Anticoncepcionais hormonais podem reduzir risco de doenças respiratórias

Aqui estão algumas notícias promissoras para mulheres com asma: mulheres em idade reprodutiva que usam anticoncepcionais hormonais, como a pílula anticoncepcional, podem reduzir o risco de crises graves de problemas respiratórios, de acordo com um estudo de 17 anos publicado online em, na revista Thorax.

Os hormônios sexuais influenciam a saúde

Embora a conexão possa parecer aleatória, há muito se pensa que hormônios sexuais como o estrogênio afetam a probabilidade de desenvolvimento de asma e a gravidade da doença. “Embora a asma seja mais comum em meninos do que em meninas durante a infância, começando por volta da puberdade, vemos uma mudança entre os gêneros na população global, na qual a incidência se torna maior em mulheres do que em homens”, diz o principal autor do estudo, Bright Nwaru, PhD, epidemiologista da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

Em outras palavras, os hormônios sexuais aumentam em atividade na época da puberdade, exatamente quando o perfil de risco de asma muda entre os sexos.

Além dos hormônios que ocorrem naturalmente no corpo, o impacto dos hormônios sexuais sintéticos (como os tipos de estrogênio e progesterona na pílula) na asma tem sido estudado com frequência nas últimas décadas. Mas os cientistas ainda não chegaram a um consenso sobre o efeito protetor dos hormônios.

O Dr. Nwaru e sua equipe rastrearam mais de 80.000 mulheres ao longo de quase duas décadas e investigaram o impacto potencial de diferentes tipos de contracepção hormonal, por quanto tempo foi usada e qual efeito o peso corporal (IMC) e o tabagismo podem ter na gravidade da asma.

A pílula, adesivo, anel vaginal e outros anticoncepcionais hormonais podem desempenhar um papel na gravidade da asma

No início do estudo, cerca de um terço (34%) das mulheres usava anticoncepcionais hormonais: 25% combinados e 9 por cento apenas de progesterona.

A porcentagem de mulheres que tiveram crises graves de asma aumentou com o avançar da idade, o IMC e o aumento da gravidez. Também foi maior em fumantes atuais e ex-fumantes, e entre mulheres que apresentavam algum problema ginecológico.

Mas eles também descobriram que as mulheres que tomam a pílula têm menos probabilidade de ter asma grave. “Nossos resultados mostraram que as mulheres que usavam anticoncepcionais hormonais, particularmente anticoncepcionais combinados, mas não anticoncepcionais apenas com progesterona, tinham um risco menor de ter exacerbações graves de asma do que as mulheres que não usavam anticoncepcionais hormonais”, diz Nwaru.

O período em que a mulher toma a pílula é um fator

A equipe de Nwaru descobriu que o tempo que uma mulher tomava a pílula teve um impacto significativo em seu efeito protetor. Mulheres que tomaram anticoncepcionais hormonais por apenas um ou dois anos não tiveram uma redução no risco de asma. Mas aqueles que o usaram por mais três anos foram associados a um risco menor quando comparados com pessoas que nunca o usam.

“Não está claro a partir de nossos resultados por que o uso de contraceptivos hormonais a longo prazo pode estar associado a uma melhor proteção contra asma grave em comparação com o uso de curto prazo, mas naturalmente se espera que se os contraceptivos hormonais conferem alguma proteção, então seu uso a longo prazo deve oferecer melhores benefícios”, diz Nwaru.

Outros benefícios para a saúde da pílula anticoncepcional

Sabemos que a pílula tem muito sucesso em sua finalidade: prevenir a gravidez. Mas os hormônios encontrados nesses medicamentos oferecem várias outras vantagens de bem-estar.

De acordo com a Planned Parenthood, as pílulas combinadas e só de progestógeno reduzem as cólicas menstruais, diminuem os períodos menstruais e diminuem o risco de gravidez ectópica. Mas eles também podem melhorar a acne, evitar o enfraquecimento dos ossos, reduzir os cistos mamários e ovarianos e diminuir o risco de câncer de endométrio e ovário.

Um estudo dinamarquês publicado em maio de 2020 na revista Scientific Reports descobriu que a contracepção oral também pode trazer benefícios emocionais positivos. Os pesquisadores descobriram que as mulheres que tomaram a pílula tinham níveis mais elevados do hormônio oxitocina – muitas vezes referido como o “hormônio do amor” – no sangue do que as mulheres que não tomaram.

“Há evidências de que a contracepção oral pode influenciar neuro-hormônios e comportamento emocional, cognitivo, sexual e social”, diz o autor do estudo Michael Winterdahl, PhD, professor associado de neuroimagem na Universidade Aarhus, na Dinamarca. “Uma melhor compreensão pode, em última análise, melhorar a saúde das mulheres e levar a escolhas mais informadas sobre a contracepção hormonal”, diz o Dr. Winterdahl.

Quem não deve tomar anticoncepcionais hormonais?

Embora a pílula anticoncepcional seja fácil de usar e altamente eficaz, os hormônios não são recomendados para todas as mulheres.

Por exemplo, se a mulher tem enxaquecas com aura (alterações na visão), ou tem um histórico de derrame ou outros problemas cardíacos, ou trombose venosa profunda, é recomendado que ela converse com o médico para saber se deve considerar outra opção de controle de natalidade, observa Christine Carlan Greves, MD, uma ginecologista de Orlando, Flórida, que não esteve envolvida na pesquisa.

Mulheres que têm câncer de mama, por exemplo, não devem tomar progesterona, disse ela ao Everyday Health. Fumantes e aqueles considerados com sobrepeso ou obesos devem discutir com seus médicos quais anticoncepcionais são as melhores opções para eles.

Asma, alergias e a saúde dos pulmões

A asma é uma das condições de saúde mais comuns e caras na América. É uma doença pulmonar crônica (de longo prazo) em que as vias respiratórias dos pulmões se estreitam e ficam inflamadas.

Essa inflamação pode tornar os brônquios sensíveis a fatores ambientais ou alérgenos, como poeira, fumaça, pelos de animais ou ar frio. Esses gatilhos podem desencadear um ataque de asma, que pode levar a uma emergência médica ou até à morte.

Estima-se que 26 milhões de pessoas nos Estados Unidos vivam com asma e que 10 pessoas morram por dia.

_________________________

O estudo foi publicado no BMJ Journals

* “Hormonal contraception and the risk of severe asthma exacerbation: 17-year population-based cohort study” – 2020

Autores do estudo: Bright I Nwaru, Holly Tibble, Syed A Shah, Rebecca Pillinger, Susannah McLean, Dermot P Ryan, Hilary Critchley, David B Price, Catherine M Hawrylowicz, Colin R Simpson, Ireneous N Soyiri, Francis Appiagyei, Aziz Sheikh – 10.1136/thoraxjnl-2020-215540

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.