Efeitos da angioplastia transluminal percutânea em lesões da artéria ilíaca

A aterosclerose na artéria ilíaca (artéria pélvica principal em direção à perna) pode resultar em estreitamento ou obstrução (oclusão), levando à redução do fluxo sanguíneo para a perna.

Isso é chamado de doença oclusiva da artéria ilíaca. A doença oclusiva da artéria ilíaca pode causar sintomas de dor nas pernas ao caminhar (claudicação intermitente), dor em repouso ou úlceras no pé ou na perna.

Uma variedade de opções de tratamento cirúrgico e endovascular (de dentro da artéria, por exemplo, angioplastia) estão disponíveis. Os procedimentos cirúrgicos abertos têm excelentes taxas de permeabilidade (porcentagem dos vasos que permanecem abertos), mas à custa de doenças substanciais e morte.

O tratamento endovascular tem boa segurança e eficácia em curto prazo com diminuição da doença, complicações e custos em comparação com procedimentos cirúrgicos abertos.

A angioplastia transluminal percutânea (PTA, dilatação da artéria com um balão) e stent (inserção de um tubo de malha pequena) são opções de tratamento endovascular amplamente usadas para doença oclusiva da artéria ilíaca. Um estreitamento ou obstrução da artéria ilíaca pode ser tratada com sucesso apenas com PTA.

Se o PTA sozinho não for bem-sucedido, um stent adicional pode ser colocado. Alternativamente, um stent pode ser colocado sozinho para tratar um estreitamento ou obstrução ilíaca (isso é chamado de stent primário (PS)).

No entanto, as evidências são limitadas para comprovar qual estratégia de tratamento endovascular é melhor para lesões que restringem as artérias ilíacas. A revisão investiga se é melhor colocar um stent em primeira instância ou apenas em determinadas circunstâncias.

Critério de seleção

Foram incluídos todos os ensaios clínicos randomizados (ECRs) comparando a angioplastia transluminal percutânea e stent primário para doença oclusiva da artéria ilíaca.

Os autores excluíram ensaios quase-randomizados, relatos de casos, estudos de caso-controle ou estudos de coorte.

Coleta e análise de dados

Dois autores selecionaram independentemente ensaios adequados, extraíram dados, avaliaram a qualidade dos ensaios e realizaram análises de dados.

Quando houvesse discordância, o consenso seria alcançado primeiro por discussão entre os dois autores e, se necessário, por meio de consulta a um terceiro autor.

A equipe utilizou os critérios GRADE para avaliar a certeza das evidências e apresentamos os principais resultados em uma tabela de ‘Resumo dos resultados’.

Os principais desfechos de interesse foram sucesso técnico, complicações, melhora sintomática da doença arterial periférica (DAP), permeabilidade, reintervenções, resolução de sintomas e sinais e melhora na distância caminhada conforme relatado pelo paciente.

Características do estudo e principais resultados

Não foram encontrados novos estudos para a atualização. Anteriormente, havia sido identificado dois estudos com um total combinado de 397 participantes relevantes para o tópico. A combinação dos dados não foi possível devido às diferenças entre os dois estudos incluídos. As evidências na revisão Cochrane são atuais até 24 de setembro de 2019.

Para os resultados de interesse, não surgiram diferenças claras entre os dois tipos de tratamento: sucesso técnico do procedimento, melhora na gravidade da doença arterial oclusiva ou patência do vaso tratado.

No entanto, em um estudo, que incluiu apenas oclusões da artéria ilíaca, menos complicações foram observadas no grupo de participantes tratados com PS.

Nenhum estudo relatou complicações tardias. Um estudo relatou reintervenção e resolução de sintomas e sinais, sem evidências de diferença detectada entre o grupo PS e o grupo PTA. Nenhum dos estudos relatou melhora na distância caminhada. Mais pesquisas sobre este assunto são necessárias.

Confiabilidade da evidência

Ambos os estudos tiveram algum risco de viés relacionado ao relato seletivo e não cegamento dos participantes e pessoal. Ambos os estudos ocorreram na década de 1990 e as técnicas evoluíram desde então.

Os autores consideram a certeza geral das evidências como baixa devido a esse risco de viés, ao pequeno número de estudos incluídos e às diferenças nos tipos de pacientes incluídos.

Conclusão dos autores

Não há evidências suficientes para fazer conclusões gerais sobre os efeitos da angioplastia transluminal percutânea versus implante de stent primário para lesões estenóticas e oclusivas da artéria ilíaca.

Dados de um estudo indicam que o implante de stent primário em oclusões da artéria ilíaca pode resultar em taxas de embolização distal mais baixas (evidência de baixa certeza).

As evidências desta revisão, baseadas em dois estudos, foram avaliadas como de baixa certeza, com decisões de rebaixamento baseadas nas limitações de risco de viés, imprecisão e indireto. Mais estudos são necessários para fortalecer nossa confiança nos resultados.

_____________________________

O estudo foi publicado na Cochrane Library

* “Angioplasty versus stenting for iliac artery lesions” – 2020

Autores do estudo: Jongsma H, Bekken J, Ayez N, Hoogewerf CJ, Van Weel V, Fioole B – 10.1002/14651858.CD007561.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.