Cirurgia bariátrica pode reduzir o risco de ataque cardíaco

A cirurgia bariátrica reduziu o risco de um segundo ataque cardíaco ou outro evento cardiovascular importante (major cardiovascular event [MACE]) em pacientes com obesidade grave, relataram os autores de um estudo de coorte.

O estudo comparou 509 pacientes com infarto do miocárdio (IM) prévio que se submeteram à cirurgia bariátrica com controles pareados com IM anterior que não realizaram cirurgia.

Em uma mediana de 4,6 anos de acompanhamento, o grupo de cirurgia foi significativamente menos propenso a ter um segundo ataque cardíaco, disseram pesquisadores liderados por Erik Näslund, MD, PhD, do Karolinska Institutet em Estocolmo.

Escrevendo no jornal Circulation, Näslund e colegas também relataram que o grupo de cirurgia tinha um risco menor de qualquer MACE, mortalidade por todas as causas e novo início de insuficiência cardíaca (incidência cumulativa de 2% vs 5%, HR não calculado).

No entanto, não houve diferença significativa no risco de acidente vascular cerebral ou fibrilação atrial de início recente após a bariátrica.

“Apesar do efeito relativamente estabelecido da cirurgia metabólica como prevenção primária de DCV [doença cardiovascular], há dados mínimos disponíveis sobre o uso de cirurgia metabólica para prevenção secundária de DCV”, escreveram os autores do estudo. Se confirmado por um ensaio clínico randomizado, “pacientes gravemente obesos com infarto do miocárdio prévio podem ser submetidos a cirurgia metabólica como prevenção secundária”.

Os médicos relutam em usar a cirurgia bariátrica em pacientes pós-infarto do miocárdio por causa da preocupação de que os benefícios não superem o risco de complicações perioperatórias e efeitos colaterais de longo prazo, disse o grupo de Näslund.

Além disso, há o paradoxo da obesidade, que sugere um menor risco de mortalidade com um índice de massa corporal (IMC) mais alto em pacientes com DCV estabelecida, disseram eles.

“Essa incerteza, juntamente com o fato de que a perda de peso persistente é difícil de alcançar, resultou em menos foco no peso e na obesidade no tratamento pós-infarto do miocárdio”, disseram eles. “No entanto, a associação entre o IMC e o desfecho em pacientes com DCV parece ser em forma de U, com um risco maior naqueles com obesidade grave (IMC>35).”

Estudo

Näslund e colegas analisaram dados de pacientes com obesidade grave e um IM anterior em registros médicos nacionais, incluindo o Registro de Cirurgia de Obesidade Escandinava.

Dos 509 pacientes operados, 465 foram submetidos a bypass gástrico em Y de Roux e 44 foram submetidos à gastrectomia vertical. Eles foram pareados com pacientes que não fizeram a cirurgia em termos de sexo, idade, ano do IM e IMC.

No geral, os pacientes do estudo foram bem combinados, disseram os pesquisadores, exceto que no grupo de cirurgia houve proporções menores de pacientes com fração de ejeção do ventrículo esquerdo reduzida após IM (7% vs 12%), insuficiência cardíaca anterior (10% vs 19%), fibrilação atrial (6% vs 10%) e doença pulmonar obstrutiva crônica (4% vs 7%).

A mediana do IMC inicial para pacientes submetidos à cirurgia foi de 40. Dois anos após a cirurgia, a mediana do IMC foi de 28 e a perda de peso total foi de 29% do peso corporal. Os pacientes foram acompanhados por até 8 anos.

O desfecho primário foi qualquer MACE, incluindo um segundo infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e qualquer causa de morte, pois o banco de dados carecia de informações sobre causas específicas de morte.

Esses resultados também foram analisados ​​separadamente. Os desfechos secundários incluíram fibrilação atrial de início recente e insuficiência cardíaca.

Complicações pós-operatórias ocorreram em 42 pacientes cirúrgicos (8,4%), sendo 19 complicações classificadas como graves (3,8%). Essas taxas foram semelhantes às relatadas para pacientes com obesidade grave sem IM anterior, disseram os autores do estudo.

É improvável que a perda de peso por si só tenha sido o fator determinante na redução do risco de eventos cardiovasculares em pacientes submetidos à cirurgia, observaram os pesquisadores.

Uma grande proporção desses pacientes teve remissão clínica de diabetes tipo 2, hipertensão e dislipidemia. “Assim, sugerimos que o benefício observado da cirurgia metabólica em MACE é causado não apenas por uma perda de peso maior e mais sustentável, mas também por outros efeitos cardiometabólicos da cirurgia metabólica”, disseram eles.

Conclusão dos autores

As limitações do estudo, eles observaram, incluíam a falta de informações sobre o status socioeconômico, o que poderia ter afetado os resultados.

Além disso, como a maioria dos pacientes foi submetida a Roux-en-Y e apenas uma pequena proporção teve gastrectomia vertical, o estudo não conseguiu diferenciar entre esses procedimentos, disseram eles.

“Em conclusão, este estudo sugere que em pacientes gravemente obesos com um IM prévio, a cirurgia metabólica foi associada a um baixo risco de complicações graves e menor risco de MACE, morte, novo IM e novo início de insuficiência cardíaca em comparação com nenhuma cirurgia. Essas descobertas precisam ser confirmadas em um estudo randomizado e controlado”, disseram Näslund e colegas.

____________________________

O estudo original foi publicado no Circulation

* “Association of Metabolic Surgery With Major Adverse Cardiovascular Outcomes in Patients With Previous Myocardial Infarction and Severe Obesity: A Nationwide Cohort Study” – 2020

Autores do estudo: Erik Näslund, Erik Stenberg, Robin Hofmann, Johan Ottosson, Magnus Sundbom, Richard Marsk, Per Svensson, Karolina Szummer, Tomas Jernberg – 10.1161/CIRCULATIONAHA.120.048585

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.