitos T, da corrente sanguínea de um paciente e a engenharia de um dos dois tipos de receptores para eles: receptores quiméricos de antígeno (CAR) ou receptores de células T (TCR). Os TCRs são naturalmente encontrados nas superfícies dos linfócitos T, enquanto os CARs são receptores artificiais de células T gerados em laboratório. Esses receptores permitem que os linfócitos T manipulados reconheçam células cancerígenas ou infectadas por vírus.

“Esta terapia é classicamente usada no tratamento do câncer, onde os linfócitos dos pacientes são redirecionados para encontrar e matar as células cancerígenas. No entanto, seu potencial contra doenças infecciosas e vírus específicos não foi explorado. Argumentamos que algumas infecções, como o HIV e VHB, podem ser um alvo perfeito para essa terapia, especialmente se os linfócitos forem projetados usando uma abordagem que os mantenha ativos por um período limitado de tempo para minimizar os possíveis efeitos colaterais”, disse o Dr. Anthony Tanoto Tan, pesquisador sênior da Duke-NUS e o principal autor deste comentário.

Esse tipo de imunoterapia requer pessoal e equipamento especializados e precisa ser administrado indefinidamente. Isso torna proibitivo o custo para o tratamento da maioria dos tipos de infecções virais. No entanto, no caso de infecções por VHB, por exemplo, os tratamentos antivirais atuais apenas suprimem a replicação viral e curam menos de 5% dos pacientes. Tratar esses pacientes com uma combinação de anti-virais e células T CAR / TCR pode ser uma opção viável.

A abordagem da equipe usando a eletroporação de mRNA para projetar células T CAR / TCR limita sua atividade funcional a um curto período de tempo e, portanto, fornece recursos de segurança aprimorados adequados para sua implantação em pacientes com doenças virais crônicas.

Combater doenças infecciosas - Coronavírus“Demonstramos que as células T podem ser redirecionadas para atingir o coronavírus responsável pela SARS. Nossa equipe agora começou a explorar o potencial da imunoterapia com células T CAR / TCR para controlar o vírus causador do COVID-19, SARS-CoV-2, e proteger pacientes por seus efeitos sintomáticos”, disse o professor Antonio Bertoletti, do programa EID da Duke-NUS, co-autor desse comentário.

“As doenças infecciosas continuam sendo uma das principais causas de morbimortalidade em todo o mundo, necessitando do desenvolvimento de terapias novas e inovadoras. Embora a imunoterapia seja mais comumente associada ao tratamento de câncer ou doenças inflamatórias como a artrite, esse comentário acentua o papel em evolução desse tratamento especializado. estratégia para várias doenças infecciosas”, disse o professor Patrick Casey, vice-reitor sênior de pesquisa da Duke-NUS.

 

__________________________

Todo o estudo foi discutido pelos pesquisadores em um comentário publicado no Journal of Experimental Medicine.

* “Challenges of CAR- and TCR-T cell–based therapy for chronic infections” – 2020.

Autores do comentário: Antonio Bertoletti, Anthony Tanoto Tan – 10.1084/jem.20191663

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.