Prostatectomia radical pode curar mais da metade dos casos de alto risco

A prostatectomia radical – o padrão de tratamento para o câncer de próstata clinicamente localizado – pode curar mais da metade dos homens considerados como tendo tumores de alto risco. No entanto, a recorrência bioquímica é possível em cerca de 30% dos pacientes com características adversas.

Portanto, a cirurgia é frequentemente seguida de radioterapia adjuvante no leito da próstata. Alternativamente, os pacientes podem ser observados após a cirurgia, com radioterapia administrada apenas quando os níveis de antígeno prostático específico (prostate-specific antigen [PSA]) começarem a aumentar.

A radioterapia de resgate evita o tratamento desnecessário dos curados apenas pela cirurgia e o resultado líquido é menos morbidade relacionada ao tratamento.

No entanto, as evidências da literatura não fornecem clareza sobre se os benefícios da radioterapia após a cirurgia superaram os riscos.

As diretrizes da European Association of Urology recomendam radioterapia adjuvante após a recuperação da função urinária em pacientes com risco aumentado de recidiva em até 6 meses após a prostatectomia radical ou radioterapia de resgate precoce para recorrência bioquímica.

No entanto, o consenso sobre o momento ideal de radioterapia permanece não alcançado. Uma pesquisa de 2018 com 88 oncologistas de radiação descobriu que 55% recomendaram radioterapia adjuvante e 45% recomendaram radioterapia de resgate em caso de recorrência.

Depois de apresentar os resultados iniciais do maior ensaio de radioterapia adjuvante no câncer de próstata no encontro anual ESMO 2019 em Barcelona, ​​Matthew R. Sydes, MD, da University College London, e colegas publicaram os resultados provisórios do ensaio RADICALS-RT no The Lancet.

Como o estudo foi conduzido

O estudo incluiu 1.396 pacientes com câncer de próstata localizado associado a pelo menos uma característica de alto risco.

Todos os pacientes foram submetidos à prostatectomia radical e foram randomizados para radioterapia adjuvante precoce ou para uma estratégia de vigilância e espera de irradiação de resgate.

No grupo adjuvante, a radioterapia foi administrada dentro de 6 meses em 93% dos pacientes, enquanto um terço dos pacientes no grupo de resgate recebeu radioterapia dentro de 8 anos da cirurgia.

A taxa de sobrevida livre de progressão bioquímica (progression-free survival [PFS]) em 5 anos foi de 85% para pacientes no grupo de radioterapia adjuvante e 88% para aqueles no grupo de radioterapia de resgate.

Em um comunicado à imprensa, a equipe observou que 7.000 homens são tratados para câncer de próstata com prostatectomia radical a cada ano.

Traduzindo os resultados do RADICALS-RT para o mundo real, isso significaria que a maioria dos homens pode evitar 20 ou mais viagens ao hospital para radioterapia e os custos de acompanhamento e efeitos colaterais de tratamentos adicionais. Idealmente, eles poderiam ser monitorados, com radioterapia aplicada apenas quando o câncer reaparece.

Essas descobertas estavam de acordo com o estudo RAVES, publicado no Lancet Oncology e o estudo GETUG-AFU 17, também publicado no Lancet Oncology, bem como uma metanálise publicada no The Lancet, que foi projetada prospectivamente antes dos resultados de os três ensaios clínicos randomizados eram conhecidos e incluíram 2.153 homens de todos os três ensaios.

A análise de dados para o estudo RAVES de fase III incluiu 333 pacientes com características de alto risco da Austrália e Nova Zelândia. O estudo teve um acompanhamento médio de 6,1 anos e a inscrição foi encerrada prematuramente devido à lentidão, relatou Andrew Kneebone, MD, do Royal North Shore Hospital em Sydney, e colegas.

Os pacientes foram randomizados para radioterapia adjuvante dentro de 6 meses da prostatectomia radical ou para irradiação de resgate desencadeada por um aumento no PSA de 0,20 ng/mL ou mais.

O estudo teve poder estatístico para demonstrar a não inferioridade da radioterapia de resgate, definida como uma taxa de PFS bioquímica em 5 anos dentro de 10% da taxa para a radioterapia adjuvante.

Os resultados mostraram uma taxa de PFS bioquímica em 5 anos de 86% com radioterapia adjuvante versus 87% com radioterapia de resgate. Os pacientes alocados para radioterapia adjuvante tiveram uma maior incidência de toxicidade geniturinária grau ≥2.

Embora o ensaio não tenha conseguido atender aos critérios estatísticos pré-especificados de não inferioridade, “esses dados apoiam o uso de radioterapia de resgate, pois resulta em controle bioquímico semelhante à radioterapia adjuvante, poupa cerca de metade dos homens da radiação pélvica e está associada a toxicidade geniturinária significativamente menor”, concluíram os autores.

O estudo randomizado GETUG-AFU 17 incluiu 424 pacientes matriculados em 46 hospitais na França. O ensaio foi encerrado mais cedo devido a uma taxa de eventos clínicos menor do que o esperado.

Após a prostatectomia radical, todos os pacientes receberam terapia hormonal padronizada e foram randomizados para radioterapia imediata ou tardia.

O desfecho primário foi a sobrevida livre de eventos (event-free survival [EFS]), definida como recidiva da doença (loco-regional ou metastática), progressão bioquímica ou morte.

Após um acompanhamento médio de 75 meses, o grupo adjuvante teve uma taxa de EFS de 5 anos de 92% contra 90% para os pacientes alocados para terapia de radiação retardada.

Toxicidades geniturinárias de grau tardio ≥2 e eventos adversos geniturinários ocorreram em cerca de três vezes mais pacientes no braço adjuvante, relatou Paul Sargos, MD, do Institut Bergonie em Bordeaux, e colegas.

Conclusão dos autores

A meta-análise dos três estudos teve poder estatístico para determinar se a radioterapia adjuvante melhorou a SLE em comparação com o tratamento de resgate.

A análise incluiu uma definição expandida de EFS: progressão bioquímica, progressão clínica ou radiológica, início de tratamento não estudado, morte por câncer de próstata ou aumento de PSA ≥2 ng/mL a qualquer momento após a randomização.

A análise “não mostrou evidências de que a sobrevida livre de eventos foi melhorada com a radioterapia adjuvante em comparação com a radioterapia de resgate precoce”, concluiu Claire L. Vale, PhD, do University College Hospital em Londres, e colegas.

A diferença absoluta de 1% na EFS representou uma diferença não significativa de 5% na taxa de risco em favor da terapia adjuvante. Os resultados foram consistentes em todos os ensaios, que foram considerados de baixo risco de viés.

________________________

O estudo original foi publicado no The Lancet

* “Timing of radiotherapy after radical prostatectomy (RADICALS-RT): a randomised, controlled phase 3 trial” – 2020 

Autores do estudo: Prof Christopher C Parker, Prof Noel W Clarke, Adrian D Cook, Prof Howard G Kynaston, Peter Meidahl Petersen, Prof Charles Catton, et al – doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31553-1

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.