Um terço de bebês expostos ao Zika no útero têm problemas neurológicos!

Nova pesquisa conduzida pela UCLA sugere que 32% das crianças até os 3 anos de idade que foram expostas ao vírus Zika durante a gravidez da mãe tiveram um desenvolvimento neurológico abaixo da média.

O estudo também descobriu que menos de 4% das 216 crianças avaliadas tinham microcefalia – uma cabeça menor do que o normal, que é uma das características da doença transmitida por mosquitos. As cabeças de duas dessas crianças cresceram para o tamanho normal ao longo do tempo, relataram os pesquisadores.

Novo estudo sobre o Zika

Os resultados, conduzidos por pesquisadores da Universidade da Califórnia (UCLA) com colegas no Rio de Janeiro, Brasil, onde a doença foi detectada pela primeira vez, bem como na Áustria e na Alemanha, são um acompanhamento de pesquisas anteriores. Esse estudo mostrou danos neurológicos substanciais identificados por meio de testes de desenvolvimento e neuroimagem em crianças menores de dois anos cujas mães foram infectadas com zika durante a gravidez.

“As crianças que foram expostas ao zika durante a gravidez de suas mães precisam ter avaliações de desenvolvimento ao longo do tempo, e os exames oftalmológicos e oculares devem ser realizados, se houver risco de atraso no desenvolvimento, ou atraso no desenvolvimento for identificado, existem intervenções cognitivas, linguísticas e comportamentais que podem ser postas em prática para melhorar os resultados para essas crianças”, disse a principal autora do estudo, Dra. Karin Nielsen-Saines, professora de pediatria clínica e diretora da divisão de doenças infecciosas pediátricas na Escola de Medicina David Geffen na UCLA e no Hospital Infantil da UCLA Mattel.

Os pesquisadores testaram 146 crianças usando o teste Bayley-III, uma avaliação ampliada do neurodesenvolvimento que verifica a linguagem, o desenvolvimento cognitivo e motor. Eles usaram a Avaliação Neurológica Infantil Hammersmith, ou HINE, uma avaliação menos detalhada, sobre as outras 70 crianças cujos pais não desejavam levar seus filhos para a longa Bayley-III.

Os pesquisadores descobriram que no grupo Bayley-III, 51 crianças testaram para a linguagem, 14 testaram para o desenvolvimento cognitivo, e 24 avaliaram para o desenvolvimento motor com pontuação abaixo da média.

Do grupo HINE, três crianças tiveram resultados anormais e 67 apresentaram resultados normais.

Além disso, 10 das 137 crianças que fizeram exames oftalmológicos mostraram resultados anormais e 14 das 114 crianças submetidas a exames auditivos apresentaram déficits auditivos.

Duas crianças no estudo tinham medidas de cabeça normais no nascimento, mas desenvolveram microcefalia durante o primeiro ano, enquanto outras duas com microcefalia no momento do nascimento desenvolveram circunferência da cabeça normal por um ano.

“Isso significa que a microcefalia não é necessariamente estática”, disse a Dra Nielsen-Saines.

Os pesquisadores não tiveram um grupo de comparação de crianças não expostas ao Zika que nasceram ao mesmo tempo e foram criadas no mesmo ambiente que aquelas que se sabe terem sido expostas ao Zika no útero.

Bebês expostos ao zika no útero têm problemas neurológicos

“A exposição ao Zika pode ser uma condição muito difícil de diagnosticar em retrospecto, por isso não podemos descartar infecção por Zika não diagnosticada em um grupo de controle de crianças testadas ao mesmo tempo, testes de neurodesenvolvimento devem ser feitos simultaneamente em populações semelhantes com o mesmo histórico”, disse a Dra Nielsen-Saines.

Ela também observou que o acompanhamento adequado em longo prazo de crianças cujas mães tiveram infecção por Zika na gravidez é necessário.

“Essas crianças exigem muita atenção e vigilância contínua, para que intervenções imediatas para melhorar seu desenvolvimento possam ser fornecidas, se necessário”, concluiu ela.

O estudo completo foi publicado e está a disposição na revista médica científica Nature Medicine.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *