Porcos ajudam os cientistas a entender o cérebro humano!

Pela primeira vez, pesquisadores do Centro de Biociência Regenerativa da Universidade da Geórgia usaram um método de imagem normalmente reservado para humanos para analisar a atividade cerebral em modelos de suínos vivos e descobriram que os cérebros de porcos são bastante semelhante ao cérebro humano e plataformas ainda melhores do que se pensava no estudo, de condições neurológicas humanas, tais como Alzheimer e Parkinson.

Informações que serão úteis para o cérebro humano

Uma aplicação potencial imediata está no estudo e diagnóstico de CTE, uma doença cerebral progressiva causada por uma série de trauma contuso geralmente visto em veteranos militares e jogadores de futebol americano da NFL. Atualmente, o CTE só pode ser diagnosticado por meio de uma autópsia.

O novo estudo sugere fortemente que um modelo translacional de suínos para mapear a conectividade funcional do cérebro é uma abordagem promissora para determinar biomarcadores ou assinaturas cerebrais que levam a CET. Usando este tipo de dados, os médicos teriam a oportunidade de diagnosticar CTE enquanto um veterano ou atleta ainda estivesse vivo.

Usando imagens de ressonância magnética funcional em estado de repouso (rs-fMRI), os pesquisadores demonstraram conectividade funcional em regiões sensório-motoras do cérebro de suínos paralelas à do cérebro humano. Essas regiões incluem aquelas onde todas as nossas percepções, sentimentos, movimentos e memórias são codificados. As semelhanças dessas redes funcionais, conforme publicado na revista Brain Connectivity, definiram o cenário para aplicações clínicas direcionadas no tratamento e prevenção de distúrbios neurológicos.

“A maioria dos modelos atuais lida com comparações estruturais, nosso modelo vai além da massa cerebral e nos permite abordar questões relacionadas à conectividade cerebral e à função da memória. Sem um mapa funcional do cérebro, é difícil dizer que partes do cérebro estão conversando entre si”, disse o Dr Franklin West, autor do estudo.

Pesquisas anteriores mostraram que a forma e a localização exata das regiões do cérebro interagem fortemente com a modelagem da conectividade cerebral. Durante anos, os pesquisadores postularam que a forma e o tamanho de um cérebro de porco têm semelhanças fisiológicas e anatômicas com o cérebro humano e, portanto, os suínos são considerados um bom modelo animal para doenças neurológicas. No entanto, de acordo com a equipe do RBC, os cientistas ainda não desenvolveram um modelo único que capte a conectividade funcional ou detalha o diagrama de fiação do cérebro.

A neuroimagem normalmente ajuda os pesquisadores a identificar quais regiões do cérebro são ativadas quando uma pessoa realiza uma tarefa; como a simples tarefa de ligar um carro. Para ligar o seu carro, você primeiro tem que olhar, depois encontrar onde inserir a chave, enquanto o seu cérebro recebe dicas visuais e estimula diferentes partes do seu braço para completar a ação. Cada parte do seu braço ativa uma parte diferente do cérebro no ato de inserir a chave. Se houver alguma interrupção nas conexões, essas funções não acontecem.

Porcos ajudam os cientistas a entender o cérebro humano

Essas conexões interrompidas desempenham um papel em distúrbios neurológicos, como a doença de Alzheimer, doença de Parkinson, encefalopatia traumática crônica (CTE) e autismo. Com qualquer um desses distúrbios, os colaboradores do RBC podem agora modelar uma visão de 360 ​​graus de quais partes do cérebro não estão mais conversando entre si e quais centros do cérebro estão sendo reativados e reconectados.

Com base nos resultados deste estudo será possível mapear cada região do cérebro humano e avançar e áreas até então desconhecidas da ciência. A pesquisa é tão importante que está sendo comparado ao mapeamento genético do DNA.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.