Babydrax


Babydrax – Bula do remédio

Babydrax com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Babydrax têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Babydrax devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Laboratório

União Química

Apresentação de Babydrax

Pó para solução oral: caixa com 4 e 50 envelopes de 27,9 g.

Babydrax – Indicações

Para reposição de perdas acumuladas de água e eletrólitos (reidratação) ou para manutenção da hidratação. Em caso de doença diarréica aguda.

A solução deve ser oferecida em pequenas quantidades com grande frequência ao paciente, permitindo que o volume e a velocidade de ingestão sejam determinados pela aceitação.

A solução deve ser administrada exclusivamente por via oral, através de colher, copo ou mamadeira, dependendo da idade do paciente.

Durante a fase de hidratação e manutenção da hidratação, a solução deve ser oferecida com frequência ao paciente, alternadamente com alimentos leves como cereais, banana, legumes cozidos, batata, ervilha, feijão e outros alimentos ricos em carboidratos e sem lactose. A administração da solução pode ser feita adicionalmente a cada evacuação líquida.

Se estiver amamentando a criança, continue oferecendo o seio para mamar, nos intervalos da administração da solução.

Contra-indicações de Babydrax

O produto não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula, obstrução gastrintestinal, insuficiência renal manifestado por anúria ou oligonúria, íleo paralítico, diarreia grave, desidratação grave com sintomas de choque que requeiram reidratação parenteral e vômito incoercível.

Advertências

Atenção diabéticos: contém açúcar.

Deve-se seguir com atenção as instruções de preparo da solução. Quando o preparo é incorreto, com menos água do que o recomendado, pode causar ao paciente consequências devidas à superdosagem.

A solução após preparada não deve ser administrada com qualquer solução contendo eletrólito.

A rápida administração de grandes quantidades de soro pode ocasionar vômito.

Soluções contendo potássio podem ser perigosas se a função renal estiver prejudicada. Havendo diurese adequada, os rins corrigem eventuais desvios nos teores de eletrólitos.

Sal ou açúcar não devem ser adicionados à solução preparada.

O teor de glicose no medicamento deve ser considerado no tratamento de diabéticos.

A administração de soluções eletrolíticas glicosadas orais a pacientes com má absorção de glicose pode agravar a diarreia.

Não há necessidade de precauções específicas na gravidez, lactação e no uso em crianças e idosos.

Interações medicamentosas de Babydrax

A solução pronta não interagem com alimentos. As desidratações, especialmente quando seguidas de desvios do equilíbrio ácido-base, podem alterar as ações farmacológicas de alguns medicamentos.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Babydrax

Raramente foram observadas reações adversas com ingestão das doses recomendadas. Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, como: vertigem, palpitação, elevação da pressão sanguínea, irritabilidade, espasmo muscular, insônia, convulsão, inchaço nas pernas e fraqueza. Estas reações são muito raras em pacientes com função renal normal.

Babydrax – Posologia

Dissolver o conteúdo do envelope em 1 litro de água filtrada, ou água fervida e esfriada.

A solução pronta após dissolução do pó pode ser usada por 24 horas, tomando-se o cuidado de mantê-la em condição de higiene adequada, em temperatura ambiente. Após este período, inutilizar o restante da solução. A solução pronta após dissolução do pó não deve ser fervida.

O volume da solução a ser administrado, para obter-se uma reidratação adequada, varia de acordo com o peso do paciente e a gravidade da diarreia, mas como regra geral recomenda-se 100 a 150 ml/kg de peso corporal, administrados em aproximadamente 6 horas.

Na fase seguinte, de manutenção, os volumes podem ser menores e alternados com outros líquidos (leite, suco, chás, sopas, etc). A frequência das micções e demais sinais clínicos orientam quanto aos volumes necessários.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

A diarreia e a desidratação podem ser evitadas com os seguintes cuidados:

-Se a criança estiver no período de aleitamento, lave bem as mãos e os seios antes de amamentar;

-Lave bem as mãos e os utensílios antes de preparar a comida;

-Toda a louça onde a criança come deve ser limpa. Mantenha os alimentos protegidos do calor e cobertos para evitar moscas e pó;

-Na ausência de água tratada, utilize sempre água fervida no preparo dos alimentos.

-Em dias de calor, vista a criança com roupas leves e ofereça líquidos à vontade.

-O leite materno é o melhor alimento para crianças pequenas e ajuda evitar a diarreia e desidratação.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Superdosagem

Sintomas: edema, inchaço das pálpebras, hipertermia, sede, oligúria, hipernatremia (vertigem, palpitação, elevação da pressão sanguínea, irritabilidade, espasmo muscular, insônia, convulsão, inchaço nas pernas e fraqueza), além dos sintomas neurológicos como irritabilidade, hiperreflexia, rigidez da nuca, depressão da consciência e convulsões. Também pode conduzir a hipercalemias (hiperpotassemia) com fraqueza, paralisias musculares, falência circulatória, arritmias e parada cardíaca.

Tratamento: ocorrendo superdosagem, o tratamento dependerá da gravidade do caso. A correção dos desvios deve ser monitorizada por exames de laboratório e requer uso de soluções adequadas a cada caso por via endovenosa. Após dosagem dos eletrólitos, os níveis normais devem ser corrigidos com a solução hidroeletrolítica balanceada, com o auxílio de solução diluída de glicose. Na insuficiência renal os eletrólitos são facilmente dialisáveis. Convulsões necessitam de medicação anticonvulsivante por via endovenosa.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Devem seguir as mesmas orientações para uso em adultos, exceto em caso de insuficiência renal ou caso apresentem uma das contraindicações descritas.


SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR. NÃO DESAPARECENDO OS

SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

Dizeres legais

Registro MS ? 1.0497.0239.

Farm. Resp.: Dr. Ishii Massayuki

CRF-SP n° 4863

Mai/05

UNIÃO QUÍMICA FARMACÊUTICA NACIONAL S/A.

Rua Cel. Luiz Tenório de Brito, 90 Embu-Guaçu – SP B2

CEP 06900-000 SAC 0800 11 1559

EE021286

CNPJ 60.665.981/0001-18

Indústria Brasileira

Babydrax – Bula para o Paciente

AÇÃO ESPERADA DO MEDICAMENTO:

Babydrax está indicado para reidratação oral e manutenção da hidratação.

CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO:

Conserve o produto na embalagem original, em temperatura ambiente (15 a 30oC) e protegido da umidade.

As soluções preparadas devem ser conservadas em temperatura ambiente e consumidas dentro de 24 horas.

PRAZO DE VALIDADE:

24 meses a partir da data de fabricação (vide cartucho). Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

GRAVIDEZ E LACTAÇÃO:

Não há relatos de problemas com o uso de soluções para hidratação oral na gravidez ou durante a amamentação. Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe seu médico se está amamentando.

CUIDADOS DE ADMINISTRAÇÃO:

Durante a fase de hidratação e manutenção da hidratação, a solução deve ser oferecida com frequência ao paciente, alternadamente com alimentos leves como cereais, banana, legumes cozidos, batata, ervilha, feijão e outros alimentos ricos em carboidratos e sem lactose. A administração da solução pode ser feita adicionalmente a cada evacuação líquida.

Se estiver amamentando a criança, continue oferecendo o seio para mamar, nos intervalos da administração da solução.

Deve-se administrar a solução em pequenas quantidades, lentamente e frequentemente, com o auxílio de uma colher, no caso de crianças.

CONTRAINDICAÇÕES:

O produto não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula, obstrução gastrintestinal, insuficiência renal manifestado por anúria ou oligonúria, íleo paralítico, diarreia grave, desidratação grave com sintomas de choque que requeiram reidratação parenteral e vômito incoercível.

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIA:

Atenção diabéticos: contém açúcar.

Deve-se seguir com atenção as instruções de preparo da solução. Quando o preparo é incorreto, com menos água do que o recomendado, pode causar ao paciente consequências devidas à superdosagem.

A solução após preparada não deve ser administrada com qualquer solução contendo eletrólito.

A rápida administração de grandes quantidades de soro pode ocasionar vômito.

Soluções contendo potássio podem ser perigosas se a função renal estiver prejudicada. Havendo diurese adequada, os rins corrigem eventuais desvios nos teores de eletrólitos.

Sal ou açúcar não devem ser adicionados à solução preparada.

O teor de glicose no medicamento deve ser considerado no tratamento de diabéticos.

A administração de soluções eletrolíticas glicosadas orais a pacientes com má absorção de glicose pode agravar a diarreia.

Não há necessidade de precauções específicas na gravidez, lactação e no uso em crianças e idosos.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS:

A solução pronta não interagem com alimentos. As desidratações, especialmente quando seguidas de desvios do equilíbrio ácido-base, podem alterar as ações farmacológicas de alguns medicamentos.

INTERFERÊNCIA EM EXAMES LABORATORIAIS:

Os componentes da solução não interferem em exames laboratoriais.

REAÇÕES ADVERSAS/COLATERAIS:

Raramente foram observadas reações adversas com ingestão das doses recomendadas. Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, como: vertigem, palpitação, elevação da pressão sanguínea, irritabilidade, espasmo muscular, insônia, convulsão, inchaço nas pernas e fraqueza. Estas reações são muito raras em pacientes com função renal normal.

POSOLOGIA:

Dissolver o conteúdo do envelope em 1 litro de água filtrada, ou água fervida e esfriada.

A solução pronta após dissolução do pó pode ser usada por 24 horas, tomando-se o cuidado de mantê-la em condição de higiene adequada, em temperatura ambiente. Após este período, inutilizar o restante da solução. A solução pronta após dissolução do pó não deve ser fervida.

O volume da solução a ser administrado, para obter-se uma reidratação adequada, varia de acordo com o peso do paciente e a gravidade da diarreia, mas como regra geral recomenda-se 100 a 150 ml/kg de peso corporal, administrados em aproximadamente 6 horas.

Na fase seguinte, de manutenção, os volumes podem ser menores e alternados com outros líquidos (leite, suco, chás, sopas, etc). A frequência das micções e demais sinais clínicos orientam quanto aos volumes necessários.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

A diarreia e a desidratação podem ser evitadas com os seguintes cuidados:

-Se a criança estiver no período de aleitamento, lave bem as mãos e os seios antes de amamentar;

-Lave bem as mãos e os utensílios antes de preparar a comida;

-Toda a louça onde a criança come deve ser limpa. Mantenha os alimentos protegidos do calor e cobertos para evitar moscas e pó;

-Na ausência de água tratada, utilize sempre água fervida no preparo dos alimentos.

-Em dias de calor, vista a criança com roupas leves e ofereça líquidos à vontade.

-O leite materno é o melhor alimento para crianças pequenas e ajuda evitar a diarreia e desidratação.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

REAÇÕES ADVERSAS:

Raramente foram observadas reações adversas com ingestão das doses recomendadas.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

INGESTÃO CONCOMITANTE COM OUTRAS SUBSTÂNCIAS:

A ingestão concomitante com alimentos contendo eletrólitos ou líquidos como sucos de fruta ou alimentos com sal deve ser evitada, para prevenir a ingestão excessiva de eletrólitos e a diarreia osmótica.

CONTRAINDICAÇÕES E PRECAUÇÕES:

O produto não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula, obstrução gastrintestinal, insuficiência renal manifestado por anúria ou oligonúria, diarréia grave, desidratação grave com sintomas de choque e vômito incoercível. Deve ser usado com cautela em casos de pacientes com má absorção de glicose, pois poderá ocorrer agravamento da diarréia.

Atenção diabéticos: contém açúcar.

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

Data da bula

16/03/2018

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.