Antidepressivos podem ajudar na melhora da qualidade de vida?

A depressão é um transtorno que atinge diversas pessoas todos os anos, fazendo com que seja necessário o acompanhamento médico e o uso contínuo de antidepressivos.

Mas as pessoas que estão deprimidas e tomam antidepressivos têm melhorias na qualidade de vida relacionada à saúde em comparação com aquelas que não tomam medicamentos?

De acordo com um novo estudo dos EUA: embora as pessoas que tomam medicamentos para a depressão tenham algumas melhorias na qualidade de vida relacionada à saúde, elas não foram significativamente maiores do que as relatadas por indivíduos com depressão que não tomaram os medicamentos, de acordo com uma nova análise publicada em 20 de abril no PLoS One.

A depressão piorou durante a pandemia

Os sintomas de depressão podem incluir humor deprimido, perda de interesse ou prazer nas atividades diárias e sintomas que incluem problemas com sono, alimentação, energia, concentração ou autoestima.

Antes da pandemia, cerca de 1 em cada 12 adultos americanos relatavam sintomas depressivos a cada ano. De acordo com uma pesquisa publicada em outubro de 2021 na revista Lancet Regional Health Americas, esse número já triplicou; quase 1 em cada 3 adultos dos EUA – 32,8% – experimentou sintomas depressivos elevados em 2021.

Descobertas sugerem que os antidepressivos fizeram pouco para melhorar a qualidade de vida relacionada à saúde
Para examinar o impacto dos antidepressivos nas medidas de qualidade de vida em pessoas com depressão, os pesquisadores usaram dados do 2005-2015

United States Medical Expenditures Panel Survey (MEPS), um grande estudo longitudinal que rastreia o uso de serviços de saúde.

Durante o período do estudo, uma média de 17,5 milhões de pacientes adultos foram diagnosticados com depressão e 57,6% receberam tratamento com medicamentos antidepressivos. Cada participante fez uma pesquisa de qualidade de vida chamada SF-12, uma pesquisa autorrelatada que foi usada para medir a qualidade de vida relacionada à saúde no início do período do estudo e no final do acompanhamento de dois anos. O componente de saúde mental do SF-12 inclui perguntas sobre energia, humor e estado emocional e se problemas emocionais interferiram na capacidade da pessoa de realizar atividades normais.

Tomar antidepressivos foi associado a alguma melhora no componente mental do SF-12, mas quando essa mudança positiva foi comparada com a mudança no grupo de pessoas que não tomaram antidepressivos, a melhora não foi estatisticamente significativa, de acordo com os pesquisadores.

Os autores concluíram: “O efeito no mundo real do uso de medicamentos antidepressivos não continua a melhorar a qualidade de vida relacionada à saúde dos pacientes ao longo do tempo”, uma vez que a mudança foi quase a mesma do grupo que não tomou nenhum medicamento.

Especialistas encontraram grandes falhas no desenho do estudo e nas conclusões

Seria um erro concluir que os antidepressivos não melhoram a qualidade de vida das pessoas com depressão com base neste estudo, diz Paul Nestadt, MD, professor assistente de psiquiatria e ciências comportamentais na Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins. em Baltimore.

Para começar, a ferramenta usada para avaliar a qualidade de vida foi “áspera e deselegante”, diz ele. pontos versus 0,9 pontos), o efeito medido era muito pequeno para ser estatisticamente significativo”, diz o Dr. Nestadt. Por esses padrões, seria difícil para qualquer melhoria registrar significância estatística, diz ele.

Embora a escala de qualidade de vida relacionada à saúde seja útil para alguns estudos como forma de avaliar certos aspectos da saúde pública, não é uma ferramenta apropriada para acessar a eficácia dos antidepressivos, diz Bradley Gaynes, MD, MPH, chefe da divisão de saúde mental na UNC School of Medicine em Chapel Hill, Carolina do Norte. “Qualidade de vida relacionada à saúde é algo difícil de demonstrar mudança. Eu daria mais peso a essas descobertas se os autores tivessem usado uma ferramenta que medisse a depressão em si”, diz ele.

Além disso, os autores não consideram aqueles que usaram outros tratamentos alternativos para a depressão, como psicoterapia versus nada, diz Nestadt. “Há tanta coisa não mensurada nesses grupos, incluindo preconceitos, como quem pode pagar por tratamentos diferentes, ter acesso a eles ou estar disposto a buscá-los, que muito poucas conclusões verdadeiras podem ser tiradas dessa análise de dados grandes, mas superficiais. definido”, diz ele.

Tratar a depressão é eficaz e importante

Essas descobertas não se encaixam no que Nestadt vê em sua clínica. “Na minha experiência, tratar a depressão é bastante eficaz. Temos muitas intervenções de tratamento úteis, incluindo medicação e psicoterapia, entre outras, e descobri que, quando utilizadas para tratar um transtorno depressivo, a qualidade de vida do paciente melhora drasticamente”, diz ele.

Dr. Gaynes também diz que as descobertas e as conclusões dos autores não correspondem à sua experiência clínica. “Quando podemos identificar um transtorno depressivo claramente diagnosticado e fornecer um tratamento adequadamente dosado – seja um medicamento, psicoterapia ou outra terapia baseada em evidências, isso torna a depressão menos grave e melhora mais rapidamente”, destacou.

As pessoas que estão deprimidas devem procurar tratamento de um profissional, e as pessoas com depressão que estão tomando um antidepressivo devem continuar a tomar a medicação conforme indicado pelo seu médico, disse Gaynes.

“A depressão é uma doença tratável, mas um sintoma da doença é uma percepção de desesperança”, diz Nestadt. Isso pode significar que, embora a maioria dos estudos mostre um tremendo benefício do tratamento, alguns indivíduos podem sentir que nada funcionará para eles, acrescenta ele.

“Isso é perigoso e uma das razões pelas quais as pessoas não são atendidas. Conclusões exageradas de artigos como este podem contribuir para essa desesperança e contrariar o que sabemos que pode salvar vidas”, disse.

_____________________________
O estudo original foi publicado no Lancet Regional Health Americas

“Persistent depressive symptoms during COVID-19: a national, population-representative, longitudinal study of U.S. adults” – 2022

Autores do estudo: Catherine K. Ettman, Gregory H. Cohen, Salma M. Abdalla, Laura Sampson, Ludovic Trinquart, Brian C. Castrucci, et al – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.