Asma na infância pode ter relação com depressão durante a gravidez

Crianças cujas mães tiveram depressão e ansiedade durante a gravidez correram um risco maior de asma na infância, de acordo com um estudo de coorte prospectivo realizado na Holanda.

Mães que experimentaram estresse ou depressão durante a gravidez tiveram filhos com um risco aumentado de 46% -91% de asma posteriormente (intervalo OR 1,46 [IC 95% 1,12-1,90] a 1,91 [IC 95% 1,26-2,91]), relatou Liesbeth Duijts , MD, PhD, do Erasmus Medical Center em Rotterdam, e colegas.

O sofrimento psicológico geral durante a gravidez foi associado à função pulmonar mais baixa na prole, incluindo menor capacidade vital forçada (diferença do escore z -0,10 por aumento de 1 unidade, IC de 95% -0,20 a -0,01), escreveram os pesquisadores no Thorax.

Não foram observadas associações entre sofrimento psicológico paterno e risco de asma em crianças, sugerindo mecanismos que ocorrem no útero.

“Nossos resultados sugerem um possível efeito intrauterino do sofrimento psicológico materno durante a gravidez sobre o risco de asma e função pulmonar parcialmente inferior em crianças com a idade de 10 anos”, escreveram Duijts e co-autores.

O grupo sugeriu que a produção excessiva de hormônios glicocorticoides em mulheres grávidas com depressão ou ansiedade poderia impactar o desenvolvimento fetal do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e contribuir para problemas respiratórios.

“Os genes regulados por glicocorticoides são essenciais para o desenvolvimento do pulmão fetal, especialmente durante o primeiro e o segundo trimestres da gravidez”, escreveram os autores. “Qualquer interrupção neste processo pode levar a adaptações de desenvolvimento dos pulmões e, portanto, a função pulmonar alterada.”

Descobriu-se que o sofrimento psicológico materno estava anteriormente associado à sibilância e asma em crianças pré-escolares, sugerindo que os mecanismos intrauterinos poderiam desempenhar um papel no crescimento pulmonar e na asma. No entanto, os pesquisadores afirmaram que poucos estudos examinaram o risco de asma na infância.

Como o estudo foi conduzido

O grupo de Duijts usou dados do Generation R Study, uma coorte da Holanda que acompanha pacientes desde o início da vida fetal até a idade adulta.

Eles usaram o Brief Symptom Inventory, um questionário autorreferido que cobre sofrimento psicológico, para medir o sofrimento psíquico materno e paterno durante o segundo trimestre e 3 anos após a gravidez.

Além disso, o sofrimento materno foi avaliado durante o segundo e o sexto mês após a gravidez. A função pulmonar foi medida em crianças aos 10 anos por meio de um teste de espirometria, e a asma foi identificada por questionário.

Os pesquisadores também avaliaram o sofrimento psicológico paterno para eliminar quaisquer fatores de confusão ambientais, sociais ou comportamentais não medidos.

Além disso, eles ajustaram para fatores de confusão, incluindo dados demográficos maternos e paternos, bem como a criação de animais de estimação, a frequência à creche e a amamentação.

Havia 4.231 crianças no estudo. De todos os pais incluídos, cerca de 9% das mães e 4% dos pais relataram sofrimento psicológico. Mais de 200 crianças (5,9%) tinham asma.

Apenas os sintomas depressivos maternos durante a gravidez foram associados a um menor volume expiratório forçado em 1 segundo (-0,13, 95% CI -0,24 a -0,01) e menor capacidade vital forçada (-0,13, 95% CI -0,24 a -0,02) em seus crianças.

Os pesquisadores afirmaram que essas associações eram independentes do sofrimento psíquico paterno durante e após a gravidez, bem como do sofrimento psíquico materno após a gravidez. No entanto, as associações foram mais fortes para mães que experimentaram depressão e ansiedade durante e após a gravidez.

Conclusão dos autores

Duijts e colegas reconheceram que seu estudo estava sujeito a perda de seguimento, o que pode ter levado a um viés nos resultados.

O sofrimento psicológico foi medido apenas uma vez durante a gravidez, e os pesquisadores não puderam medir a intensidade ou persistência do sofrimento durante a gravidez. Além disso, a natureza autorrelatada dos dados pode enfraquecer os resultados.

_________________________

O estudo original foi publicado no Thorax

* “Parental psychological distress during pregnancy and the risk of childhood lower lung function and asthma: a population-based prospective cohort study” – 2020

Autores do estudo: Evelien R van Meel, Gautam Saharan, Vincent WV Jaddoe, Johan C de Jongste, Irwin KM Reiss, Henning Tiemeier, Hanan El Marroun, Liesbeth Duijts – doi.org/10.1136/thoraxjnl-2019-214099

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.