Cientistas alertam sobre novas superbactérias que estão por vir!

Tudo começou em 2009 , quando médicos em Tóquio limparam a orelha de uma mulher de 70 anos e encontraram uma linhagem desconhecida de fungos que pode infectar seres humanos e, em casos graves, causar uma infecção no sangue em pacientes de alto risco. As temíveis Superbactérias chama-se Candida auris.

Agora, uma década depois de ter sido descoberto, casos foram relatados em mais de 30 países ao redor do globo – incluindo Estados Unidos, Austrália, Índia, Alemanha, Israel, Venezuela e África do Sul, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. .

Mas como chegamos aqui é um mistério

Enquanto o fungo parece ter surgido há relativamente pouco tempo, sua genética revela grupos distintos que se desenvolveram em diferentes continentes.

“Nós realmente não podemos explicar isso … a menos que isso remonte a milhares de anos”, disse o Dr. Tom Chiller, chefe da Divisão de Doenças Microscópicas do CDC.

Mas quando os cientistas foram à procura de Cândida auris em amostras antigas – sabendo que testes anteriores podem ter identificado erroneamente ou não a detectaram, dificilmente haveria qualquer lugar para ser encontrado.

“É um pouco paradoxo, na verdade. Por que de repente veio a causar um problema em um momento semelhante em diferentes partes do mundo?” disse o dr. David Eyre, médico de doenças infecciosas da Universidade de Oxford.

As Superbactérias tem a ver com o uso de antibióticos e antifúngicos?

“Temos cerca de 5 a 6 milhões de espécies diferentes de fungos. Apenas algumas centenas causam doenças humanas. Então há um monte de potencial para mais coisas surgirem,” explicou Chiller.

Um fungo que age “como uma bactéria”

Superbactérias-Cândida-Auris

Para Chiller, o surgimento da Cândida auris destaca o perigo da resistência antimicrobiana: o surgimento de “superbactérias” que ameaçam tornar impotentes muitas de nossas drogas testadas e comprovadas. Mas há algo diferente sobre esse fungo.

“É um fermento que está agindo como uma bactéria“, disse ele.

Outras espécies de Candida já viajam conosco – em nossa pele, em nossas entranhas – e não tendem a causar infecções a menos que haja um desequilíbrio. Isso pode acontecer, por exemplo, quando os antibióticos destroem as bactérias boas com as ruins, deixando um lugar para que a Candida cresça.

Quando isso acontece na boca, é comumente chamado de sapinho. Na vagina, é uma infecção por fungos. Mas a maioria das Cândidas não é conhecida por ser transmitida em ambientes de cuidados de saúde.

“Vivemos em um mundo coberto de antibióticos, nós realmente precisamos estar pensando seriamente como usamos essas drogas, para futuramente evitarmos o surgimento de novas superbactérias,” disse Chiller.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.