Prescrição de analgésicos para neuropatia periférica diabética diminuiu

O uso de analgésicos prescritos para neuropatia periférica diabética diminuiu nos últimos anos, embora os opioides representassem mais de 40% desses scripts, descobriu um estudo retrospectivo.

Observando os dados de 3.496 adultos com neuropatia periférica diabética recém-diagnosticada, a porcentagem de pacientes que receberam uma nova prescrição de analgésicos caiu de 46% em 2014 para 35% em 2018, Rozalina McCoy, MD, MS, da Mayo Clinic em Rochester , Minnesota, e seus colegas escreveram para o JAMA Network Open.

Baseando-se nos dados do prontuário eletrônico da Mayo Clinic em Minnesota, Arizona e Flórida, o estudo incluiu pacientes que receberam prescrição de um medicamento analgésico de primeira linha com um novo diagnóstico CID-10 de neuropatia diabética periférica.

Entre os que iniciaram uma nova medicação para dor, 44% receberam prescrição de opioides durante o período do estudo, que não são recomendados para dor de neuropatia periférica diabética de acordo com as diretrizes clínicas.

“O uso de qualquer opioide para o tratamento da dor neuropática crônica traz o risco de dependência e deve ser evitado”, aconselha os Padrões de Assistência Médica em Diabetes de 2020 da American Diabetes Association.

Os opioides representaram cerca de metade das prescrições para dor em 2014, para pouco mais de 40% em 2018. Para os opioides prescritos, os pacientes eram mais propensos a serem homens e também menos propensos a ter fibromialgia.

“Essas altas taxas de uso de opioides por pacientes com DPN [neuropatia periférica diabética], uma síndrome de dor ao longo da vida, são preocupantes porque opções de tratamento eficazes mais seguras estão disponíveis”, destacou o grupo de McCoy.

Eles também apontaram que as taxas de uso de opioides vistas aqui “excederam as relatadas anteriormente, provavelmente porque não excluímos pacientes com dor preexistente ou transtornos de humor, que são comuns nesta população, tornando os achados de nosso estudo mais generalizáveis”.

Por outro lado, 43% dos que iniciaram um analgésico receberam prescrição de um dos agentes recomendados pelas diretrizes: pregabalina (Lyrica), gabapentina (Neurontin, Gralise, Neuraptina) ou inibidores da recaptação da serotonina-norepinefrina, como a venlafaxina ( Effexor XR), duloxetina (Cymbalta), milnaciprano (Savella) e desvenlafaxina (Pristiq).

Cerca de um em cada cinco pacientes receberam prescrição de um medicamento “aceitável” para neuropatia periférica diabética, que incluía analgésicos tópicos, antidepressivos tricíclicos e outros anticonvulsivantes.

Embora as prescrições de opioides pareçam diminuir de 2014 a 2018 (OR 0,71, IC 95% 0,49-1,02) e o uso de medicamentos recomendados tenha aumentado ligeiramente (OR 1,25, IC 95% 0,86-1,80), essas tendências não foram estatisticamente significativas após o ajuste para fatores demográficos e outros fatores clínicos.

Certos fatores clínicos foram associados a uma chance maior de os pacientes iniciarem uma nova medicação para a dor.

Depressão comórbida foi a principal condição associada a uma maior chance de iniciar uma nova prescrição, aumentando as chances em 61% (OR 1,61, IC 95% 1,35-1,90), seguida por artrite comórbida (OR 1,21, IC 95% 1,02-1,43) e dor nas costas (OR 1,34, IC 95% 1,16-1,55).

Curiosamente, os pacientes que tinham artrite comórbida eram cerca de 24% menos propensos a receber prescrição de um dos analgésicos recomendados para neuropatia periférica diabética (OR 0,76, IC 95% 0,59-0,99).

No entanto, as novas prescrições para todos esses pacientes caíram significativamente de 2014 a 2018.

A presença de complicações relacionadas ao diabetes – retinopatia, nefropatia, doença cardiovascular, doença cerebrovascular, doença vascular periférica – não foi associada a uma chance aumentada de iniciar um novo analgésico.

Uma limitação do estudo foi a falta de dados sobre a intensidade da dor e se os pacientes tinham alguma outra indicação para tratamento com opioides.

“Mais pesquisas são necessárias para examinar as tendências de gerenciamento de DPN em nível nacional, identificar fatores associados ao uso de opioides e barreiras para alternativas baseadas em evidências e desenvolver intervenções para melhorar o gerenciamento de DPN na prática clínica”, concluiu o grupo.

__________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network Open

* “Trends in Pain Medication Initiation Among Patients With Newly Diagnosed Diabetic Peripheral Neuropathy, 2014-2018” – 2021

Autores do estudo: Jungwei Fan, PhD, Molly Moore Jeffery, PhD, W. Michael Hooten, MD, Nilay D. Shah, PhD, Rozalina G. McCoy, MD, MS – 10.1001/jamanetworkopen.2020.35632

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.