Terapia endovascular para AVC de oclusão da artéria basilar

De acordo com uma análise mais detalhada dos estudos BEST e BASICS, alguns pacientes com AVC de oclusão da artéria basilar poderiam se beneficiar da terapia endovascular (TEV).

Entre a população-alvo agrupada, os 351 pacientes com AVC com escores da escala NIH Stroke (NIHSS) de ≥10, TEV foi associada a melhores chances de deficiência zero a moderada (escala de Rankin modificada [mRS] 0-3) em 90 dias em comparação com o melhor tratamento médico (38,7% vs 26,5%, OR ajustado 1,94, IC 95% 1,06-3,54) na análise de intenção de tratar ajustada.

As taxas de mortalidade favoreceram numericamente o grupo de terapia endovascular em relação aos controles (40,3% vs 48,2%, OR ajustado 0,75, IC 95% 0,43-1,31), apesar de um salto na hemorragia intracraniana sintomática (sICH; 5,0% vs 0,6%, OR ajustado 15,06, IC 95% 1.23-183.91), relatou Raul Nogueira, MD, do Grady Memorial Hospital e da Emory University School of Medicine em Atlanta, e colegas do grupo VERITAS, na conferência virtual International Stroke da American Stroke Association.

A análise de subgrupo dos dados agrupados em nível de paciente do BEST e BASICS sugeriu que os pacientes mais velhos tendiam a ter resultados especialmente bons com a TEV.

Com base no estudo, parece “que alguns pacientes com acidentes vasculares cerebrais com oclusão da artéria basilar se beneficiam da trombectomia mecânica”, comentou Steven Hetts, MD, do UCSF Mission Bay Hospitals em San Francisco.

“As tendências parecem favorecer a TEV em pacientes selecionados, o que é consistente com nossa experiência anterior em acidentes vasculares cerebrais com oclusão de grandes vasos [LVO] na circulação anterior”, observou ele.

Os AVCs da circulação posterior LVO são difíceis de estudar devido à sua raridade. Esses derrames também são caracterizados por sintomas e gravidade complexos.

BEST e BASICS falharam em mostrar um benefício para terapia endovascular sobre o tratamento médico em acidentes vasculares cerebrais de oclusão vertebrobasilar.

Nogueira observou que esses dois ensaios clínicos randomizados sofreram com problemas de recrutamento, crossovers e seleção inadequados, resultando em falta de potência. Além disso, o estudo BASICS passou por uma modificação de protocolo para permitir o recrutamento de pessoas com derrames mais leves (NIHSS <10), potencialmente diluindo o efeito do tratamento.

De fato, o agrupamento de todas as 431 pessoas no BEST e no BASICS resultou na queda do NIHSS médio de 30 para 23.

Nesta população maior, não houve diferença entre os grupos que alcançaram mRS 0-3 (43,6% vs 36,0%, OR ajustado 1,55, IC 95% 0,92-2,63), mas um aumento consistente no sICH após TEV(5,5% vs 0,5%, ajustado OR 19,16, IC 95% 1,72-212,95).

Os investigadores do VERITAS relataram que a coorte geral do estudo tinha uma idade mediana de cerca de 68 anos e quase um terço dos participantes eram mulheres.

É importante ressaltar que a fibrilação atrial subjacente foi mais prevalente no início do estudo entre o braço TEV em comparação com os controles.

Isso implica “que suas oclusões basilares podem ter sido mais provavelmente da embolização de um coágulo do coração para uma artéria basilar normal”, de acordo com Hetts. “Eu esperaria que esses pacientes se saíssem melhor clinicamente do que os pacientes com doença aterosclerótica subjacente na própria artéria basilar que leva à oclusão da artéria basilar.”

Existem três estudos em andamento sobre a terapia endovascular para acidentes vasculares cerebrais de oclusão da artéria basilar na China, de acordo com Nogueira.

_______________________

O estudo original foi publicado no International Stroke Conference

* “Vertebrobasilar occlusion randomization to endovascular reperfusion versus intravenous thrombolysis or medical treatment alone systematic evaluation (VERITAS) collaboration” – 2021

Autores do estudo: Nogueira RG, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.